876: Os críticos de Vladimir Putin: mortos, presos ou exilados

– Que esperam de um ditador assassino terrorista russonazi ☠️卐☠️ ?

DITADORES/TERRORISTAS/ASSASSINOS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️

O político russo da oposição Ilya Yashin é o mais recente de uma longa fila de críticos do Kremlin a arriscar pesada pena de prisão

(imagem do presidente russo, Vladimir Putin © EPA/ALEXEI BABUSHKIN / SPUTNIK / KREMLIN)

O político russo da oposição Ilya Yashin, que viu a sua prisão preventiva estendida por mais seis meses por um tribunal de Moscovo esta quarta-feira, corre o risco de se tornar o mais recente de uma longa fila de críticos do Kremlin a ser condenado a pesadas penas de prisão – arrisca até 10 anos de cadeia por ter condenado a invasão russa na Ucrânia.

Outros foram mortos ou escaparam por pouco à morte enquanto outros ainda foram para o exílio. Aqui está uma lista dos críticos mais conhecidos de Putin.

MORTOS

Boris Nemtsov, um crítico do Kremlin e antigo vice-primeiro-ministro, foi morto a tiro em 2015 ao caminhar para casa através de uma ponte de Moscovo perto do Kremlin. Cinco homens tchetchenos foram condenados por matar Nemtsov, mas o cérebro do assassinato nunca foi encontrado.

Os aliados de Nemtsov apontaram o dedo da culpa ao Kremlin, bem como ao líder tchetcheno Ramzan Kadyrov, que negou a acusação. O carismático orador tinha atacado a anexação por Putin da Crimeia em 2014 e participado regularmente em protestos da oposição. Ele tinha 55 anos na altura da sua morte.

Em 2006, o assassinato da jornalista Anna Politkovskaya fora da sua casa em Moscovo tinha já chocado o mundo. Politkovskaya, jornalista da Novaya Gazeta, o principal jornal independente da Rússia, foi uma crítica feroz das tácticas do Kremlin na Chechénia.

O editor do jornal, Dmitry Muratov, dedicou este ano o seu Prémio Nobel da Paz a Politkovskaya e a outros jornalistas russos mortos pelo seu trabalho.

Outros críticos de Putin escaparam por pouco à morte.

PRESOS

O principal político russo da oposição, Alexei Navalny, foi envenenado com Novichok, um agente nervoso de fabrico soviético, numa viagem à Sibéria em 2020. Foi submetido a tratamento na Alemanha e regressou à Rússia em Janeiro de 2021, onde foi detido ao aterrar num aeroporto de Moscovo.

O opositor de 46 anos está a cumprir uma pena de nove anos de prisão por desvio de fundo. Navalny denunciou a ofensiva da Ucrânia de Putin a partir da prisão, chamando-lhe “tragédia” e um “crime contra o meu país”.

Vladimir Kara-Murza, um político da oposição, foi preso em Abril por espalhar informações “falsas” sobre o exército russo. Mais tarde foi acusado de alta traição e enfrenta até 20 anos de prisão. Kara-Murza, 41 anos, diz ter sido envenenado duas vezes.

Em Agosto, Yevgeny Roizman, antigo presidente da câmara de Yekaterinburg, foi detido pela sua crítica ao ataque da Rússia à Ucrânia. Após a sua prisão ter suscitado protestos, o político de 60 anos foi libertado, aguardando julgamento sob a acusação de “desacreditar” o exército russo.

EXILADOS

Alguns dos críticos de Putin têm estado no estrangeiro há anos, como o antigo magnata do petróleo Mikhail Khodorkovsky, que passou uma década na prisão depois de ter desafiado o líder russo no início do seu governo. Khodorkovsky está baseado em Londres e tem financiado projetos mediáticos críticos do Kremlin.

Muitos dos proeminentes aliados da Navalny fugiram da Rússia após as suas organizações terem sido banidas como “extremistas” no ano passado.

Mas a decisão de enviar tropas para a Ucrânia, que deu início a uma repressão sem precedentes em casa, provou ser um último prego no caixão para o movimento de oposição russo.

Os russos que se opõem ao ataque de Moscovo à Ucrânia estão agora espalhados pelo mundo, com muitos a fugir para a Europa e Israel.

O apresentador de televisão e animador Maxim Galkin, o marido da ícone pop russa Alla Pugacheva, tornou-se uma voz de liderança improvável contra a ofensiva da Ucrânia nas redes sociais. Com sede em Israel, a estrela televisiva de 46 anos de idade denuncia regularmente a ofensiva do exército russo na sua conta no Instagram.

AGENTES ESTRANGEIROS

Apesar de uma rara intervenção de Pugacheva – que é amplamente considerada intocável – Galkin tem sido rotulado como um “agente estrangeiro”. O rótulo, que tem conotações que remontam à era de Estaline, tem sido utilizado pelas autoridades para aumentar a pressão sobre os críticos.

Putin endureceu recentemente a lei draconiana do “agente estrangeiro” de 2012.

Muitos jornalistas e os principais meios de comunicação social independentes da Rússia foram condenados com esse rótulo, o que tornou o seu dia-a-dia muito mais difícil.

Todas as principais organizações de meios de comunicação independentes na Rússia foram encerradas ou suspenderam as operações.

Outras figuras populares que se pronunciaram contra a ofensiva da Ucrânia de Moscovo – tais como os rappers muito populares Oxxxymiron e Noize MC, bem como o escritor de ficção científica exilado Dmitry Glukhovsky – foram também rotulados de “agentes estrangeiros”.

Diário de Notícias
DN/AFP
23 Novembro 2022 — 17:19



 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

20 − seventeen =