390: Os seus trabalhadores estão felizes? A Fundação José Neves ajuda

– Esta fundação “esqueceu-se” de mencionar os ex-combatentes da guerra do Ultramar, que combateram no mato, com stress pós-traumático de guerra, que são os mais afectados na sua saúde mental porque regressaram diferentes de quando embarcaram para a guerra! Mas em Portugal é assim, “esquecem-se” dos que lutaram – independentemente do regime da altura porque eram todos OBRIGADOS a isso -, e de tempos a tempos, oferece-se um pin evocativo da condição de ex-combatente, um passe gratuito nos transportes públicos já no final de vida, umas migalhas anuais que nem chegam para os medicamentos… É ir deixando morrer os velhos combatentes porque assim acabam as migalhas, os louvores, ficando mais dinheiro para “salvar” os pobrezinhos da Banca, perdoar milhares de milhões aos caloteiros do costume, etc., etc., etc.. Estou-me cagando para o Dia da Saúde Mental.

SAÚDE MENTAL

No dia da Saúde Mental, que se celebra dia 10, a FJN vai publicar uma série de guidelines para promover o bem-estar dos jovens e dos trabalhadores. Iniciativa inclui o “Guia para empresas: como promover o bem-estar e saúde mental dos trabalhadores”.

Carlos Oliveira, director executivo da Fundação José Neves.
© André Rolo / Global Imagens

Contando já com mais de 37 mil utilizadores registados em Portugal, a aplicação de desenvolvimento pessoal 29k FJN ganha hoje novos desafios, dando força à missão da fundação de ajudar a despertar a consciência individual, fortalecer o lado humano e promover o bem-estar e a saúde mental dos portugueses.

“Queremos chegar a cada vez mais portugueses. Fazemo-lo através da App 29k FJN e de conteúdos práticos que impactem os diversos sectores da sociedade, nomeadamente as famílias, os adultos e os jovens, as escolas, os professores e os encarregados de educação, as empresas e os gestores, mas também os agentes decisores nacionais”, explica o presidente executivo da Fundação José Neves, Carlos Oliveira.

Para o responsável, “há um longo caminho a percorrer para incluir nas dinâmicas sociais uma cultura que identifique e actue perante situações de perigo e que promova permanentemente a saúde mental e o bem-estar. Cuidar da nossa mente é tão importante como cuidarmos da nossa saúde física”, diz.

100% digital, gratuito e em português, o 29k FJN disponibiliza 14 cursos – três deles direccionados a jovens entre os 15 e os 20 anos -, 22 meditações, 25 exercícios, 3 testes, 6 check-in e agora três desafios, sendo que dois são lançados no dia 10.

O desafio “Encontra os teus valores” tem a duração de dez dias e promove uma exploração do mundo interior e a forma de identificar e aplicar os valores de forma a dar o máximo propósito a cada um dos dias.

Por sua vez, o exercício “Lidar com emoções difíceis” é o desafio 29k FJN para aprender estratégias que melhorem a capacidade de lidar com emoções difíceis.

Dirigido a todas as empresas e gestores que queiram melhorar a sua actividade e garantir o bem-estar e a saúde mental dos seus trabalhadores, o guia para empresas agora lançado revela, entre outros dados, que investir na saúde mental dos trabalhadores pode ter retorno económico. Na Europa, a falta de saúde mental custa anualmente cerca de 240 mil milhões de euros, quantifica o guia.

Revela ainda que “os trabalhadores passam cerca de 12 dias por ano no trabalho sem conseguirem ser produtivos e que os portugueses trabalham mais horas do que a maioria dos europeus”. Por outro lado, há boas notícias: cerca de 70% das pessoas com problemas de saúde mental podem recuperar totalmente.

A Fundação aponta por isso que não há sucesso empresarial sem saúde mental e bem-estar dos trabalhadores. “O maior valor das empresas é o capital humano e as pessoas que aí trabalham.

Ambientes de trabalho pouco saudáveis e estimulantes e geradores de stress continuam a ser uma realidade persistente nas empresas o que, consequentemente, diminui a produtividade dos trabalhadores e compromete o sucesso das empresas”, conclui a FJN.

Diário de Notícias
Joana Petiz
06 Outubro 2022 — 00:05