152: PE exige criação de tribunal especial para julgar líderes políticos e militares russos

  • 2 semanas 
  • 4Minutes
  • 676Words
  • 14Views

 

– Ontem, já era tarde! O Ocidente está a acagaçar-se perante um estado terrorista, chefiado por uma horda de neandertais da mais baixa classe primata que nem para limpar retretes tem capacidade.

🇪🇺 PE // TRIBUNAL INTERNACIONAL //  🇺🇦 UCRÂNIA // CRIMES DE GUERRA // RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

published in: 2 semanas 

Os eurodeputados aprovaram uma resolução que exige a criação de um tribunal “para julgar a liderança política e militar da Rússia” com 472 votos favoráveis, 19 contra e 33 abstenções.

© Igor Martins / Global Imagens

O Parlamento Europeu (PE) aprovou esta quinta-feira uma resolução que exige a criação de um tribunal especial para responsabilizar e julgar os líderes políticos e militares da Rússia pelos crimes cometidos na guerra na Ucrânia.

No texto, aprovado com 472 votos favoráveis, 19 contra e 33 abstenções, os eurodeputados exortam a União Europeia (UE) para que “em estreita cooperação com a Ucrânia e a comunidade internacional, insista na criação de um tribunal especial para julgar a liderança política e militar da Rússia”, assim como os aliados de Moscovo.

A criação desta instância judicial internacional preencheria, de acordo com os eurodeputados, “um vazio na justiça penal internacional e complementaria os esforços de investigação do Tribunal Penal Internacional”, que actualmente está impossibilitado de investigar na totalidade as suspeitas de crimes de guerra perpetrados pela Rússia em território ucraniano desde o início da guerra, a 24 de Fevereiro do ano passado.

O PE quer que este tribunal responsabilize não só o Kremlin (Presidência russa) e os líderes militares russos, mas também o Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, e outros dirigentes bielorrussos por auxiliarem Moscovo.

A criação deste tribunal deve “começar de imediato”, acrescentam os deputados na resolução, e “as autoridades ucranianas e internacionais devem ser apoiadas na obtenção de provas a utilizar no futuro”.

“O Parlamento Europeu está firmemente convicto de que a criação de um tribunal especial enviaria um sinal muito claro à sociedade russa e à comunidade internacional de que o Presidente Vladimir Putin e os dirigentes russos em geral podem ser condenados pelo crime de agressão na Ucrânia”, refere um comunicado que foi divulgado depois da votação em plenário

A mesma nota acrescenta: “Os deputados salientam que já não é possível que a Federação Russa, sob a liderança de Putin, volte a trabalhar ‘como de costume’ com o Ocidente”.

Em outra resolução, o PE também exigiu esta quinta-feira coordenação de todos os Estados-membros da UE para aumentar as sanções contra o regime do Irão.

Na óptica dos eurodeputados, Teerão continua a restringir as liberdades dos seus cidadãos, em particular de mulheres, pratica sentenças de morte e execuções de manifestantes pacíficos – acção condenada pelo hemiciclo em Estrasburgo “nos termos mais veementes” — e impõe uma repressão contra os seus próprios cidadãos.

A resolução adoptada pelo PE propõe um regime de sanções mais apertado e que englobe não só instituições responsáveis pela violação dos direitos humanos, como também a pessoas individuais no centro destas decisões, como o líder supremo iraniano, Ali Khamenei, o Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, o procurador-geral Mohammad Jafar Montazeri e outros directamente associados ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRCG).

Os eurodeputados também querem que os Estados-membros acrescentem o IRGC e as suas forças subsidiárias, incluindo a milícia paramilitar Basij e a força Quds, à lista de entidades consideradas grupos terroristas pela UE.

Os eurodeputados exigem ainda o julgamento das pessoas responsáveis pela repressão das manifestações e pelas execuções sumárias, bem como querem a condenação do Irão pelo apoio fornecido à Rússia na invasão à Ucrânia.

Diário de Notícias
DN/Lusa
19 Janeiro 2023 — 13:07



 

 15 total views,  1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *