577: Cientistas descobriram núcleo de estrela maciça. Têm mais perguntas que respostas

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

A equipa estava focada num grupo de estrelas e descobriu que os seus dados sugeriam que uma delas continha características invulgares.

Um trio de investigadores pertencentes às Universidade Friedrich-Alexander de Erlangen-Nuremberga, Universität Innsbruck e Universidade de Genebra, respectivamente, descobriu pela primeira vez um “núcleo despojado e pulsante de uma estrela maciça”.

No artigo publicado na revista Nature Astronomy, Andreas Irrgang, Norbert Przybilla e Georges Meynet, descrevem o objecto, mas também o trabalho de investigação realizado na verificação da sua constituição.

Os núcleos estelares, como o próprio nome sugere, são as partes mais interiores das estrelas. A maioria das vezes, tais núcleos são cobertos pelo que os cientistas espaciais chamam o seu “envelope opaco“.

A teoria tem sugerido que tais núcleos podem aparecer sem o seu envelope, se surgirem condições que levem à sua remoção. Mas até agora, este fenómeno nunca tinha sido observado, destaca o site Phsys.

No seu artigo, os investigadores escrevem que a descoberta do que acreditavam ser uma estrela média e normal, chamada γ Columbae, era puramente “serendipital”.

A equipa estava focada num grupo de estrelas e descobriu que os seus dados sugeriam que uma delas continha características invulgares. Isso levou-os a olhar mais de perto para o espectro de luz emitido pela estrela, e no processo, descobrindo provas de um envelope em falta.

Para que tal objecto exista, os investigadores notam, algo deve ter retirado o envelope de uma estrela normal, deixando para trás o seu núcleo. Isso teria deixado o objecto consideravelmente mais pequeno.

Eles estimam que a estrela γ Columbae era provavelmente cerca de 12 vezes a massa do sol antes de perder o seu envelope – agora é apenas cinco vezes maior do que o tamanho do sol.

Os investigadores também notam que a descoberta do objecto único era verdadeiramente uma questão de sorte – eles salientam que tal objecto não permaneceria como um núcleo despojado durante muito tempo – talvez apenas 10.000 anos ou mais, um verdadeiro piscar de olhos em termos astronómicos.

Observam também que pesquisas anteriores sugerem que antes de ser despojado, γ Columbae era provavelmente uma estrela maciça que tinha provavelmente ficado sem hidrogénio.

Esta evolução teria forçado o seu envelope a expandir-se, possivelmente puxando uma estrela companheira, o que poderia ter levado à ejecção do envelope.

A equipa destaca que a partir de agora, o objecto está a queimar hélio, mas a certa altura, começará a fundir elementos mais pesados até explodir como uma super-nova de núcleo despojado, e depois tornar-se-á uma estrela de neutrões.

ZAP //
3 Novembro, 2022