51: EUA autorizam novo tratamento para doença de Alzheimer

  • 4 semanas 
  • 3Minutes
  • 469Words
  • 19Views

 

SAÚDE PÚBLICA // TRATAMENTOS // ALZHEIMER

published in: 4 semanas 

Este tratamento é recomendado pela Agência Americana de Medicamentos (FDA) para doentes que ainda não atingiram um estágio avançado da doença.

© D.R.

As autoridades de saúde norte-americanas autorizaram este sábado um novo medicamento para a doença neuro-degenerativa Alzheimer destinado a reduzir o declínio cognitivo em pacientes.

O novo tratamento, que será comercializado com o nome de Leqembi, agora é recomendado pela Agência Americana de Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) para doentes que ainda não atingiram um estágio avançado da doença.

Administrado por via intravenosa uma vez a cada duas semanas, é desenvolvido pela farmacêutica japonesa Eisai, em parceria com a norte-americana Biogen.

Isso representa “um passo importante na batalha para tratar efectivamente a doença de Alzheimer”, que afecta cerca de 6,5 milhões de norte-americanos, disse a FDA num comunicado.

Leqembi, cujo ingrediente activo é chamado lecanemab, tem como alvo os depósitos de uma proteína chamada beta-amilóide.

Embora a causa exacta da doença de Alzheimer permaneça mal compreendida, os cérebros dos pacientes apresentam placa amiloides, que se formam em torno dos seus neurónios e eventualmente os destroem.

É isso que causa a perda de memória característica da doença. Nos estágios posteriores, os doentes não conseguem realizar tarefas diárias ou manter conversas.

A libertação da FDA é baseada em resultados de ensaios clínicos que mostraram que o medicamento ajudou a reduzir as placas de amiloides.

A agência também menciona os resultados de ensaios clínicos maiores, publicados recentemente numa revista científica e dos quais a FDA espera receber dados completos “em breve”.

Conduzidos em quase 1.800 pessoas acompanhadas por 18 meses, esses estudos revelaram uma redução de 27% no declínio cognitivo em pacientes tratados com lecanemab. Uma novidade para um fármaco deste tipo.

Mas o estudo também revelou efeitos adversos graves: alguns dos pacientes tratados sofriam de hemorragias cerebrais. Pelo menos uma pessoa que recebeu o tratamento morreu.

“Dadas essas preocupações, se o lecanemab realmente mudará o jogo, como alguns dizem, ainda não foi comprovado”, escreveram especialistas na revista científica The Lancet no início de Dezembro.

O Leqembi vai ser lançado com o preço de 26.500 dólares (24.850 euros) por ano, com o objectivo de “promover o acesso dos doentes, reduzir a carga financeira global e apoiar a sustentabilidade do sistema de saúde”, anunciou hoje a Eisai em comunicado.

Este é o segundo tratamento para a doença de Alzheimer recentemente aprovado pela FDA, depois do Aduhelm em Junho de 2021 (que usa uma molécula chamada aducanumab).

Diário de Notícias
DN/Lusa
07 Janeiro 2023 — 10:20



 

 20 total views,  1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *