220: Rússia excluída de comemorações da libertação de Auschwitz

  • 3 dias 
  • 2Minutes
  • 383Words
  • 10Views

 

🇷🇺 A RÚSSIA ☠️卐☠️ É UM ESTADO PÁRIA, TERRORISTA, ASSASSINO, LADRÃO, GENOCIDA, VIOLADOR 🇷🇺

AUSCHWITZ // COMEMORAÇÕES // EXCLUSÃO RUSSONAZIS

No dia da invasão da Ucrânia pela Rússia, o museu classificou a ofensiva russa como “um ato de barbárie” que “será julgado pela história” e “os seus autores pelo Tribunal Internacional de Justiça”.

Campo de Concentração de Auschwitz
© JANEK SKARZYNSKI / AFP

A Rússia não foi convidada para as comemorações do 78.º aniversário da libertação, pelo Exército Vermelho, do campo de morte nazi de Auschwitz-Birkenau, devido à invasão e guerra russas na Ucrânia, anunciou esta quarta-feira o museu do local.

Tendo em conta a agressão a uma Ucrânia livre e independente, os representantes da Federação da Rússia não foram convidados para participar na comemoração do aniversário da libertação de Auschwitz deste ano“, que decorrerá na próxima sexta-feira, disse o porta-voz do museu, Piotr Sawicki, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Até agora, a Rússia sempre participou nas cerimónias que se realizam anualmente a 27 de Janeiro, discursando o seu representante sempre na cerimónia principal.

O director do museu, Piotr Cywinski, considerou “evidente” que não podia “assinar qualquer carta ao embaixador russo em tom de convite” no contexto da guerra russa na Ucrânia, iniciada a 24 de Fevereiro de 2022, há quase um ano.

“Espero que isso mude no futuro, mas temos um longo caminho a percorrer (…). A Rússia precisará de um período extremamente longo e de uma introspecção muito profunda após este conflito, para voltar aos salões do mundo civilizado“, declarou, citado pela agência polaca PAP.

Construído na Polónia ocupada durante a Segunda Guerra Mundial, Auschwitz-Birkenau é o símbolo do genocídio perpetrado pela Alemanha nazi de seis milhões de judeus europeus, um milhão dos quais foi morto naquele campo entre 1940 e 1945, juntamente com mais de 100 mil não-judeus.

Este campo onde cerca de 80.000 polacos não-judeus, 25.000 ciganos e 20.000 soldados soviéticos foram também mortos foi libertado pelo Exército Vermelho a 27 de Janeiro de 1945

Diário de Notícias
DN/Lusa
25 Janeiro 2023 — 18:51



 

published in: 3 dias 

 

 10 total views,  1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *