Autoridades ucranianas vasculham mosteiros à procura de “actividades subversivas”

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

IGREJA ORTODOXA/UCRÂNIA/BUSCAS/ACTIVIDADES SUBVERSIVAS

As buscas visaram instalações ligadas à Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo, incluindo o Mosteiro das Cavernas de Kiev.

© EPA/SERGEI ILNITSKY

Os serviços de segurança da Ucrânia (SBU) vasculharam vários mosteiros em diferentes cidades, incluindo Kiev, para encontrar alegadas “actividades subversivas” a cargo dos interesses russos.

As buscas visaram instalações ligadas à Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo, incluindo o Mosteiro das Cavernas de Kiev, declarado Património da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

As autoridades também alargaram as suas operações à região de Rivne, no oeste da Ucrânia, com o objectivo de localizar possíveis stocks de armas ou esconderijos de espiões.

A Igreja Ortodoxa tentou nos últimos meses distanciar-se de possíveis simpatias por Moscovo, afastando-se assim da ofensiva militar iniciada em Fevereiro.

Mas, no entanto, a SBU arrancou uma investigação após uma música cantada num culto ter defendido o despertar da “Mãe Rússia”.

O porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, acusou Kiev de estar a fazer perseguição religiosa.

Na sua opinião, as buscas em mosteiros é “mais um elo na cadeia de ações militares contra a ortodoxia russa”, de acordo com órgãos oficiais.

A ofensiva militar lançada a 24 de Fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Diário de Notícias
DN/Lusa
22 Novembro 2022 — 22:28



 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

twelve − ten =