59: É um dinossauro? Um pássaro? Cientistas descobrem estranha combinação dos dois

 

CIÊNCIA // PALEONTOLOGIA

published in: 4 semanas 

Recorrendo às versões digitais dos ossos mineralizados, a equipa reconstruiu a forma e função do crânio tal como era durante a vida da ave.

Zhao Chang
Cratonavis zhui

A forma como os pássaros evoluíram desde os dinossauros permanece um mistério para os paleontólogos, fascinados com este processo.

Agora, um fóssil recentemente descoberto de um pássaro que terá vivido na China há 120 milhões de anos pode ajudá-los a clarificar alguns dos passos, face à cabeça mais arcaica, semelhante a um dinossauro, no topo de um corpo que tem mais em comum com as aves modernas.

A transição de dinossauro para pássaro inclui algumas das mudanças mais dramáticas na forma, função e ambiente, que acabaram por conduzir ao formato do corpo típico das aves de hoje.

Algumas dessas mudanças ainda podem ser vistas nas aves modernas, mas a ordem em que estas mudanças ocorreram, e a natureza das pressões evolutivas que deram origem a características estritamente aviárias, ainda está aberta ao debate.

O fascinante fóssil recentemente encontrado, chamado Cratonavis zhui, pode fornecer importantes perspectivas sobre a evolução das aves modernas.

Os investigadores descobriram a impressão corporal de Cratonavis, a ave com cabeça de dinossauro, durante escavações realizadas no norte da China.

As impressões do corpo de dinossauros com penas e de aves precoces, incluindo Confuciusornis sanctus, foram descobertas nesta região, em rochas sedimentares formadas há 120 milhões de anos, durante o período Cretáceo.

Liderados pelo paleontólogo Zhou Zhonghe da Academia Chinesa de Ciências (CAS), a equipa iniciou a sua investigação do crânio fóssil com tomografia computorizada (CT) de alta resolução.

Recorrendo às versões digitais dos ossos mineralizados, a equipa reconstruiu a forma e função do crânio tal como era durante a vida da ave.

Concluíram que a forma do crânio do Cratonavis é quase igual à dos dinossauros como o Tyrannosaurus rex e não como a de uma ave.

“As características primitivas do crânio falam do facto de a maioria das aves cretáceas como o Cratonavis não conseguirem mover o seu bico superior independentemente em relação ao cratonavis e ao maxilar inferior, uma inovação funcional amplamente distribuída entre as aves vivas que contribui para a sua enorme diversidade ecológica”, diz o paleontólogo do CAS Zhiheng Li.

Entre os ramos da árvore genealógica do dinossauro, o Cratonavis situa-se entre o Arqueoptérix de cauda longa, que mais parecia um réptil, e os Ornithothoraces, que já tinham desenvolvido muitos dos traços das aves modernas.

De destacar ainda o facto do fóssil Cratonavis ter uma escápula surpreendentemente longa e o primeiro metatarso (osso do pé) — características que raramente são vistas nos fósseis de outros dino-âncoras para as aves, e completamente ausentes nas aves modernas.

As tendências evolutivas mostram um pequeno comprimento no primeiro metatarso à medida que as aves se desenvolvem. Os autores do estudo propõem que durante a mudança dos dinossauros para as aves, o primeiro metatarso passou por um processo de selecção natural que o tornou mais curto.

Uma vez atingido o seu tamanho ideal, que era inferior a um quarto do comprimento do segundo metatarso, perdeu as suas funções anteriores.

Os autores mencionam as morfologias abnomais da escápula e metatarsais preservadas em Cratonavis realçam a amplitude da plasticidade do esqueleto nas aves precoces.

A mistura única de anatomia do Cratonavis zhui é um sinal de como todos os seres vivos representam melhorias e mudanças, e a evolução das aves de todas as penas ocorreu simultaneamente ao longo de uma grande variedade de caminhos divergentes.

ZAP //
8 Janeiro, 2023



 

 19 total views