984: Utentes da Fertagus podem validar viagens com cartão contactless a partir desta terça-feira

TRANSPORTES / FERTAGUS / VALIDAÇÃO

Novidade aplica-se a toda a rede de comboios da transportadora, composta por 14 estações.

© Filipa Bernardo/ Global Imagens

Os utentes da ​​​​​​​Fertagus podem, a partir desta terça-feira, comprar e validar, em simultâneo, as viagens em toda a rede de comboios da transportadora, composta por 14 estações, com qualquer cartão de pagamento contactless.

O pagamento pode ser feito através do cartão de pagamento contactless, directamente nos validadores das estações, em equipamentos semelhantes àqueles em que habitualmente já são validados os títulos de transporte.

Em comunicado, a empresa revela que o pagamento contacless dos bilhetes “torna mais fácil e mais cómoda” a utilização dos comboios, bastando aos utilizadores apenas “seleccionar o destino no validador, aproximar o seu cartão contactless e seguir viagem”.

Segundo a empresa trata-se de um “projecto pioneiro” na região de Lisboa, que resultou de um projeto desenvolvido entre a Mastercard, a Fertagus, a Finaro, a Ubirider – uma start-up portuguesa, e a Axians, do grupo Vinci, para todos aqueles que usam diariamente os comboios suburbanos entre Lisboa e a margem Sul do Tejo.

Apresentada em Setembro, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade 2022, o projecto visa “dar resposta aos desafios da transformação digital no sector da mobilidade urbana em Portugal, através do recurso a soluções tecnológicas inovadoras, incluindo na área dos pagamentos dos títulos de transporte”.

A administradora da Fertagus, Clara Esquível, citada na nota, revela que a empresa “tem vindo a procurar soluções inovadoras que permitam aos clientes ganhar eficiência nas suas viagens”: “A facilidade e comodidade na utilização do contactless é determinante para garantir os níveis de qualidade do serviço e satisfação do cliente, que sempre foi nosso objectivo”.

“Uma maior facilidade no acesso ao serviço permite um ganho efectivo de tempo nas deslocações dos nossos clientes. A Fertagus tem como visão ser imprescindível nas soluções de mobilidade na área metropolitana de Lisboa e por isso tem sido pioneira em vários projectos, tendo apostado desde o início em promover a mobilidade urbana inteligente”, referiu.

A Fertagus é uma empresa portuguesa do Grupo Barraqueiro que opera o serviço ferroviário suburbano de passageiros entre a estação de Roma-Areeiro, em Lisboa, e a estação de Setúbal, numa extensão de 54 quilómetros.

Diário de Notícias
DN/Lusa
29 Novembro 2022 — 07:10



 

800: Energia: ucranianos aconselhados a deixar o país. Festa por causa de um comboio

UCRÂNIA/GUERRA/INVASÃO/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /ENERGIA

Guerra destruiu quase metade do sistema energético da Ucrânia. Rússia fez a maior emissão de dívida de sempre num só dia.

Oleg Petrasyuk/EPA
Reencontro familiar em Kiev, após chegada de comboio de Kherson

A guerra está a destruir muito da Ucrânia. Não só nas mortes que causa, ou nos refugiados que cria, mas também nas condições que deixa para quem continua a viver em território ucraniano.

Denys Shmyhal, primeiro-ministro, já tinha avisado que quase metade do sistema energético da Ucrânia está “fora de serviço”.

As temperaturas já começaram a descer muito nesta semana, o Inverno está a chegar e é preciso aquecer casas, pessoas, comida.

Mas falta energia. Há milhões de pessoas que não têm electricidade em casa, nesta altura.

Nesse contexto, o director-executivo da maior empresa energética privada da Ucrânia, a DTEK, foi directo: deixem o país, se conseguirem.

“Se os ucranianos conseguirem encontrar outro sítio para viver durante três ou quatro meses, iria ajudar muito o sistema”, apelou Maxim Timchenko, na BBC.

E explicou: “Se consumirem menos energia, os hospitais com soldados feridos terão fornecimento de energia garantido. Assim se explica que, ao consumirem menos ou mesmo ao saírem do país, estão também a ajudar outras pessoas“.

O sistema energético na Ucrânia fica mais frágil, menos fiável, após cada ataque russo, explicou Timchenko: “Estamos sem equipamentos e sem peças de substituição“, avisou o director.

Maxim Timchenko lamentou o facto de que Rússia e Ucrânia serem agora “inimigos“, depois de anos a serem “colegas” no desenvolvimento de sistemas de energia.

A capital Kiev está mesmo numa “situação crítica”, em relação ao fornecimento de energia, avisou Volodymyr Kudrytskyi, director-executivo da empresa de energia Ukrenergo.

Maior emissão de dívida de sempre

A Rússia fez a sua maior emissão de dívida de sempre, na quarta-feira passada: 13 mil milhões de euros. A informação foi partilhada pelo Ministério de Defesa do Reino Unido.
https://twitter.com/DefenceHQ/status/1593852613103177730

“Isto é importante para a Rússia, pois a emissão de dívida é um mecanismo fundamental para sustentar os gastos com Defesa, que aumentaram significativamente desde a invasão da Ucrânia”, continua o comunicado.

De acordo com os britânicos, o orçamento para a Defesa na Rússia em 2023 vai aumentar 40% em relação ao que tinha sido planeado no ano passado.

Comboio chega de Kherson

Apesar da situação e do contexto energético, este sábado foi dia de festa na capital Kiev, quando chegou o primeiro comboio proveniente de Kherson, desde o início da guerra.

Kherson foi ocupada pelas forças russas na fase inicial do conflito mas a cidade foi recuperada recentemente pelos ucranianos.

Várias dezenas de habitantes de Kiev ficaram à espera do comboio:

Nuno Teixeira da Silva, ZAP //
19 Novembro, 2022