219: Asteróide 10 vezes mais rápido que uma bala passa amanhã pela Terra

CIÊNCIA/UNIVERSO/ASTRONOMIA

É apenas uma rocha apressada, que viaja a uma velocidade de 32.760 quilómetros por hora. O asteróide recebeu a designação 2022 QC7 e não é muito grande, com uma largura que varia de apenas 16 metros a 36 metros, de acordo com o Centro de Estudos de Objectos Próximos à Terra (CNEOS) do Laboratório de Propulsão a Jacto (JPL) da NASA.

Apesar de ser “pequeno” em relação ao nosso planeta, vai passar a uma velocidade que é 10x mais rápida que uma bala, será que nos devemos preocupar?

Não, este pequeno pedaço de rocha, que para comparação, 36 metros é cerca de metade da envergadura de um avião a jacto Boeing 767, passará ao largo do nosso planeta.

Claro, em termos astronómicos, vai passar perto. Segundo a NASA, o asteróide 2022 QC7 não tem praticamente nenhuma hipótese de atingir a Terra e deve passar a uma distância de mais de 4,6 milhões de quilómetros.

Novamente em termos de comparação, a Lua orbita a Terra a uma distância média de 384.000 quilómetros, isso é muito mais longe.

E se este tipo de asteróide sofrer um desvio e colidir com a Terra?

Pela sua dimensão, mesmo que o 2022 QC7 conseguisse chegar até ao nosso planeta e perfurasse a atmosfera, não faria grandes estragos. Se esta rocha atingisse a Terra, a única coisa que o QC7 poderia fazer seria causar uma enorme e estrondosa explosão na entrada da atmosfera. Portanto, este não é ameaçador. O que não acontece com outros!

lustração do asteróide 2022 QC7 que vai passar pela terra a uma velocidade de 9,10 quilómetros por segundo.

Potencialmente, o mais perigoso: Bennu

Alto como Empire State Building e com uma superfície semelhante a uma bola de plástico, a nossa galáxia tem um asteróide que pode ser muito perigoso se atingir a Terra, “Bennu”.

Segundo os cientistas, será possível prever melhor onde Bennu, um dos asteróides Apollo mais próximos da Terra, estará durante os próximos 200 anos. No entanto, se Bennu atingir a Terra, os resultados serão inevitáveis.

NASA explica impacto do asteróide Bennu contra a Terra em 2182:

Estes cenários aumentam a importância do programa DART

A NASA e outras agências espaciais arregaçaram as mangas para mudar a direcção dos asteróides, especialmente os enormes, susceptíveis de atingir a Terra no futuro e podem causar grandes danos. Foi por isso que decidiram realizar o ambicioso projecto DART.

Conforme já explicamos, o DART (Double Asteroid Redirection Test) é uma missão espacial da NASA que visa testar um método de defesa planetária contra objetos próximos da Terra. A NASA e o Johns Hopkins Applied Physics Laboratory trabalharam em conjunto no projecto DART (APL).

O projecto foi apoiado tecnicamente por numerosos departamentos e laboratórios da NASA e foi patrocinado pelo Gabinete de Coordenação da Defesa Planetária da NASA.

A missão tem como alvo um asteróide binário próximo à Terra chamado Didymos. A maior rocha deste par, chamada Didymos A, descoberta em 1996, tem cerca de 780 metros de diâmetro, enquanto a menor, Didymos B, descoberta em 2003, tem apenas 160 metros.

A nave DART colidirá com o Didymos B. Esta rocha tem uma dimensão parecida com os asteróides que costumam ameaçar a Terra. A nave então irá atingir Didymos B de frente numa tentativa de movê-la para um caminho ligeiramente diferente e demonstrar a capacidade de usar esta tecnologia para evitar ameaças de impacto potencial no futuro.

Esta missão foi lançada com sucesso a 24 de Novembro de 2021, com a colisão agendada para 27 de Setembro de 2022.

Pplware
Autor: Vítor M
06 Set 2022