16: Mau tempo. 840 ocorrências registadas em Portugal continental até às 18:10

 

🇵🇹 METEOROLOGIA // MAU TEMPO

Entre os distritos mais afectados estão Viana do Castelo, Porto e Leiria, onde se registaram 208, 193 e 104 ocorrências, respectivamente.

© MIGUEL A. LOPES/LUSA

A Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) registou hoje 840 ocorrências em Portugal continental, devido às condições meteorológicas adversas, com os distritos de Viana do Castelo, Porto e Leiria a ultrapassarem, cada um, as cem ocorrências.

De acordo com fonte oficial da ANEPC, em declarações à Lusa, entre as 00:00 e as 18:10 de hoje registaram-se 840 ocorrências, “efeitos da chuva intensa, que tem provocado o alagamento de diversas vias urbanas e rodovias”.

As ocorrências “que geram mais preocupação” aconteceram no distrito de Viana do Castelo.

A ANEPC não tem conhecimento de feridos, “com excepção da situação de Carcavelos”, praia no concelho de Cascais, no distrito de Lisboa, onde o telhado de uma pizzaria voou, pelas 13:45 de hoje, atingindo uma pessoa que teve que ser hospitalizada com ferimentos ligeiros.

No entanto, há a registar “vários danos patrimoniais”, em parte de “veículos arrastados” pelas águas.

Entre os distritos mais afectados estão Viana do Castelo, Porto e Leiria, onde se registaram 208, 193 e 104 ocorrências, respectivamente.

O responsável da ANEPC referiu que na faixa litoral entre Lisboa e Viana do Castelo, a situação meteorológica “irá desanuviar nas próximas horas”, continuando a chover, “mas de forma menos intensa”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
01 Janeiro 2023 — 19:24

actualizado em: 04/02/2023 06:15




 

 28 total views

15: Agradecimento

 

Encerrado o mês de Dezembro de 2022, as estatísticas de post views deste Blogue, foram as seguintes:

Dias- Post views

01- 464
02- 688
03- 617
04- 676
05- 612
06- 441
07- 455
08- 893
09- 513
10- 416
11- 1.083
12- 868
13- 979
14- 803
15- 914
16- 1.368
17- 3.223
18- 1.675
19- 564
20- 772
21- 756
22- 740
23- 927
24- 812
25- 655
26- 1.202
27- 1.167
28- 1.258
29- 3.377
30- 5.611
31- 3.634

Total: 38.163

Assim, quero agradecer a todos os anónimos visitantes deste Blogue, o interesse demonstrado na leitura dos conteúdos aqui expressos.

Obrigado a todos e um Bom Novo Ano de 2023.

01.01.2023

actualizado em: 04/02/2023 06:15




 

 20 total views

14: Centenas de banhistas juntam-se em Carcavelos para primeiro banho do ano

 

🇵🇹 CARCAVELOS // PRIMEIRO BANHO DO ANO

Música e alegria na praia de Carcavelos deram lugar ao primeiro banho do ano, vigiado pelas autoridades em terra e no mar.

Fotos MIGUEL A.LOPES/LUSA

Centenas de banhistas juntaram-se este domingo para o primeiro banho do ano, na praia de Carcavelos, concelho de Cascais, vigiados pelas autoridades, em terra e no mar, devido às previsões de agitação marítima que não se verificaram.

Na entrada da praia, num ambiente de alegria, e ao som de dois acordeões, dezenas de pessoas cantavam músicas tradicionais portuguesas, celebrando na praia a primeira manhã de 2023, uns vestidos com roupas e adereços natalícios, outros de pijama, fato de banho a imitar os antigos ou fato de prisioneiro, tendo no centro do animado grupo uma bandeira de Portugal.

No mar, uma embarcação da estação salva vidas de Cascais vigiava os banhistas que, em minoria entre centenas na praia, arriscavam mergulhar no mar, neste primeiro dia de Janeiro, apesar do forte vento que se fazia sentir.

No areal, seis nadadores-salvadores vigiavam os banhistas, assim como vários elementos da Polícia Marítima, na entrada da zona balnear, que respondiam a perguntas dos banhistas sobre a perigosidade de dar um mergulho face às previsões meteorológicas.

Devido ao mau tempo previsto para o Fim do Ano, a Protecção Civil, na sexta-feira, emitiu um aviso às populações, aconselhando a “não praticar actividades relacionadas com o mar”, nomeadamente passeios à beira-mar, mas na praia as ondas não ultrapassaram um metro esta manhã, não fazendo jus à previsão do IPMA, de aviso amarelo em Lisboa, devido a ondas com 4 a 4,5 metros.

Os primeiros mergulhos em Carcavelos começaram pouco antes das 10:00 e, segundo testemunhos de banhistas que tradicionalmente se deslocam a Carcavelos no primeiro dia do ano, contou este ano com menos pessoas do era habitual antes de pandemia covid-19, em 2019, não se observando praticamente crianças esta manhã na praia.

“Vim dar um mergulho a Carcavelos, como faço todos os anos”, contou à Lusa António Santinha, mal saiu da água acompanhado de amigos, classificando a temperatura da água como “óptima” e explicando sentir-se seguro a mergulhar, apesar das previsões de mau tempo, por estar na praia montado um dispositivo de segurança.

Carlos Correia, um desses amigos, depois de confirmar que a água “estava muito boa”, contou que pratica esta tradição do primeiro dia do ano há muito tempo e que, “a certa altura, passou a ser uma superstição”, acreditando que um mergulho no mar assegura que o ano “vai correr bem”.

Um grupo composto por mais de 50 banhistas, que em anos passados chegou a juntar mais na praia de Carcavelos, mergulhou junto no mar, em grande animação e acompanhado por um cão, que apenas foi ao areal no momento do banho do grupo, do qual o dono e uma criança faziam parte.

“Já há 25 anos que venho com os Narciso cumprir a tradição. Hoje veio um grupo de 50 ou 60, menos do que era costume”, contou à Lusa, também ao sair da água, Cláudia Araújo, vestida com um fato de banho às riscas vermelhas e brancas que tapava as pernas quase até ao joelho, imitando os primeiros fatos de banho.

Esta tradição em Carcavelos começou após a II Guerra, quando um grupo de pessoas que se juntavam no restaurante ‘O Narciso’ decidiu mergulhar no mar no primeiro dia do ano, passando a ser conhecidos como ‘Os Narcisos’, e a quem se foi juntando cada vez mais gente.

“A água está espectacular”, disse Ana Rita, também d’ Os Narcisos, após um banho no mar, esclarecendo que os avisos que aconselhavam a evitar hoje idas à praia não a demoveram de cumprir esta tradição anual.

“Os avisos foram de mau tempo mas, dado o facto de o grupo ser unido e com o coração quente, conseguimos mergulhar com as devidas precauções”, disse Ana Rita, após um longo e animado mergulho com o grupo, que terminou a conversa gritando em conjunto ‘ Bom Ano’.

Diário de Notícias
DN/Lusa
01 Janeiro 2023 — 13:58

actualizado em: 04/02/2023 06:15




 

 23 total views

13: A partir de hoje há novas regras para fumar em espaços fechados

 

🇵🇹 REGRAS // TABACO // FUMAR

Nas salas de fumo devem existir sistemas de ventilação, devendo ser garantida uma eficácia de ventilação mínima de 80%.

© Pedro Correia/Global Imagens

As novas regras para fumar em espaços fechados como restaurantes, bares e discotecas entram em vigor este domingo e obrigam estes espaços a terem uma área igual ou superior a 100 metros quadrados e pé direito mínimo de três metros.

As novas regras para os locais fechados onde ainda é permitido fumar estão estabelecidas numa portaria conjunta dos ministérios da Economia e Mar e da Saúde publicada no passado dia 3 de Junho que estabelece as normas relativas à lotação máxima permitida, à separação física ou compartimentação, à instalação e aos requisitos técnicos dos sistemas de ventilação e à dimensão mínima dos espaços.

Quanto à separação das salas de fumo, a portaria determina que a interligação entre as salas onde se pode fumar e os espaços do mesmo edifício onde não é permitido deve ser feita através de uma antecâmara com um mínimo de 4m2, devidamente ventilada e com portas automáticas de correr, na entrada na saída”.

Estabelece ainda que o tempo de abertura da porta de entrada das salas onde é permitido fumar não pode ser feito em simultâneo com a da porta de saída.

Nos estabelecimentos de restauração ou de bebidas, incluindo os que possuem salas de dança, podem ser constituídos locais onde é permitido fumar em áreas destinadas a clientes, desde que estes tenham uma área igual ou superior a 100 m2 e um pé direito mínimo de três metros.

Estes locais, incluindo a respectiva antecâmara, podem ocupar até um máximo de 20% da área destinada aos clientes.

“A lotação máxima dos locais onde é permitido fumar é definida pelo proprietário do estabelecimento ou pelas entidades responsáveis pelos estabelecimentos (…) devendo estar em conformidade com o projecto de segurança contra incêndios em edifícios e validada” por técnicos especializados.

As salas de fumo devem ser sinalizadas e ter afixado na porta a lotação máxima permitida, além da informação de que é “proibida a entrada a menores de 18 anos” e que “a qualidade do ar no interior desta sala pode prejudicar a saúde dos seus utilizadores”.

Nas salas de fumo devem existir sistemas de ventilação, devendo ser garantida uma eficácia de ventilação mínima de 80%.

Antes de poderem ser utilizadas para efeitos de limpeza ou manutenção, as salas onde é permitido fumar devem ser sujeitas a uma renovação do ar de pelo menos 10 renovações por hora, durante um período mínimo de uma hora, salienta.

A lei de 2007 estabelece as normas para a protecção dos cidadãos da exposição involuntária ao fumo do tabaco e medidas de redução da procura relacionadas com a dependência e a cessação do seu consumo.

“A experiência de aplicação desta Lei e a necessidade de dar pleno cumprimento ao artigo 8.º da Convenção Quadro da Organização Mundial da Saúde para o Controlo do Tabaco (…) obrigou o Governo a tomar medidas para restringir o número de locais onde ainda é permitido criar novos espaços para fumar, bem como a impor condições de instalação e requisitos técnicos dos respectivos sistemas de ventilação mais rigorosos, com o objectivo de promover uma maior salubridade destes espaços”, lê-se na portaria.

Diário de Notícias
DN/Lusa
01 Janeiro 2023 — 09:32

actualizado em: 04/02/2023 06:15




 

 24 total views

12: Fúria da inflação contagia preços em 2023 e salários não acompanham

 

🇵🇹 INFLAÇÃO // PREÇOS // CUSTO DE VIDA

Energia, matérias-primas, bens alimentares e serviços públicos e privados não escapam à subida generalizada do Índice de Preços no Consumidor. Salários e pensões também aumentam, mas não o suficiente para compensar o incremento dos preços. O ano de 2022 termina com uma inflação média anual de 7,8%.

2022 termina com uma inflação média anual de 7,8%.
© Ivan Del Val/Global Imagens

IAS com a maior subida desde 2006

O Indexante de Apoios Sociais (IAS) irá ter um incremento de 8,4%, isto é, passa para 480,43 euros. Esta é a maior subida desde que foi criado, em 2006.

A actualização deste indexante irá reflectir-se no aumento de várias prestações sociais, como propinas, pensões, subsídios de desemprego, social e de doença, entre outros apoios da Segurança Social.

Portagens com subida de 4,9%

O preço das portagens nas autoestradas vai subir 4,9%. Este é o limite decretado pelo governo, que decidiu travar o aumento com base na taxa de inflação. As concessionárias tinham proposto subidas entre 9,5 e 10,5%. Este travão vai custar cerca de 140 milhões de euros aos cofres do Estado.

Na Brisa, que tem a concessão de 11 autoestradas nacionais, quase 70% das taxas de portagem de classe 1 sobem a partir de 1 de Janeiro, destacando-se um aumento de 1,05 euros na A1, entre Lisboa e Porto, e de 1,10 euros na A2, entre Lisboa e o Algarve.

Travão no incremento das rendas

O governo limitou a 2% o aumento das rendas em 2023. Sem esse travão, o aumento com base na inflação seria de 5,43%. Já para apoiar os arrendatários até 35 anos, foram actualizados os valores máximos de renda admitidos no programa Porta 65.

A título de exemplo, arrendar um T2 em Lisboa com apoio deste programa estava limitado a um máximo de 756 euros e, em 2023, esse tecto passará a ser 1150 euros. No Porto, também para um T2, o limite actual é de 581 euros, mas com a actualização passará a ser de mil euros.

Pão vai ficar mais caro

A Associação do Comércio e da Indústria da Panificação já fez saber que o preço do pão vai aumentar para acompanhar a subida do custo das matérias-primas e do salário mínimo.

A variação dos preços dos alimentos está dependente das condições do mercado e da inflação e, neste campo, não há certezas da evolução.

O que se pode contar é com o IVA reduzido nas bebidas e iogurtes de base vegetal, na manteiga, margarina e creme vegetal e nas conservas de peixe e de moluscos.

Salário mínimo sobe para 760 euros

O salário mínimo nacional sobe dos actuais 705 para 760 euros. Já o mínimo de existência aumenta de 9870 para 10 640 euros anuais, ou seja, os rendimentos até este valor estão isentos de IRS.

O ano de 2023 traz também um aumento no valor mínimo do subsídio de desemprego, que vai subir 41 euros, para 550,68 euros. O montante máximo desta prestação cresce 88,75 euros para 1196,75 euros.

Pensões sobem entre 3,89% e 4,83%

Os 2,7 milhões de pensionistas da Segurança Social e Caixa Geral de Aposentações vão ter uma actualização nas reformas entre 3,89% e 4,83%.

Para pensões até 960,86 euros, o aumento será de 4,83%; de 4,49% para prestações acima de 960,86 e até 2882,58 euros; e de 3,89% para reformas entre 2882,58 e 5 765,16 euros. O aumento será de apenas metade face ao previsto devido ao bónus de meia pensão pago em Outubro.

Actualização nos escalões do IRS

Os escalões do IRS serão actualizados em 5,1%. O governo vai também baixar em dois pontos a taxa marginal do segundo escalão de 23% para 21%. Como consequência, a taxa média dos restantes escalões também terá uma descida. Será ainda implementado um novo modelo de retenção na fonte, com a criação de uma taxa intermédia.

As novas tabelas ainda terão de ser publicadas e só entrarão em vigor em Julho, sem efeitos retroactivos. As famílias podem contar com um aumento na dedução de IRS a partir do segundo filho abaixo dos seis anos, que sobe de 750 para 900 euros.

Para os jovens em início de carreira – entre 18 e 26 anos com qualificações de nível 4 (curso profissional) ou superior prevista ou 30 anos no caso de doutorados – foi estipulada uma isenção do IRS até 50% do rendimento no primeiro ano de trabalho (actualmente são 30%); de 40% no segundo; de 30% no terceiro e quarto anos; e de 20% no quinto.

Além disso, as famílias que têm créditos para a compra de habitação vão poder ter uma redução de um escalão do IRS na retenção na fonte. Essa possibilidade pode ser accionada já a partir deste mês de Janeiro.

Esta medida do governo, que visa mitigar a escalada dos custos mensais com o empréstimo à compra de casa, só é aplicável aos trabalhadores que tenham crédito para uma habitação própria e permanente e uma remuneração mensal bruta de até 2.700 euros. Os trabalhadores têm de comunicar à entidade empregadora que querem reduzir a retenção mensal no IRS.

Mais 52 euros para a função pública

O salário mínimo no Estado vai subir de 705 para 761,58 euros. O acréscimo será de 52,11 euros para ordenados até 2600 euros brutos, e de 2% para salários superiores.

O aumento médio salarial para os trabalhadores do Estado será de 3,6%. O governo também deu a indicação de aumentos de 5,1% para os trabalhadores do sector empresarial do Estado.

O Executivo procura assim dar o exemplo ao sector privado que, no âmbito do acordo de rendimentos assinado na Concertação Social, prevê uma majoração no IRC para as empresas procedam a aumentos salariais a partir de 5,1% no próximo ano.

Mais ISV e IUC nos automóveis

O Imposto Sobre Veículos (ISV) e o Imposto Único de Circulação (IUC) vão subir cerca de 4%. Por via do ISV, o preço de venda tem um aumento médio de 1,6%. Este ano, está previsto retomar o incentivo ao abate de veículos em fim de vida, solução que carece ainda de uma avaliação prévia.

Em 2023, as empresas com frotas de veículos eléctricos, híbridos plug-in e gás natural veicular, de ligeiros de passageiros, serão tributadas às taxas de 2,5%, 7,5% e 15%, em função do valor de aquisição do veículo.

Electricidade e gás sobem no regulado

O preço da electricidade terá um incremento de 1,6% no mercado regulado em Janeiro face a Dezembro, o que se traduz num aumento de 3,3% face ao preço médio registado em 2022. No mercado liberalizado de electricidade, a EDP Comercial anunciou que vai aumentar em cerca de 3%, em média, o valor da factura da electricidade dos clientes residenciais no próximo ano.

A Endesa revelou que vai manter os preços, a Iberdrola diz que a factura de electricidade desce, em média, 15% no próximo ano, e a Galp estima também uma redução média de cerca de 11%.

Para reduzir o impacto dos custos energéticos nas famílias, o governo vai reduzir o IVA na factura da electricidade para 6%, mas apenas sobre os primeiros 100 kWh de consumo e só em potências contratadas até 6,9 kVA. Também a tarifa regulada de gás natural sobe para cerca de 3%.

No mercado livre de gás, a Galp indicou que vai manter inalteradas as facturas do gás natural “nos primeiros três meses de 2023”.

No sentido de apoiar os aumentos do gás, estará disponível mais um milhão de euros para o “bilha solidária”. Já a tarifa social de energia chegará às famílias com um rendimento anual até 6272 euros, tanto no mercado regulado como no livre.

Bilhetes ocasionais de transportes aumentam

O governo determinou o congelamento do valor dos passes e do tarifário vigente em 2022 para os títulos de transporte da CP referente aos serviços regulares.

O aumento do tarifário permitido pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes para o próximo ano, decorrente da evolução da inflação de 2022, é de 6,11%, mas apenas poderá ser aplicado “a títulos e tarifas de transporte ocasionais”. Na Grande Lisboa, no entanto, a Carris Metropolitana já fez saber que não vai aumentar os preços dos títulos ocasionais.

Os passes do tarifário Navegante e os bilhetes ocasionais da Carris Metropolitana vão manter este ano os preços praticados no ano que agora terminou. Na Área Metropolitana do Porto, os bilhetes ocasionais do tarifário intermodal Andante vão ter uma subida média de 1% a partir deste mês de Janeiro.

Subidas das comissões bancárias abranda

Depois de vários anos consecutivos a aumentar as comissões bancárias, as maiores instituições financeiras em Portugal devem dar tréguas a fortes subidas no próximo ano.

Nos últimos anos os bancos argumentaram que tinham de aumentar comissões, em grande parte, pelo facto de os juros estarem em território negativo.

Agora, com este indicador a recuperar à boleia da subida acentuada das taxas directoras, alguns bancos decidiram travar a onda de subidas que vinha a ser registada e outros falam em actualizações “pontuais”. Mas nenhum admite vir a descer os preçários.

Questionada pelo DN/DV sobre os planos de alteração dos preçários para o próximo ano, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) adiantou que “decidiu não promover qualquer processo de actualização global de comissões para 2023”. Uma posição semelhante à do BPI que garante não estarem “previstas alterações”.

No entanto, a mesma fonte oficial da CGD aproveitou para esclarecer que “eventuais alterações pontuais de comissionamento” que pretenda implementar “decorrerão de alterações legais/regulamentares ou de factores relacionados com o posicionamento da Caixa no mercado e custos incorridos pela prestação dos serviços, cumprindo os princípios da responsabilidade social e do justo valor para o cliente”.

Por sua vez, o Novo Banco admite que no próximo ano irá avançar com uma subida “pontual” nas comissões bancárias, mas “claramente inferior à inflação prevista”. O BCP referiu apenas que não comenta a sua política comercial.

Mas o CEO do banco, Miguel Maya, revelou na Money Conference, que não vê “racional para as comissões descerem, desde que o cliente percepcione que é um bom serviço”. Mas assegurou que a avançar com actualizações, o aumento”não vai acompanhar a inflação em termos gerais”.

Na mesma conferência, a intervenção do administrador do Novo Banco foi no mesmo sentido. “As comissões têm de remunerar os investimentos que os bancos fazem na tecnologia”, sublinhou Luís Ribeiro. Porém, frisou que estando a inflação acima de 10%, “os preçários dos bancos não vão evoluir no mesmo sentido”.

O Santander não respondeu às questões enviadas até ao fecho da edição.
Nos primeiros nove meses de 2022 os seis principais bancos – BCP, BPI, CGD, Banco Montepio, Novo Banco e Santander – registaram receitas superiores a 2 mil milhões de euros em comissões bancárias. Um valor que representa uma subida de cerca de 9% face ao mesmo período de 2021.

No entanto, como alguns banqueiros destacaram na apresentação das contas, a evolução dos proveitos deveu-se não só à subida de preços, mas ao aumento do número de serviços prestados pelos bancos nesse período. Sara Ribeiro

Jornalistas do Dinheiro Vivo

Diário de Notícias
Sónia Santos Pereira
01 Janeiro 2023 — 07:00

actualizado em: 04/02/2023 06:15




 

 36 total views