947: CENSURADO, DE NOVO, NO FACEBOOK

Em destaque

No Facebook não se pode falar mal da Besta de Leste, um russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 terrorista, assassino e psicopata demente!

ACTUALIZAÇÃO EM 27.11.2022

A 4 meses de fazer 77 anos de vida, fui “castigado” por uns fedelhos do Facebook, tal e qual como na era fascista de salazar e da PIDE/DGS.

Não é em vão que por vezes me interrogo se realmente existe em Portugal LIBERDADE DE EXPRESSÃO e, pelo menos, um mínimo daquilo a que chamam de DEMOCRACIA, a fim de as pessoas poderem lavrar as suas opiniões LIVREMENTE, sem terem uns fedelhos a controlar o que escrevem e a CORTAR-LHES A OPINIÃO!

Os fedelhos CENSORES do Facebook, não gostaram dos artigos que escrevo sobre a guerra na Ucrânia, imposta pelos russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺putinofantoches que bombardeiam tudo o que são aldeias, vila e cidades da Ucrânia, assassinando civis de todas as idades, destruindo os seus lares, as suas infra-estruturas de electricidade, gás e água, provocando-lhes uma sobrevivência destruidora já que começou o Inverno naquelas paragens com temperaturas abaixo de zero.

Se estas acções da Besta do Leste putinofantoche não constituem CRIMES DE GUERRA e CONTRA A HUMANIDADE; se vamos deixar passar em branco este GENOCÍDIO, estas atrocidades, sem as DENUNCIAR publicamente, não vale a pena auto-apelidar-mo-nos de seres humanos sensientes.

Não só o planeta Terra se encontra em estado acelerado de destruição, como a maior parte da Humanidade se encontra em estado degenerativo e caminha para a sua extinção.

27.11.2022


FUI NOVAMENTE CENSURADO PELO LÁPIS AZUL FASCISTA DO CENSOR DO FACEBOOK.

PORQUE AS NOTÍCIAS QUE INSIRO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA, NÃO É DO GOSTO DOS CENSORES DO FACEBOOK E ATIRAM-ME COM JUSTIFICAÇÕES SOBRE AS NORMAS DELES, COMPLETAMENTE INJUSTIFICÁVEIS.

ISTO É UM ATENTADO CONTRA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO. NÃO CONCORDEI COMO SERIA DE ESPERAR.

E NÃO SEI SE VOU REGRESSAR A ESTA MERDA DE REDE QUE NADA TEM DE SOCIAL POIS CENSURA FASCISTA JÁ CHEGOU A DO SALAZAR E DA PIDE/DGS.

NEM MUDAR A IMAGEM DO CABEÇALHO DEIXARAM, DADO QUE ESTÁ BLOQUEADA. BARDAMERDA! ISTO FOI O QUE ME DISSERAM:

27.11.2022

Houve várias restrições na tua conta.
Isto aconteceu porque publicaste algo anteriormente que desrespeitava os nossos Padrões da Comunidade. Também não poderás transmitir em direto ou publicitar durante 30 dias.
Esta publicação desrespeita as nossas normas sobre pessoas e organizações perigosas, pelo que só tu a podes ver.
Francisco Gomes
3 h · Conteúdo partilhado com: Público
O incidente com o míssil na Polónia é um aviso do que está para vir da guerra na Ucrânia
🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦
🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦
🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS ☠️☠️ FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV ☠️☠️
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI ☠️☠️ IZ UKRAINY
POLÓNIA/MÍSSIL/UCRÂNIA/RUSSONAZIS 🇷🇺☠️☠️🇷🇺

https://omeublogue.eu/2022/11/26/o-incidente-com-o-missil-na-polonia-e-um-aviso-do-que-esta-para-vir-da-guerra-na-ucrania/

Roman Pilipey / EPA

As nossas normas sobre pessoas e organizações perigosas
Não permitimos símbolos, apoio ou suporte de pessoas ou organizações perigosas no Facebook.
Definimos coisas perigosas como:

• Atividade terrorista; ???
• Incentivo ao ódio organizado ou violência; ???
• Assassínio em massa ou em série; ???
• Tráfico humano; ???
• Atividade criminosa ou prejudicial. ???

O que pretendes fazer?
A tua publicação desrespeita os nossos Padrões da Comunidade sobre as pessoas e organizações perigosas, pelo que mais ninguém a pode ver.

Discordaste da decisão
Agradecemos o teu feedback. Vamos usá-lo para melhorar as nossas decisões no futuro.

– ESTES GAJOS CHAMAM ACTIVIDADE TERRORISTA AOS UCRANIANOS?
– ESTES GAJOS DIZEM QUE É UM INCENTIVO AO ÓDIO E À VIOLÊNCIA?
– ESTES GAJOS DIZEM QUE É INCENTIVO AO ÓDIO ORGANIZADO OU VIOLÊNCIA?
– ESTES GAJOS DIZEM QUE É UM ASSASSÍNIO EM MASSA OU EM SÉRIE?
– ESTES GAJOS DIZEM QUE É TRÁFICO HUMANO?
– ESTES GAJOS DIZEM QUE É ACTIVIDADE CRIMINOSA OU PREJUDICIAL?

ESTES GAJOS SÓ PODEM SER PRÓ-RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 DE CERTEZA ABSOLUTA E COMO NA RÚSSIA, ESTÁ VEDADA TODA A VERDADE, CORTAM E CENSURAM QUEM INFORMA EM PORTUGAL.

27.11.2022



 

628: MEDALHA DA LIBERDADE EUA

Em destaque

MEDALHA DA LIBERDADE EUA CONCEDIDA A VOLODYMYR ZELENSKY

Medalha Presidencial da Liberdade (em inglês: Presidential Medal of Freedom) é uma condecoração concedida pelo presidente dos Estados Unidos e é, junto com a equivalente Medalha de Ouro do Congresso (concedida por um acto do Congresso dos Estados Unidos), a maior condecoração civil dos Estados Unidos.

É projectada para reconhecer os indivíduos que fizeram “uma contribuição especial meritória à segurança ou interesses nacionais dos Estados Unidos, paz mundial, cultural ou outras importantes iniciativas públicas e privadas.” Embora seja um prémio civil criado por uma ordem executiva, também pode ser dada a militares e levada no uniforme.

História

De nome similar ao da extinta Medalha da Liberdade – criada por Harry S. Truman em 1945 em honra aos civis que participaram da Segunda Guerra Mundial, porém muito mais parecida em significado com a Medalha Presidencial por Mérito: a Medalha Presidencial da Liberdade é actualmente a mais alta condecoração civil dos Estados Unidos, concedida pelo Presidente em pessoa.

A condecoração foi estabelecida por John Kennedy em 1963 pela “Ordem Executiva 11085” (“Executive Order 11085”), com insígnia única e distintiva, objectivo extenso e mais alto prestígio. Foi a primeira condecoração do país em forma de colar e até hoje permanece como a única condecoração a incluir uma estrela e faixa.

A Ordem Executiva sobre a criação da medalha recomenda que esta seja entregue anualmente no mês de Julho – especialmente em 4 de Julho, aniversário da Independência.

Entretanto, ao longo da história, a medalha não foi entregue em alguns anos. Os agraciados são seleccionados pelo Presidente em pessoa ou com base nas recomendações de cargos políticos próximos.

Um cidadão pode receber a medalha mais de uma vez (John Kenneth Galbraith e Colin Powell receberam duas medalhas cada um). Além disso, a honraria pode ser concedida postumamente em forma de tributo, como nos casos de Lyndon Johnson, Neil Armstrong e o próprio John Kennedy.

Wikipedia
08.11.2022



 

1048: Comissão Europeia quer criminalizar subversão das sanções à Rússia na UE

🇪🇺 COMISSÃO EUROPEIA // SANÇÕES // RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

A Comissão Europeia propôs hoje criminalizar a subversão das sanções aplicadas pela União Europeia (UE) à Rússia, estabelecendo regras comuns no espaço comunitário para facilitar a investigação e punição de tais violações das medidas restritivas nos países europeus.

© Lusa

“A Comissão Europeia apresenta hoje uma proposta para harmonizar as infracções penais e as penas pela violação das medidas restritivas da UE [pois], embora a agressão russa à Ucrânia ainda decorra, é primordial que as medidas restritivas da UE sejam plenamente aplicadas e que a violação dessas medidas não seja compensadora”, salienta a instituição em comunicado de imprensa.

A proposta visa “estabelecer regras comuns da UE, o que facilitará a investigação, a perseguição e a punição de violações das medidas restritivas em todos os Estados-membros”, destaca Bruxelas, vincando que a subversão das sanções passará a ser classificada como “infracção penal grave”.

Em causa estão questões como a mobilização de fundos ou recursos económicos para pessoas ou entidades abrangidas nas listas de sanções, o não congelamento desses fundos, a autorização de entrada de pessoas abrangidas no território de um Estado-membro ou em trânsito, a realização de transacções com países terceiros que são proibidas ou restringidas por medidas restritivas da UE, o comércio de bens ou serviços cuja importação ou exportação está vedada ou limitada, a concretização de actividades financeiras proibidas ou restringidas e ainda a prestação de outros serviços como de consultoria jurídica, serviços fiduciários e consultoria fiscal.

Dependendo da infracção, um cidadão poderá estar sujeito a uma pena máxima de pelo menos cinco anos de prisão, enquanto as empresas poderão ser alvo de penalizações não inferiores a 5% do total do volume anual de negócios mundial.

Cabe agora ao Parlamento e ao Conselho discutirem e votarem a proposta.

Na passada segunda-feira, o Conselho da UE já iniciou, por unanimidade, o processo para que a subversão das sanções impostas pelo bloco comunitário à Rússia seja integrada na lista de crimes reconhecidos, de forma a evitar que Moscovo, alvo de sanções europeias sem precedentes, consiga contornar as medidas restritivas.

Estas sanções — que incluem sanções individuais, sanções económicas e medidas em matéria de vistos — juntam-se às medidas em vigor impostas à Rússia desde 2014, na sequência da anexação da península da Crimeia e da não aplicação dos acordos de Minsk.

As sanções económicas visam impactar a economia russa e impedir que o Kremlin (Presidência russa) tenha capacidade de prosseguir com a guerra, enquanto as medidas individuais abrangem as pessoas responsáveis pelo apoio, financiamento ou execução de acções que comprometam a integridade territorial, soberania e independência da Ucrânia.

Apesar de as medidas restritivas serem adoptadas ao nível da UE, os Estados-membros têm definições diferentes do que constitui uma violação das medidas restritivas e de quais as sanções que deverão ser aplicadas em caso de violação, o que poderá conduzir a diferentes níveis de execução e a um risco de evasão, permitindo, por exemplo, que pessoas sancionadas continuem a ter acesso aos seus activos, situação que Bruxelas quer contornar.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de Fevereiro deste ano, desencadeando uma guerra que mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Notícias ao MinutoLusa // Notícias ao Minuto
02/12/22 12:41
por Lusa



 

1047: Kyiv denuncia campanha russa contra a sua rede diplomática

– Uma potência que não consegue vencer no terreno um exército bem mais pequeno mas cuja força é muito superior aos cobardolas dos russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 que, por esse facto, viram-se contra inocentes civis que assassinam e destroem as suas infra-estruturas. Crimes de guerra e contra a Humanidade que têm de ser punidos severamente, sem contemplações.

🇷🇺 RUSONAZSʹKI VBYVTSI 🇷🇺

🇷🇺 RÚSSIA – ESTADO TERRORISTA 🇷🇺

RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / ATAQUES / EMBAIXADAS

A Ucrânia acusou hoje a Rússia de ter em curso uma campanha de “terror e intimidação” contra a sua rede diplomática, depois de várias embaixadas ucranianas terem recebido embalagens ensanguentadas e com partes de animais.

© Getty Images

O Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano disse, em comunicado, que embaixadas em pelo menos cinco países europeus receberam embalagens manchadas de sangue e com olhos de animais, mas também com outras partes.

Tais pacotes foram enviados para as embaixadas ucranianas na Hungria, Países Baixos, Polónia, Croácia e Itália, embora também tenham sido registadas remessas suspeitas nos consulados do país na Polónia, República Checa e Itália.

“As próprias embalagens estavam encharcadas com um líquido odorífero distinto e tinham um certo fedor. Estamos a estudar o significado destas mensagens”, disse o porta-voz do ministério, Oleg Nikolenko, citado pela agência espanhola Europa Press.

Nikolenko disse também que várias pessoas invadiram a residência do embaixador ucraniano no Vaticano e a embaixada ucraniana no Cazaquistão como parte de uma série de ataques às missões diplomáticas do país.

O porta-voz referiu ainda uma carta armadilhada encontrada na embaixada ucraniana em Madrid, cuja detonação provocou ferimentos ligeiros num funcionário.

“Temos razões para acreditar que foi lançada uma campanha bem planeada de terror e intimidação contra as embaixadas e consulados ucranianos”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba.

“Incapazes de deter a Ucrânia na frente diplomática, estão a tentar intimidar-nos. No entanto, posso dizer que isto não vai funcionar. Continuaremos a trabalhar eficazmente para alcançar a vitória na Ucrânia”, acrescentou.

A Ucrânia está a cooperar com as autoridades dos países em causa para investigar todos os casos e analisar as ameaças recebidas.

As missões diplomáticas ucranianas no estrangeiro foram colocadas sob o mais alto nível de alerta e segurança por ordem de Kuleba.

“Exortamos todos os governos estrangeiros a assegurarem a máxima protecção das instituições diplomáticas ucranianas em conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas”, afirmou o chefe da diplomacia de Kyiv.

A Ucrânia está em guerra com a Rússia desde 24 de Fevereiro deste ano, quando tropas de Moscovo invadiram o país.

Além dos combates no terreno, as duas partes têm-se acusado mutuamente de recurso a outras acções em violação de leis internacionais sobre conflitos, como actos de terrorismo, ataques contra alvos civis e uso de munições proibidas.

Notícias ao MinutoLusa // Notícias ao Minuto
02/12/22 13:06
por Lusa



 

1046: Kremlin rejeita termos de Biden para negociações na Ucrânia

– Este putinofantoche russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 está incluído na lista de terroristas criminosos de guerra. Mais tarde ou mais cedo, vais deixar de cantar de galo!

🇷🇺 RUSONAZSʹKI VBYVTSI 🇷🇺

🇷🇺 RÚSSIA – ESTADO TERRORISTA 🇷🇺

ORCS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / UCRÂNIA / INVASÃO/ TERRORISTAS

Porta-voz do governo russo disse que “a operação militar especial vai continuar” e que Kremlin não aceita deixar a Ucrânia para possibilitar negociações.

© EPA/MAXIM SHIPENKOV

O Kremlin rejeitou esta sexta-feira os termos do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para negociações na Ucrânia com o líder russo, Vladimir Putin, dizendo que a ofensiva de Moscovo vai continuar.

“O que o presidente Biden disse realmente? Ele disse que as negociações só são possíveis depois de Putin deixar a Ucrânia”, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas, acrescentando que a Rússia “certamente” não está pronta para aceitar essas condições.

“A operação militar especial vai continuar”, disse Peskov, usando o termo utilizado pelo Kremlin para descrever o invasão russa da Ucrânia.

Durante uma visita de estado do presidente francês, Emmanuel Macron, Biden referiu esta quinta-feira que estaria disposto a falar com Putin se o líder russo realmente quiser encerrar os combates.

“Estou preparado para falar com o senhor Putin se de facto houver interesse em que ele decida que quer encontrar uma forma de acabar com a guerra”, revelou o presidente dos Estados Unidos.

Peskov disse esta sexta-feira que Putin está pronto para negociações de forma que os interesses da Rússia sejam respeitados, mas acrescentou que a posição de Washington “complica” qualquer conversa possível.

“Os Estados Unidos não reconhecem os novos territórios como parte da Federação Russa”, disse o porta-voz do governo russo, referindo-se às regiões ucranianas que o Kremlin afirma ter anexado.

Em Setembro, Moscovo realizou supostos referendos em quatro regiões da Ucrânia – Donetsk, Kherson, Lugansk e Zaporizhzhia – e disse que os moradores votaram a favor de se tornarem parte da Rússia.

As Nações Unidas condenaram a “tentativa de anexação ilegal” de territórios ucranianas.

Peskov disse que antes de enviar tropas para a Ucrânia a 24 de Fevereiro, Putin propôs repetidamente manter conversações com a NATO, a OSCE e os Estados Unidos, mas essas tentativas mostraram-se “infrutíferas”.

Diário de Notícias
DN/AFP
02 Dezembro 2022 — 10:30



 

Guerra mostra que UE “não é suficientemente forte”

🇫🇮 FINLÂNDIA / UNIÃO EUROPEIA / RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

A primeira-ministra da Finlândia afirmou hoje que a Europa “não é suficientemente forte” para fazer frente a Moscovo sozinha, numa avaliação “muito honesta” das capacidades europeias na sequência da invasão russa da Ucrânia.

© Getty Images

Em visita à Austrália, Sanna Marin disse que a invasão e ocupação da vizinha Ucrânia pela Rússia tinham exposto as fraquezas e erros estratégicos da Europa ao lidar com Moscovo.

“Tenho de ser muito honesta (….) convosco, a Europa não é suficientemente forte. Neste momento, estaríamos em apuros sem os Estados Unidos”, disse a líder do país, candidato à adesão à NATO, numa intervenção no Lowy Institute, um grupo de reflexão sediado em Sydney.

Marin insistiu que a Ucrânia precisa de ser ajudada em “todos os sentidos”, acrescentando que os EUA têm desempenhado um papel central no fornecimento de armas, dinheiro e ajuda humanitária necessários a Kiev para travar o avanço da Rússia.

“Temos de garantir que também reforçamos estas capacidades em termos de defesa europeia, indústria de defesa europeia e que podemos lidar com diferentes tipos de situações”, disse.

A Finlândia tornou-se independente da Rússia há quase 105 anos e, pouco tempo depois, infligiu pesadas perdas ao exército soviético invasor.

A líder finlandesa criticou as políticas da UE que destacavam a importância do envolvimento com o Presidente russo, Vladimir Putin, e disse que o bloco europeu devia ter ouvido os Estados-membros que faziam parte da antiga União Soviética.

Desde que aderiram à UE em 2004, nações como a Estónia e a Polónia vinham a instar outros membros do bloco a adoptar uma linha mais dura em relação a Putin, uma posição evitada por França, Alemanha, Itália e Grécia, que favoreciam o estreitamento dos laços económicos com Moscovo.

“Durante muito tempo, a Europa construiu uma estratégia em relação à Rússia para reforçar os nossos laços económicos, para comprar energia à Rússia… pensámos que isto evitaria uma guerra”, mas esta abordagem acabou por se mostrar “totalmente errada”, criticou Marin.

“Eles não se importam com laços económicos, não se importam com sanções. Eles não querem saber de nada disso”, frisou.

Notícias ao MinutoLusa // Notícias ao Minuto
02/12/22 08:27
por Lusa



 

1044: Ataques russos em 7 regiões da Ucrânia. Há três civis mortos em Kherson

🇷🇺 RUSONAZSʹKI VBYVTSI 🇷🇺

🇷🇺 RÚSSIA – ESTADO TERRORISTA 🇷🇺

🇺🇦 UCRÂNIA  / KHERSON  / ATAQUES / RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

Os ataques russos voltaram, na quinta-feira, a danificar o fornecimento de energia eléctrica em Kherson. Esta sexta-feira, os alvos foram as áreas residenciais e civis.

© Getty Images

Três pessoas morreram e sete ficaram feridas, nas últimas 24 horas, resultado de vários bombardeamentos russos na região de Kherson, no sul da Ucrânia.

“Os ocupantes russos bombardearam o território da região de Kherson 42 vezes. O inimigo ataca intencionalmente a infra-estrutura civil da região e mata civis”, refere o governador regional, Yaroslav Yanushevych, na rede social Telegram, acrescentando que há vítimas a declarar na sequência deste ataque.

“Há vítimas entre a população civil – mataram três pessoas e sete residentes da região ficaram feridos em vários graus de gravidade”, afirmou.

Yanushevych disse ainda que as tropas russas se focaram em “vasculhar as áreas residenciais de Kherson”, atingindo prédios e apartamentos com mísseis.

Херсонська область. Інформація щодо ворожих обстрілів за минулу добу 1 грудня.

Російські окупанти 42 рази обстріляли територію Херсонщини. Ворог цілеспрямовано атакує цивільну інфраструктуру області та вбиває мирних жителів.

Херсонський район – росіяни продовжують гатити по житлових кварталах Херсона, ворожі снаряди поцілили в приватні та багатоквартирні будинки. Також ворог обстріляв такі населені пункти району: Понятівку, Токарівку, Інгулець, Молодіжне, Дніпровське, Дар’ївку, Янтарне, Іванівку, Микільське, Зеленівку, Музиківку та територію поблизу Степанівки.

Бериславський район – російські окупанти обстріляли Новоолександрівку, Золоту Балку, Республіканець, Українку, Гаврилівку та Качкарівку.

На жаль, через російські обстріли є жертви серед цивільного населення. Рашисти вбили 3 людей, ще 7 жителів Херсонщини отримали поранення різного ступеня тяжкості.

De acordo com o The Kyiv Independent, também foram registados ataques a áreas civis nas regiões de Donetsk, Kharkiv, Zaporíjia, Dnipropetrovsk, Sumy e Luhansk. Há feridos e danos a registar em várias infra-estruturas.

Recorde-se que, na quinta-feira, os ataques russos voltaram a danificar gravemente o fornecimento de energia eléctrica em Kherson, a cidade recentemente libertada pelos ucranianos que foi controlada pela Rússia durante quase nove meses.

O governador da região revelou que “a tensão na rede eléctrica desapareceu”. “Isto aconteceu devido ao forte bombardeamento da cidade pelos invasores russos. A empresa de energia está a trabalhar para eliminar o problema”, garantiu.

Notícias ao MinutoNotícias ao Minuto
02/12/22 11:06
por Notícias ao Minuto



 

1043: Refeição mais antiga do mundo descoberta em fóssil com 550 milhões de anos

CIÊNCIA / PALEONTOLOGIA / ALIMENTAÇÃO

Através de análises aos fósseis para encontrar moléculas de fitoesterol, os cientistas conseguiram determinar que as criaturas viviam de uma dieta de algas, que eram abundantes na altura.

A maioria das pessoas tem dificuldades em lembrar-se do que comeu na sua última refeição. A Ediacara biota, os organismos grandes mais antigos do mundo, por outro lado, pode ter mais dificuldade em responder a essa pergunta — isto porque estão mortos há 550 milhões de anos.

Mas agora, uma equipa da Universidade Nacional Australiana (ANU), encontrou a resposta. Numa colaboração com a Ilya Bobrovskiy, do Centro Alemão de Investigação de Geociências GFZ, em Potsdam, os investigadores conseguiram identificar os restos das últimas refeições de um par de fósseis de Ediacara biota encontrados na Rússia em 2018. Acontece que comeram algas do fundo do oceano.

Descobriram que uma das duas criaturas — uma criatura parecida com uma lesma chamada Kimberalla — tinha boca e intestino, e digeriu a comida da mesma forma que os animais actuais.

A outra — Dickinsonia, que se assemelhava a um peixe com nervuras ou uma trilobita muito grande e media 1,4m de comprimento — era uma besta mais básica, sem olhos, boca ou tripa, e absorvia comida através do seu corpo à medida que se movia ao longo do fundo do oceano.

“As nossas descobertas sugerem que os animais da Ediacara biota eram um mix de seres esquisitos como a Dickinsonia, e animais mais avançados como a Kimberella que já tinham algumas propriedades fisiológicas semelhantes às dos humanos e outros animais actuais”, disse Bobrovskiy.

Através de análises aos fósseis para encontrar moléculas de fitoesterol preservadas — compostos naturais encontrados nas plantas — eles conseguiram determinar que as criaturas viviam de uma dieta de algas, que eram abundantes na altura.

“Os cientistas já sabiam que Kimberella deixou marcas de alimentação ao raspar as algas que cobriam o fundo do mar, o que sugeria que o animal tinha estômago“, explicou o co-autor do estudo, Jochen Brocks, igualmente investigador da ANU. “Só depois de analisarmos as moléculas do intestino da Kimberella é que conseguimos determinar o que estava a comer exactamente e como digeria os alimentos.

“Os alimentos ricos em energia podem explicar porque é que os organismos da Ediacara biota eram tão grandes. Quase todos os fósseis que vieram antes da Ediacara biota eram unicelulares e microscópicos em tamanho”.

ZAP //
2 Dezembro, 2022



 

1042: Biden pronto para falar com Putin – mas com uma condição

🇺🇸 BIDEN / 🇷🇺 PUTIN / CONDIÇÕES

Presidente dos EUA não poupou em novas críticas ao presidente da Rússia. E está surpreendido com a “crueldade” das forças russas.

Brendan Smialowski / AFP
Vladimir Putin e Joe Biden apertam as mãos na Cimeira EUA-Rússia de Villa La Grange, Genebra, 16 de Junho de 2021

“Sabia que eles eram cruéis, mas não antecipava que fossem tanto”.

Joe Biden repetiu e reforçou críticas à postura da Rússia na guerra da Ucrânia, com foco no presidente Vladimir Putin.

“Putin está a infligir uma dor incrível na população civil, ao atacar hospitais, jardins de infância e maternidades. É doentio”, declarou o presidente dos Estados Unidos da América.

Em conferência de imprensa, Biden comentou que Putin tenta “derrubar todos aqueles que impedem as suas ambições imperiais” – mesmo que isso origine crises eléctrica e alimentar entre o povo ucraniano.

Mas avisou: “Vladimir Putin não vai ter sucesso”.

Um jornalista perguntou a Joe Biden se está disponível para falar pessoalmente com Vladimir Putin.

O presidente dos EUA aceita essa conversa mas com uma condição: o presidente da Rússia deveria acabar com a guerra na Ucrânia. “Putin deve retirar-se da Ucrânia, o que não está a fazer”.

Além disso, esse eventual encontro só seria possível se os países aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) concordassem.

Joe Biden esteve a falar com os jornalistas ao lado de Emmanuel Macron, presidente de França.

Os dois países continuam contra a Rússia e a apoiar “totalmente” os ucranianos, algo que Macron subscreveu “completamente”.

O presidente de França admitiu que vai continuar a falar com Vladimir Putin, para tentar “evitar a escalada da guerra”.

Mas, já em 2019, num encontro entre os três líderes, Volodymyr Zelensky (presidente da Ucrânia) mostrava uma “vontade sincera de negociar”, enquanto Putin era “quem queria guerra”.

Paris vai ser o palco de uma cimeira internacional no dia 13 de Dezembro, para para falar sobre a paz na Ucrânia e discutir o apoio ao país durante o próximo Inverno.

ZAP //
02 Dezembro, 2022



 

1041: Musk quer implantar dispositivos de interface em cérebros humanos dentro de seis meses

– O Mundo está ROTO…!!!  Este, é um daqueles que necessita URGENTEMENTE de ir ao psiquiatra, psicólogo ou neurologista!

PSICOMANIAS / ELON MUSK

Intenção do empresário é a de colocar o cérebro humano a comunicar com um computador. Na apresentação da empresa, foram usados macacos com um implante cerebral a jogar jogos de computador básicos ou a mover um cursor num ecrã através do seu implante.

Elon Musk
© JIM WATSON / AFP

O multimilionário norte-americano Elon Musk afirmou que uma das suas empresas seria capaz de implantar, em seis meses, um dispositivo num cérebro humano que permitisse a comunicação com um computador.

A interface, produzida pelo Neuralink de Musk, permitiria ao utilizador comunicar directamente com os computadores através dos seus pensamentos, disse o também dono da SpaceX e do Twitter.

“Submetemos a maior parte da burocracia à FDA (US Food and Drug Administration) e pensamos que provavelmente dentro de cerca de seis meses poderemos ter o nosso primeiro Neuralink num humano”, afirmou numa apresentação da empresa.

“Temos trabalhado arduamente para estarmos prontos para o nosso primeiro (implante) humano, e obviamente queremos ser extremamente cuidadosos e certos de que funcionará bem antes de colocarmos um dispositivo num humano”, disse.

Musk – que comprou o Twitter no mês passado e também é proprietário do SpaceX, Tesla e várias outras empresas – tem sido conhecido por fazer previsões ambiciosas sobre as suas empresas, com várias a não se tornarem realidade.

Em Julho de 2019, prometeu que a Neuralink seria capaz de realizar os seus primeiros testes em humanos em 2020. Os protótipos, que têm o tamanho de uma moeda, foram implantados nos crânios dos macacos. Na apresentação de quarta-feira, a empresa mostrou vários macacos a “jogar” jogos de vídeo básicos ou a mover um cursor num ecrã através do seu implante cerebral.

Musk disse que a empresa iria tentar usar os implantes para restaurar a visão e a mobilidade nos humanos. “Inicialmente, permitiríamos a alguém que quase não tem capacidade para operar os seus músculos… operar o seu telefone mais rapidamente do que alguém que tem mãos a trabalhar”, disse ele.

“Por milagroso que pareça, estamos confiantes de que é possível restaurar a funcionalidade de todo o corpo a alguém que tenha a medula espinal cortada”, disse.

Além do potencial para tratar doenças neurológicas, o objectivo final de Musk é assegurar que os humanos não sejam intelectualmente sobrecarregados pela inteligência artificial, disse ele.

Outras empresas que trabalham em sistemas semelhantes incluem a Synchron, que anunciou em Julho que tinha implantado a primeira interface cérebro-máquina nos Estados Unidos.

Diário de Notícias
DN/AFP
01 Dezembro 2022 — 21:11



 

1040: China. O estremecer do dragão

OPINIÃO

Em Dezembro, no mercado de Whuan, onde se comercializavam animais vivos, surgiu na China um vírus respiratório que se transformou numa pandemia mundial.

Durante meses as autoridades chinesas ocultaram ao mundo a existência desse vírus. Só a 20 de Janeiro de 2020 a OMS deu a conhecer a covid-19, tendo declarado o vírus como uma Emergência de Saúde Pública Internacional.

Desde o surgimento do vírus que as autoridades chinesas transformaram um assunto de Saúde Pública numa questão política. Sistematicamente, negaram o acesso a Whuan de instituições e autoridades de saúde mundiais.

Li Wenliang, o jovem médico que tudo fez para alertar as autoridades chinesas da existência do vírus foi silenciado e as suas advertências não foram escutadas.

Em vez de enfrentar o problema do Covid 19 numa perspectiva científica e de colaboração com os países ocidentais, a China escolheu o isolamento e “correu em pista própria”, tendo desenvolvido, com pouco sucesso, o seu próprio sistema de vacinação.

Assim, as vacinas de produção chinesas revelaram uma acentuada falta de qualidade, não tendo conseguido o objectivo de proteger a população, sobretudo os mais idosos.

Hoje a China está num beco sem saída, sem vacinas eficientes e sem uma efectiva imunidade de grupo, também por não possibilitar uma maior circulação das suas populações.

Ao invés de uma abordagem mais científica a China politizou a questão Covid 19, optando por uma prática de severa restrição de liberdade de movimento dos seus cidadãos, com manifesto resultado negativo para a sua economia e, por via dela, para a economia mundial.

A chamada política do covid-zero transformou-se, assim, na primeira grande derrota de Xi Jinping, que lhe pode trazer graves problemas na afirmação dos seus objectivos políticos, no curto e médio prazo.

A população chinesa, sobretudo das cidades mais populosas, como Xangai, Pequim, Guangzhou ou Chonqing, viu-se confrontada com a obrigatoriedade de permanecer nas suas residências por períodos que chegam a atingir os cem dias.

Em relação à covid-zero, a China está hoje a pagar o preço de uma política de saúde isolacionista, pouco transparente e de fraca cooperação internacional.

Temos, pois, como consequência o resultado dessa política baseada na repressão e na restrição da liberdade dos cidadãos.

Cidadãos fechados nas suas casas durante meses sem poderem sair, operários impedidos de abandonar as fábricas, interagindo com colegas que entretanto se infectaram. Prédios inteiros com apartamentos cujas famílias enfrentam sérias dificuldades para se deslocarem ao exterior e desenvolverem a sua habitual rotina quotidiana.

Desta maneira o inimaginável aconteceu. Em Xangai elementos populares criticaram o Partido Comunista chinês e Xi Jinping, exigindo a sua demissão. Estudantes da Universidade de Tsinghua, protestaram em Pequim contra a política covid-zero. Em Hong Kong voltaram a ouvir-se as vozes de protesto contra as autoridades centrais de Pequim.

Para resolver uma situação de revolta social, que parece ser grave, a China, como habitualmente, escolheu a via da repressão. Jornalistas estrangeiros detidos, prisão de cidadãos chineses, manipulação das redes sociais para esconder os protestos da população.

A política de Xi Jinping da covid-zero mostra que a China persiste no carácter isolacionista e repressivo das suas políticas. Numa matéria que é também de interesse mundial não se articula com os países que podem dar um assinalável contributo para a saúde da população chinesa.

Num país que tem uma densidade populacional de 1,4 mil milhões de seres humanos, não tentar todos os instrumentos ao dispor para resolver uma gravíssimo problema de Saúde Pública, é uma atitude criminosa e desumana.

O que da parte das autoridades chinesas não parece ser grande novidade.

Jornalista

Diário de Notícias
António Capinha
02 Dezembro 2022 — 06:30



 

1039: Colocar os pontos nos is

OPINIÃO

A reunião desta semana em Bucareste dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO deu mais atenção à China que às opções possíveis em relação à Rússia de Vladimir Putin.

Ora, na minha opinião, Putin é a questão fundamental, a maior ameaça para a paz na Europa e a estabilidade mundial. Pode alterar, sem grandes demoras e de modo profundo, a ordem internacional tal como a praticamos há décadas.

A importância dada à questão chinesa voltou a mostrar quem marca a agenda da Aliança Atlântica. Para os EUA, a China é a inquietação principal. E quer fazê-la entrar nas prioridades da NATO, apesar de se tratar de um repto distante da razão de ser da organização.

A NATO global está fora das possibilidades dos países europeus e não deve ser vista como um objectivo. O fracasso da experiência no Afeganistão lembra-nos isso todos os dias. Para a Aliança como um todo, o que conta é a paz e a segurança na Europa. E é aí que existe, agora, um risco muito sério.

A relação entre os EUA e a China é uma matéria complexa, que combina rivalidades económicas com dimensões de segurança e preocupações de influência política. Economia, segurança e diplomacia são problemáticas inseparáveis.

A competição entre as grandes potências faz-se nessas três frentes. Assim sendo, Washington não quer aceitar a concorrência da China no Extremo Oriente ou num qualquer arquipélago perdido no Pacífico. Esse será um dos espaços geoestratégicos mais importantes nos próximos anos, para as duas super-potências.

Curiosamente, os EUA não ficam particularmente aflitos ao ver a China cada vez mais presente em África, no Irão ou no Paquistão, na Ásia Central, sem falar de Myanmar.

Os EUA são uma potência global, mas não têm a mesma escala de interesses em todas as partes do mundo. Nessa matéria, a China parece ter uma ambição mais abrangente. Mas também é um facto que a população chinesa é quatro vezes mais numerosa que a americana e isso é muita boca para alimentar e manter calada.

Para nós, europeus, a China é vista acima de tudo como um importante parceiro económico. Mesmo quando dizemos que é um “rival sistémico”, como agora é moda repetir.

Mas não se entende bem o que contém essa expressão, para além de significar que a China apoia regimes que nós consideramos autocráticos e controla matérias-primas que são essenciais para as indústrias do futuro.

Charles Michel, o presidente do Conselho Europeu, esteve ontem em Beijing com Xi Jinping. Foi, de ambos os lados, um gesto de cortesia. Isso é importante. Michel terá aproveitado o encontro para explicar a posição europeia sobre a Ucrânia e as sanções contra a Rússia bem como para partilhar o desejo de ver a China desempenhar um papel mais activo junto de Vladimir Putin. A mensagem de Michel terá sido positiva, restando saber como, quando e se Xi lhe dará seguimento.

Voltando à questão central do momento, sou dos que advogam uma posição muito clara em relação a Putin. Os ataques contra as infra-estruturas eléctricas, em pleno inverno, são crimes de guerra, que se acrescentam aos já praticados e à ilegalidade da agressão.

Por mais geradores e outra ajuda humanitária que chegue ao país, muitas dezenas ou mesmo centenas de milhares de ucranianos, sobretudo os de maior idade, irão morrer de frio.

Estes crimes e todos os outros ligados à agressão russa terão de ser trazidos à barra de um tribunal internacional constituído propositadamente para o efeito, como foram os casos do Ruanda ou da Jugoslávia. O próprio Putin deverá sentar-se no banco da frente, entre os acusados.

E é preciso que se diga isto claramente. Acreditar, como Jens Stoltenberg e outros, que a guerra acabará à mesa das negociações é diplomaticamente correto, mas no quadro actual praticamente impossível.

Não vejo a actual direcção russa pronta para se retirar dos territórios ocupados. Tem de ser expulsa ou convencida a sair. E para isso, a Ucrânia precisa de todo o apoio possível e da assistência de uma coligação de países aliados.

Não cabe à NATO organizar uma coligação dessas. Mas alguns dos seus Estados-membros devem começar a falar dessa possibilidade, fora do quadro da Aliança Atlântica.

E dar um prazo a Putin para que cesse as hostilidades. Esta agressão deve ser transformada numa oportunidade para definir uma nova arquitectura de segurança na Europa.

Conselheiro em segurança internacional.
Ex-secretário-geral-adjunto da ONU

Diário de Notícias
Victor Ângelo
02 Dezembro 2022 — 06:07