113: Os últimos oito anos foram os mais quentes jamais registados

  • 2 semanas 
  • 3Minutes
  • 478Words
  • 13Views

 

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS // AQUECIMENTO GLOBAL

published in: 2 semanas 

A Organização Meteorológica Mundial, OMM, confirmou esta quinta-feira que os últimos oito anos foram os mais quentes já registados em todo o planeta.

(CC0/PD) josealbafotos / pixabay

O aquecimento foi causado por concentrações cada vez maiores de gases de efeito estufa e acumulação de calor.

O ano passado, a temperatura média global foi cerca de 1,15 °C acima dos níveis pré-industriais, fazendo com o que 2022 fosse o 8º ano consecutivo em que as temperaturas globais anuais atingiram pelo menos 1°C acima dos níveis pré-industriais.

Assim, o período de 2015 a 2022 é considerado o mais quente desde que há registos globais de temperatura — o que aumenta a probabilidade de, temporariamente, ser ultrapassado o limite de 1,5°C do Acordo de Paris.

De acordo com a OMM, devido ao fenómeno de arrefecimento La Niña, que se regista agora pelo terceiro ano consecutivo, 2022 não foi o ano mais quente já registado, mas o quinto mais quente.

Entretanto, o impacto desse arrefecimento será de curta duração e não reverterá a tendência de aquecimento de longo prazo causada por níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na nossa atmosfera.

O La Niña deve continuar até Março de 2023.

Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente que a anterior. A previsão é de que a tendência continue.

Os anos de 2016, 2019 e 2020 são os três mais quentes já registados. O fenómeno El Niño, excepcionalmente forte, ocorreu em 2016, o que contribuiu para temperaturas globais recordes.

Ondas de calor extremas, secas e inundações devastadoras afectaram milhões e custaram milhares de milhões este ano, de acordo com o relatório provisório Estado do Clima Global de 2022.

No final de Dezembro, fortes tempestades afectaram grandes áreas da América do Norte. Ventos fortes, neve pesada e baixas temperaturas levaram a perturbações generalizadas no leste, e chuvas fortes, neve nas montanhas e inundações afectaram áreas no oeste.

O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, lembra os vários desastres climáticos de 2022, que destruíram vidas e meios de subsistência, prejudicando a segurança e  infra-estruturas de saúde, alimentação, energia e água.

Grandes áreas do Paquistão foram inundadas, com grandes perdas económicas e mortes. Ondas de calor recorde foram observadas na China, Europa, América do Norte e América do Sul.

Taalas alerta ainda que há necessidade de aumentar o nível de preparação contra tais eventos extremos.

Actualmente, apenas metade dos 193 estados membros da organização têm serviços de alerta precoce adequados, o que leva a perdas económicas e humanas muito maiores.

ZAP // ONU News
15 Janeiro, 2023



 

 14 total views,  1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *