575: Beber café pode protegê-lo de contrair covid-19

– Nem todas as pessoas possuem as mesmas reacções. Sei de quem bebe café ao longo dia e possui diabetes tipo II.

CAFÉ/COVID-19

Pexels

Poderá o consumo de uma chávena de café ser uma forma eficaz de se proteger contra a infecção por coronavírus? O que ainda não foi provado na prática é pelo menos muito plausível, de acordo com uma nova investigação.

Num estudo publicado recentemente na Food & Function, uma equipa liderada pelo químico Nikolai Kuhnert, da Universidade de Jacobs, na Alemanha, concluiu que o ácido clorogénico, que se encontra no café, inibe em 50% a interacção entre a proteína do coronavírus e o receptor ACE-2 – o local de acoplamento do vírus na célula humana.

Uma chávena de café, com cerca de 200 mililitros, contém 100 miligramas de ácido clorogénico. As experiências no laboratório mostraram que essa concentração de ácido clorogénico é suficientemente elevada para impedir o acoplamento da proteína ao ACE-2 e, portanto, inibir o processo de infecção.

Contudo, para comprovar que esse processo também funciona na prática, é necessária mais investigação, referiu um artigo do PhysOrg, que cita o estudo. Também serão necessários mais estudos para determinar quanto tempo duraria o efeito inibitório do ácido clorogénico.

“Como químicos, não podemos” determinar “se beber café poderia realmente servir como medida preventiva de protecção contra a infecção. Mas podemos dizer que é plausível”, referiu o investigador.

“Muitas pessoas bebem café, e já está bem estabelecido que este tem muitos outros efeitos positivos”, acrescentou, assinalando que os consumidores regulares deste produto têm uma menor probabilidade de sofrer de diabetes tipo II.

As descobertas sobre a interacção entre o café e o coronavírus serão agora comunicadas a uma comunidade de investigação mais vasta. “Estudos epidemiológicos poderão determinar se os consumidores regulares de café ficam ou não” mais imunes mais “ao vírus”, disse ainda Nikolai Kuhnert.

ZAP //
3 Novembro, 2022



 

344: Estudo: cogumelos alucinogénios podem ser benéficos para os astronautas

CIÊNCIA/ESPAÇO/ASTRONAUTAS/COGUMELOS ALUCINOGÉNIOS

Os cientistas estão, constantemente e cada vez mais, à procura de formas para tornar as viagens espaciais mais confortáveis para os astronautas. Desta vez, um novo estudo descobriu que os cogumelos alucinogénios podem representar benefícios para os astronautas.

Pode parecer loucura, mas os investigadores têm argumentos que podem ser válidos.

Já vimos cientistas a testar a possibilidade de cultivar alimentos no espaço, ou de garantir que os astronautas conseguem comer de forma saudável, e também já foi mencionado, aqui, a “sexologia do espaço”.

Efectivamente, os especialistas procuram encontrar formas de tornar as viagens espaciais mais confortáveis, bem como menos perigosas para os astronautas que as realizam.

Nos últimos anos, as investigações têm sido direccionadas para as consequências mentais e físicas dos voos e das estadias no espaço. Afinal, passar um longo período de tempo longe da civilização, com um grupo muito pequeno de pessoas, em condições ambientais que não suportam vida, pode ser traumático, para o corpo e para a mente.

Por isso, e apesar de não haver ainda evidência científica suficiente relativamente ao assunto, uma equipa de cientistas de uma empresa de biotecnologia sugere que cogumelos alucinogénios poderiam ajudar os profissionais a superar os efeitos do stress, aquando das viagens ao espaço. a investigação foi publicada no Frontiers in Space Technologies.

Cogumelos alucinogénios poderão ajudar astronautas nas viagens ao espaço

Teoricamente, os medicamentos psicadélicos, tomados de forma controlada e combinados com terapia, são muito eficazes no tratamento do transtorno de stress pós-traumático.

No entanto, considerando que a NASA proíbe o consumo de drogas, poderá ser difícil testar em situações reais. Por esta razão, e porque o tema carece de investigação, a equipa de cientistas ressalva que o estudo serve apenas, para já, para recomendação.

Os autores do estudo mencionam que a psilocibina, o componente que transforma os cogumelos alucinogénios numa droga psicoactiva, poderá ser eficaz para os astronautas. Embora não tenham conseguido realizar ensaios clínicos no espaço, basearam as suas conclusões em vários estudos nos quais o fármaco ajudou a aliviar o stress em doentes com cancro terminal.

Além disso, consideraram também ensaios pré-clínicos em animais, que sugerem que os cogumelos alucinogénios podem ajudar a melhorar a plasticidade neuronal. Uma vez que isto estaria implicado nas consequências cognitivas do stress a que os astronautas estão sujeitos, acreditam que poderia ser benéfico.

À equipa de cientistas, resta, daqui em diante, testar a sua teoria com astronautas, em ambiente espacial real.

Pplware
Autor: Ana Sofia Neto
24 Set 2022