507: Anéis das árvores fornecem informações sobre devastadoras tempestades de radiação

CIÊNCIA/ASTROFÍSICA

Um estudo da Universidade de Queensland lançou nova luz sobre um tipo misterioso, imprevisível e potencialmente devastador de evento astrofísico.

Uma equipa liderada pelo Dr. Benjamin Pope da Escola de Matemática e Física da universidade australiana aplicou estatísticas de ponta a dados de árvores milenares, para saber mais sobre “tempestades” de radiação.

“Estas enormes explosões de radiação cósmica, conhecidas como Eventos Miyake, têm ocorrido aproximadamente uma vez a cada mil anos, mas o que as provoca não é claro”, disse o Dr. Pope.

“A teoria principal é que são enormes erupções solares. Precisamos de saber mais, porque se uma destas acontecesse hoje, destruiria tecnologia, incluindo satélites, cabos de Internet, linhas eléctricas de longa distância e transformadores. O efeito nas infra-estruturas globais seria inimaginável”.

E é aqui que entra o humilde anel das árvores.

O estudante de matemática Qingyuan Zhang, primeiro autor do artigo científico, desenvolveu um software para analisar todos os dados disponíveis sobre anéis de árvores.

“Dado que podemos contar os anéis de uma árvore para identificar a sua idade, também se pode observar eventos cósmicos históricos que remontam a milhares de anos atrás”, disse Zhang.

“Quando a radiação atinge a atmosfera, produz carbono-14 radioactivo, que filtra através do ar, oceanos, planetas e animais, e produz um registo anual de radiação em anéis de árvores.

Nós modelámos o ciclo global do carbono para reconstruir o processo ao longo de um período de 10.000 anos, para obter uma visão da escala e da natureza dos Eventos Miyake”.

A teoria comum até agora tem sido que os Eventos Miyake são erupções solares gigantescas. “Mas os nossos resultados desafiam isto”, explicou Zhang. “Mostrámos que não estão relacionados com a actividade das manchas solares, e alguns na realidade duram um ou dois anos”.

“Em vez de uma única erupção ou surto instantâneo, o que podemos estar a ver é uma espécie de ‘tempestade’ ou explosão astrofísica”.

O Dr. Pope disse que o facto de os cientistas não saberem exactamente o que são os Eventos Miyake, ou como prever a sua ocorrência, é muito preocupante.

“Com base nos dados disponíveis, existe aproximadamente uma hipótese de 1% de ver outro dentro da próxima década. Mas não sabemos como prevê-los ou que danos podem provocar. As probabilidades são bastante alarmantes e lançam as bases para mais investigação.”

O estudo foi publicado na revista Proceedings of the Royal Society A. O estudo também foi concluído com a colaboração dos estudantes de matemática e física Utkarsh Sharma and Jordan Dennis.

Astronomia On-line
28 de Outubro de 2022