175: Afinal, a peste negra pode não ter sido espalhada por ratos

  • 2 semanas 
  • 6Minutes
  • 1129Words
  • 12Views

 

– Entre 1347 e 1353, a peste negra assolou a Europa, matando milhões de pessoas. Em 2022 e 2023 a peste negra terrorista russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 está a matar – por enquanto -, milhares de civis inocentes, de um país invadido. Uma peste difícil de curar já que é originária em mentes psicopatas assassinas. Piores que ratos infectados pela peste, estes terroristas russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 pertencem a uma classe bem representativa da existente na Idade Média! Das duas pestes, não sei qual delas será a pior!

PESTE NEGRA // EUROPA // 1347~1353

A peste negra assolou a Europa entre os anos de 1347 e 1353, matando milhões de pessoas. Os surtos no continente continuaram até ao século XIX.

Wikimedia

Um dos factos mais aceites sobre a peste na Europa foi o facto de a sua propagação ter sido feita por ratos. Em algumas partes do mundo, a bactéria que causa a peste – a Yersinia pestis – mantém uma presença a longo prazo em ratos selvagens e nas suas pulgas. A isto chama-se um “reservatório” animal.

Embora a praga comece nos ratos, extravasa para os humanos. A Europa pode ter albergado em tempos reservatórios de animais que provocaram pandemias de peste. Mas a peste também pode ter sido repetidamente reintroduzida a partir da Ásia. Qual dos dois é o cenário real? Continua a ser um tema de controvérsia científica.

Uma investigação publicada em Outubro de 2022 na PNAS revelou que as condições ambientais na Europa teriam impedido a peste de sobreviver em reservatórios de animais persistentes e a longo prazo. Então, como é que a peste persistiu no continente durante tanto tempo?

O estudo oferece duas possibilidades. Primeira: a peste estava a ser reintroduzida a partir de reservatórios asiáticos. Segunda: reservatórios temporários de curto e médio prazo na Europa. Além disso, os dois cenários podem ter-se apoiado mutuamente.

No entanto, a rápida propagação da peste negra e os surtos subsequentes dos séculos seguintes também sugerem que os ratos podem não ter desempenhado o papel crítico na transmissão da doença.

Para determinar se a peste poderia sobreviver em reservatórios de animais a longo prazo na Europa, a equipa analisou factores como as características do solo, as condições climáticas, os tipos de terreno e a variedade de ratos. Todos esses factores parecem afectar a permanência da peste em reservatórios.

Um pH elevado (ácido ou alcalino) e concentrações elevadas de alguns elementos no solo – incluindo cobre, ferro e magnésio -, bem como temperaturas mais baixas, altitudes mais elevadas e precipitações parecem favorecer o desenvolvimento de reservatórios persistentes.

Com base na análise, esses reservatórios de longa duração eram menos susceptíveis de ter existido entre 1348 até ao início do século XIX do que hoje.

Isto contrasta fortemente em regiões da China e na parte ocidental dos Estados Unidos (EUA), onde se encontram todas as condições acima referidas para a existência de reservatórios.

Na Ásia Central, os reservatórios persistentes e de longa duração podem ter existido durante milénios. Tal como o antigo ADN e provas textuais indicam, uma vez que a praga atravessou a Europa a partir da Ásia, parece ter semeado reservatórios de curta ou média duração em ratos selvagens europeus.

No entanto, como as condições edafoclimáticas locais não favoreceram os reservatórios a longo prazo e persistentes, a doença teve de ser reimportada, pelo menos em alguns casos.

A primeira pandemia de peste começou no início do século VI e durou até ao final do século VIII. A segunda (que incluiu a peste negra) começou na década de 1330 e durou cinco séculos. Uma terceira pandemia começou em 1894 e permanece ainda hoje em lugares como Madagáscar e na Califórnia, nos EUA.

Estas pandemias envolveram a forma bubónica da peste, na qual as bactérias infectam o sistema linfático humano. Na peste pneumónica, a bactéria infecta os pulmões.

As pragas da segunda pandemia diferiram no seu carácter e transmissão. Em primeiro lugar, houve níveis de mortalidade diferentes, com alguns segundos surtos a atingir os 50%, enquanto que os da terceira pandemia raramente ultrapassaram 1%. Na Europa, os números para a terceira pandemia foram ainda mais baixos.

Em segundo lugar, houve diferentes taxas e padrões de transmissão entre estas duas épocas de peste. Havia enormes diferenças na frequência e velocidade do transporte de mercadorias, animais e pessoas entre o final da Idade Média e o final do século XIX. No entanto, a peste negra e muitas das suas ondas subsequentes espalharam-se com uma velocidade espantosa.

As pragas da segunda pandemia espalharam-se mais rapidamente e mais amplamente do que qualquer outra doença durante a Idade Média. De facto, foram mais rápidas do que em qualquer período até aos surtos de cólera de 1830 ou à grande gripe de 1918-20.

Independentemente de como as várias ondas europeias da segunda pandemia começaram, tanto os ratos selvagens como os não selvagens movem-se mais lentamente do que o ritmo de transmissão em todo o continente.

Em terceiro lugar, a sazonalidade da peste também mostra grandes discrepâncias. As pragas da terceira pandemia seguiram de perto os ciclos de fertilidade das pulgas de ratos. Estas elevam-se com condições relativamente húmidas e dentro de uma faixa de temperatura entre os 10°C e os 25°C.

Pelo contrário, as pragas da segunda pandemia poderiam atravessar os meses de inverno na forma bubónica, como se viu nas regiões bálticas de 1709-13. Mas nos climas mediterrânicos, a peste de 1348 até ao século XV foi um contágio de verão que atingiu o seu auge em Junho ou Julho – durante os meses mais quentes e secos.

Esta situação afasta-se de forma impressionante das estações da peste nestas regiões no século XX. Devido à baixa humidade e a temperaturas elevadas, estes meses foram os tempos menos prováveis para a praga surgir entre ratos ou humanos.

Estas diferenças levantam uma questão crucial sobre se a forma bubónica da peste dependia de ratos para a sua transmissão quando, em vez disso, podia propagar-se de forma mais eficiente entre os humanos.

O artigo indica ainda que são necessários mais estudos para definir o papel preciso dos humanos e dos ratos nas pandemias de peste.

ZAP // The Conversation
22 Janeiro, 2023



 

published in: 2 semanas 

 

 13 total views,  1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *