17: Mudanças

  • 1 mês 
  • 4Minutes
  • 813Words
  • 28Views

 

OPINIÃO

O ser Humano é, por regra, avesso a mudanças. Dois exemplos muito simples dessa falta de predisposição: não temos por hábito dizer que sim e por isso é que é sempre mais cómodo em caso de dúvida dizer que não; veja-se que as crianças dizem sempre que não, antes de dizerem que sim.

Mas não há regra sem excepção. E porque, apesar de tudo, as mudanças acontecem mesmo por vezes, não podemos deixar de retirar as devidas ilações e analisar as consequências dessas alterações.

Dito isto, entrados em 2023, mudado o ano (e neste caso as mudanças são mesmo inevitáveis, não dependem da vontade individual), é tempo de olhar Lisboa! Na capital do país temos um presidente de Câmara – Carlos Moedas – que, escolhido pelos lisboetas, foi aquilo que muitos interpretaram como um sinal claro de uma mudança pretendida.

Ora, o mandato tem quatro anos e com ele quatro orçamentos. Moedas conta hoje com dois deles aprovados, sendo que não dispõe de maioria na Câmara e na Assembleia Municipal. O último aliás, é o maior orçamento municipal de sempre.

Olhemos aos factos: mudança de presidente, dois de quatro orçamentos aprovados. Começa agora o tempo de os lisboetas começarem a olhar a sua cidade.

Quando se diz olhar a cidade, o que se lhes pede não é que olhem à propaganda das máquinas comunicacionais ou das redes sociais. Aí tudo é perfeito, ou quase…

O exercício que se pede aos lisboetas neste ano de 2023 é mais exigente. Lisboa teve uma mudança e dois anos depois, a meio do mandato, impõe-se que se pergunte: como está a recolha de lixo? A cidade está mais limpa ou mais suja? Na habitação, há mais ou menos casas disponíveis? O estacionamento melhorou ou piorou? Como estão as nossas escolas? A que custo conseguiremos levar por diante a Jornada Mundial da Juventude? Qual o ponto de situação das ciclovias? E da mobilidade, os lisboetas tiveram ganhos neste domínio? Como está o funcionamento da SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana? E os Serviços do Urbanismo, funcionam melhor, igual ou pior? Como estão os nossos arruamentos? E os nossos bairros? Como está o nosso espaço público? E os espaços verdes? E a Educação? A cultura? O que é feito do Orçamento Participativo? Como está o apoio ao desporto? E a acessibilidade pedonal? Como está a relação com a Juventude? E o apoio a quem mais precisa? Os Direitos Sociais? Os Centros de Saúde? As Pessoas em situação de sem-abrigo?

De uma forma tão sucinta quanto possível, há que perguntar se a mudança pretendida foi a mudança obtida para a cidade e para os seus habitantes. Se valeu a pena e se a vida dos Lisboetas melhorou nestes dois anos que passaram com a gestão actual da autarquia.

O exercício do poder pode ser inebriante. Sabemos também que os políticos se deixam, muitas vezes, embrenhar nos anúncios fáceis, dos resultados a pensar nas páginas dos jornais e nas redes sociais, das medidas populares e populistas.

Mas o que conta mesmo é a vida dos cidadãos e a forma como é impactada pelas políticas dos seus eleitos locais. O cidadão tem a responsabilidade de verificar se as coisas estão melhores graças à escolha que fez e se a sua vida melhorou ou piorou.

Do lado de cá – ou seja, do lado de quem se preocupa com Lisboa e com as escolhas políticas que são feitas para a cidade – fica, desde já e com a devida antecedência, o alerta: não é com propaganda que se mudam vidas. Essa mudança só é possível com acções concretas e políticas adequadas.

É absolutamente necessário ouvir todos e incluir todos, acolhendo o maior número de sensibilidades possível na definição das políticas da autarquia lisboeta. É necessário somar, porque todos somos poucos para fazer face às dificuldades dos muitos que são representados pelos eleitos locais.

Ainda há tempo para invertermos o rumo que está a ser seguido, pois a resposta às questões que coloquei neste texto são claramente negativas e a cidade não está hoje melhor do que há dois anos atrás.

Em 2023, muitos são aqueles que se vão manter atentos e vigilantes – de forma serena e responsável – para continuar a assegurar que Lisboa e os lisboetas tenham efectivamente uma vida melhor.

Diário de Notícias
Manuel Portugal Lage
02 Janeiro 2023 — 13:25

– Manuel Portugal Lage é advogado e membro do Partido Socialista

actualizado em: 04/02/2023 06:36



 

 31 total views,  1 views today

1 thought on “17: Mudanças

  1. Vou responder às questões colocadas pelo cronista, pelo menos nas que tenho conhecimento:

    O exercício que se pede aos lisboetas neste ano de 2023 é mais exigente. Lisboa teve uma mudança e dois anos depois, a meio do mandato, impõe-se que se pergunte:

    – Como está a recolha de lixo?
    R: Péssima, existindo dias em que não existe recolha e o lixo amontoa-se nas ruas;

    – A cidade está mais limpa ou mais suja?
    R: Mais suja devido à falta de civismo e de cidadania de muitos residentes fixos e AL’s;

    – O estacionamento melhorou ou piorou?
    R: O estacionamento é praticamente selvagem. Em cima dos passeios, das passadeiras para peões e nas paragens dos transportes públicos em plena infracção ao Código da Estrada. E a polícia tem conhecimento do facto e não actua;

    – E da mobilidade, os lisboetas tiveram ganhos neste domínio?
    R: Nenhuma! Com passeios ocupados por latas de duas e de quatro rodas, além de trotinetes, os peões têm de circular pela estrada!

    – E os Serviços do Urbanismo, funcionam melhor, igual ou pior?
    R: Na área de higiene urbana é uma lástima! Lavagem de ruas, desentupimento de sarjetas, varredura manual ou mecânica das ruas é de tempos a tempos;

    – Como estão os nossos arruamentos?
    R: Buracos, lancis de passeios partidos devido ao estacionamento selvagem;

    – Como está o nosso espaço público?
    R: Existe mesmo espaço público?

    – E os espaços verdes?
    R: Na minha zona não existem espaços verdes nenhuns;

    – E a Educação? A cultura?
    R: O civismo e o espírito de cidadania deixaram de existir. Parece estarmos na era dos Neandertais;

    – E a acessibilidade pedonal?
    R: Péssima em todo o sentido como acima já foi referido;

    – E o apoio a quem mais precisa?
    R: Inexistente, pelo menos na parte que me toca;

    – Os Direitos Sociais?
    R: O que é isso de direitos sociais? Existem realmente?

    – Os Centros de Saúde?
    R: Para passar uma receita são três dias úteis;

    – As Pessoas em situação de sem-abrigo?
    R: Tudo como dantes, no quartel d’Abrantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *