869: Ataque russo contra maternidade de Zaporijia causou a morte a um bebé

– Esta invasão russonazi ☠️卐☠️ à Ucrânia, com a ajuda de mercenários assassinos, os ataques e bombardeamentos a residências civis e infra-estruturas, o assassínio premeditado destes criminosos putinocratas, apenas demonstram os animais psicopatas que eles são, não olhando a nada nem a ninguém. A escumalha que apoia e aplaude estes animais são iguais a eles em tudo. Para estes terroristas nazis ☠️卐☠️, matar crianças ou idosos é a mesma coisa que tomar o pequeno almoço no palácio presidencial do kremlin.

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

TERRORISMO/ORCS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /INFANTICÍDIO/ASSASSÍNIOS

“O inimigo decidiu mais uma vez realizar através do terror e do assassinato o que não conseguiu fazer em nove meses”, declarou o presidente ucraniano após o ataque russo a uma maternidade na região de Zaporijia.

Ataque russo a uma maternidade na região de Zaporijia. Um bebé morreu
Foto Twitter do serviço estatal da Ucrânia de emergência

Um bebé morreu na sequência de um ataque russo numa maternidade na região ucraniana de Zaporijia, anexada por Moscovo, disseram esta quarta-feira os serviços de socorro de Kiev através das redes sociais.

Foto Twitter do serviço estatal da Ucrânia de emergência

“Na noite de 23 de Novembro, na cidade de Vilniansk, na região de Zaporijia, um edifício de dois andares onde funcionava uma maternidade foi destruído por um ataque com roquetes”, afirmou um socorrista numa mensagem difundida pelas redes sociais.

Foto Twitter do serviço estatal da Ucrânia de emergência

“Na sequência do ataque, um bebé, nascido em 2022 morreu”, acrescentou.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou a Rússia de “terror e morte”, referindo-se directamente ao ataque que atingiu a maternidade.

“O inimigo decidiu mais uma vez realizar através do terror e do assassinato o que não conseguiu fazer em nove meses”, desde a invasão de 24 de Fevereiro, afirmou Zelensky.

Diário de Notícias
DN/Lusa
23 Novembro 2022 — 08:23



 

868: Kiev contabiliza a morte de 438 crianças pelos russos desde Fevereiro

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

TERRORISMO/ORCS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /UCRÂNIA/ASSASSINOS

A última baixa entre as crianças ucranianas ocorreu nas últimas horas. Um bebé morreu na sequência de um ataque russo numa maternidade na região ucraniana de Zaporijia.

© EPA/OLEG PETRASYUK

O exército russo causou a morte a pelo menos 438 crianças na Ucrânia desde que começou a invasão, a 24 de Fevereiro, disse hoje a Procuradoria-Geral ucraniana através da rede de mensagens Telegram.

“Até à manhã de 23 de Novembro de 2022 [hoje], mais de 1.279 crianças foram afectadas na Ucrânia na sequência da agressão armada de grande escala da Federação da Rússia”, indicou a Procuradoria.

De acordo com a mesma fonte, “438 menores foram assassinados e 841 ficaram feridos”.

A Procuradoria refere ainda que os números não são definitivos porque ainda se realizam trabalhos no sentido de se determinar o número real de baixas nas áreas onde as “hostilidades” continuam.

Os procuradores ucranianos não podem confirmar se as mortes ocorreram nos territórios que permanecem ocupados ou se aconteceram em zonas recentemente reconquistadas.

A última baixa entre as crianças ucranianas ocorreu nas últimas horas.

Um bebé morreu na sequência de um ataque russo numa maternidade na região ucraniana de Zaporijia, anexada por Moscovo, disseram hoje os serviços de socorro de Kiev através das redes sociais.

“Na noite de 23 de Novembro, na cidade de Vilniansk, na região de Zaporijia, um edifício de dois andares onde funcionava uma maternidade foi destruído por um ataque com roquetes”, afirmou um socorrista numa mensagem difundida pelas redes sociais.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou a Rússia de “terror e morte”, referindo-se directamente ao ataque que atingiu a maternidade.

“O inimigo decidiu mais uma vez realizar através do terror e do assassinato o que não conseguiu fazer em nove meses”, desde a invasão de 24 de Fevereiro, afirmou Zelensky.

Diário de Notícias
Lusa/DN
23 Novembro 2022 — 09:47



 

706: Alunos russos vão voltar a ter treino militar nas escolas como nos tempos soviéticos

– Os russonazis ☠️卐☠️ vão ensinar os putos a matar sem remorsos de qualquer espécie, nem pesos de consciência, como faz o actual ayatollah terrorista nazi putineiro ao invadir um país soberano chamado UCRÂNIA e assassinando milhares de pessoas desde crianças a idosos.

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

ORCS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /CRIANÇAS/ENSINAR A MATAR

O projecto tinha acabado em 1993 e incluía aprender a manusear e a disparar uma Kalashnikov.

Criança com uma bandeira ucraniana em Kherson, já livre dos russos.
© AFP

Os alunos russos vão voltar a ter treino militar nas escolas a partir de Setembro de 2023, segundo o ministro da Educação da Rússia, Sergey Kravstov, citado pela Agência TASS e pelo boletim diário dos Serviços de Informação Militares do Reino Unido.

Segundo esta última fonte, é o regresso de um programa dos tempos soviéticos (que acabou em 1993) que incluía planos de contingência para um ataque químico ou nuclear, primeiros socorros e experiência a manusear e a disparar uma Kalashnikov.

Este treino, que os russos já tentaram retomar depois da invasão da Crimeia em 2014, “pretende provavelmente dotar os alunos de habilidades militares à medida que se aproximam da idade da recruta e aumentar a aceitação de campanhas de mobilização e recruta”, de acordo com os britânicos.

“Esta iniciativa fará também provavelmente parte de um projecto mais amplo para incutir na população russa uma ideologia de patriotismo e confiança nas instituições públicas”, acrescentam.

O Ministério da Defesa russo, que apoia a iniciativa, defende que devem ser destinadas pelo menos 140 horas no ano académico para esta formação.

Entretanto, o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou a desmobilização dos estudantes das chamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, que tinham sido chamados antes da sua anexação por Moscovo.

De acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, será organizado o seu regresso às escolas. As milícias das duas regiões foram integradas nas Forças Armadas russas após a incorporação destas entidades na Federação Russa, em 30 de Setembro, depois dos referendos não reconhecidos internacionalmente.

Save the Children

Metade das crianças que fugiram da guerra para viver em oito países da Europa (Portugal não faz parte deste estudo) sentem ansiedade e estão preocupadas com o seu futuro, segundo um relatório da organização Save the Children. Os dados são referentes a mil crianças ucranianas que estão na Finlândia, Itália, Lituânia, Países Baixos, Noruega, Polónia, Roménia e Suécia.

De acordo com a Save the Children, 50% das crianças com menos de 16 anos têm ansiedade, com o número a subir para 78% quando falamos dos menores entre os 16 e os 18 anos.

Da mesma forma, 44% das crianças dizem sentir-se sozinhas e 55% estão preocupadas com o seu futuro, com 57% a dizer-se um pouco ou muito menos felizes desde que deixaram a Ucrânia.

Desde a invasão a 24 de Fevereiro, cerca de 7,7 milhões de refugiados deixaram a Ucrânia e procuraram abrigo na Europa – estima-se que 40% sejam crianças.

“Mesmo com o acolhimento caloroso das famílias da Ucrânia, este relatório mostra que muitas crianças continuam ansiosas e solitárias. É verdadeiramente preocupante que um quarto das crianças que ouvimos não pretendia ou não tinha a certeza de se ir inscrever numa escola nas suas comunidades.

Isto é especialmente verdade desde que muitas indicam que gostariam de ter amigos, fazer desporto ou aprender a língua local. As escolas podem providenciar tudo isto para as crianças”, indicou a directora do Save the Children, Ylva Sperling, citada no comunicado de imprensa.

susana.f.salvador@dn.pt

Diário de Notícias
Susana Salvador
14 Novembro 2022 — 07:00



 

138: Kiev denuncia 379 crianças mortas e 733 feridas por ataques russos

– Adolf Hitler não fez melhor que este nazi terrorista zoviético está a fazer a um país soberano que apenas se defende conforme pode e com a ajuda do Ocidente. A injecção atrás da orelha causa graves perturbações psicológicas a quem a levou.

GUERRA/UCRÂNIA/GENOCÍDIO/TERRORISMO ZOVIÉTICO

A maioria das vítimas infantis, contando mortes e ferimentos, foi registada na região de Donetsk.

© EPA/SERGEY KOZLOV

A Procuradoria para a Infância da Ucrânia denunciou este domingo que, pelo menos, 379 crianças morreram e cerca de 733 ficaram feridas em ataques realizados pela Rússia desde o início da invasão da Ucrânia, no final de Fevereiro.

A maioria das vítimas infantis, contando mortes e ferimentos, foi registada na região de Donetsk, com 388; Kharkov, com 202; a região da capital, Kiev, com 116; Chernigov (68); região de Lugansk (61); Kherson (55); Mikolaiv (67); Zaporijia (44); Sumy (17) e Zhytomyr (15).

O Ministério Público denunciou que os ataques russos também destruíram 2.328 estabelecimentos de ensino, das quais 289 ficaram completamente destruídos.

De acordo com o mais recente balanço do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, divulgado na passada segunda-feira, quase 5.600 civis ucranianos morreram e quase 7.900 ficaram feridos como resultado da invasão russa.

Nesse mesmo balanço, a ONU contabilizou 362 crianças mortas e 610 feridas, desde o início da guerra, mas tanto as Nações Unidas como o Ministério Público ucraniano temem que esses dados sejam inferiores aos números reais, dada a dificuldade de coligir informações durante o conflito.

A ofensiva militar lançada em 24 de Fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e quase sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções em todos os sectores, da banca à energia e ao desporto.

Diário de Notícias
DN / Lusa
28 Agosto 2022 — 19:27

98: Pelo menos 16% das crianças mortas na Ucrânia tinham menos de 5 anos

– Será que as crianças também são consideradas nazis pelo nazi assassino putineiro? Será que existe, em tempo algum, qualquer tipo de desculpa para este genocídio, para esta carnificina que apenas tem como finalidade criar um governo fantoche pró-zoviético putineiro depois da exterminação do povo ucraniano e da ocupação (ilegal) de um país soberano? O nazi Hitler alemão pretendia a pureza da raça ariana; este nazi Hitler zoviético pretende a pureza da raça russófona! E ainda existe CHOLDRA que desvaloriza e achincalha Volodymyr Zelensky, o tal “rapaz da camisola verde”?

INVASÃO/GUERRA/UCRÂNIA/CHACINA/CRIANÇAS/TERRORISMO

A causa da maioria das mortes e dos ferimentos verificados é o uso de armas explosivas em áreas urbanas apinhadas.

© Sergii VOLSKYI / AFP

Pelo menos 16% das crianças mortas na Ucrânia desde a invasão russa, em Fevereiro passado, tinham menos de 5 anos, denunciou, este domingo, a organização Save The Children.

O relatório lembrou que entre 24 de Fevereiro e 10 de Agosto, “pelo menos” 942 crianças sofreram o impacto da guerra, com 356 mortos e 586 feridos nesta faixa etária, de acordo com dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Dos mortos, 16,5% tinham menos de 5 anos, enquanto do número total de feridos, 13% eram menores de 5 anos.

A ONU, sublinhou a organização não-governamental (ONG), também alertou que o número total de baixas será provavelmente muito mais elevado. A causa da maioria das mortes e dos ferimentos verificados é o uso de armas explosivas em áreas urbanas apinhadas, salientou.

“Embora as crianças na Ucrânia nada tenham a ver com as causas da guerra, elas são as mais afectadas. Estão a crescer com o som de bombas e a ver casas e escolas destruídas, enquanto amigos e familiares são mortos ou feridos”, disse a directora da Save the Children em Kiev, Sonia Khush, numa declaração.

A responsável insistiu que as crianças precisam tanto de “ajuda humanitária como de esperança” para lhes dar confiança de que “esta guerra vai acabar, de que poderão regressar a casa e ter um futuro promissor”.

“Sem um apoio significativo e uma cessação imediata das hostilidades, a Ucrânia não se tornará apenas um cemitério para mais crianças, mas também para as esperanças e os sonhos das crianças”, acrescentou.

O relatório da ONG inclui o testemunho de Dana, de 29 anos, e da filha Antónia, de 2 anos, que fugiram da cidade ucraniana oriental de Kharkiv para Dnipro, no sul do país.

“Vivemos de dia para dia, não podemos fazer mais. Mas é claro para nós que não viemos aqui para ficar permanentemente. Aconteça o que acontecer, voltaremos para casa”, disse Dana.

A guerra foi desencadeada pela invasão russa da Ucrânia, em 24 de Fevereiro, condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A UE e países como Estados Unidos, Reino Unido ou Japão têm aprovado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos e fornecido armas à Ucrânia.

Diário de Notícias
DN/Lusa
22 Agosto 2022 — 07:13