204: Alemanha autoriza o envio de tanques Leopard para a Ucrânia

 

– Curioso! Antes, os EUA não forneceriam tanques M1 Abrams à Ucrânia porque estes tinham uma manutenção especial e não eram adequados à guerra na Ucrânia. Agora já fornecem? Depois dos alemães libertarem o envio dos Leopard 2? Será que os alemães deixaram de ter medo que os russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 ficassem zangados com eles?

🇩🇪 ALEMANHA // TANQUES LEOPARD 2 // ENVIO //
🇺🇦 UCRÂNIA // 🇺🇸 EUA // M1 ABRAMS

Governo norte-americano está prestes a aprovar a entrega às forças armadas da Ucrânia de tanques M1 Abrams.

© EPA/JAKUB KACZMARCZYK POLAND OUT

A Alemanha aprovou o envio de tanques Leopard 2 para a Ucrânia e está disposta a autorizar a transferência para aquele país de pelo menos uma companhia do modelo Leopard 2A6, avançou esta terça-feira o semanário alemão Der Spiegel.

“Após meses de debate, o chanceler [Olaf] Scholz decidiu entregar tanques de guerra à Ucrânia. Os aliados também parecem querer alinhar. Os tanques Abrams podem vir dos EUA”, lê-se na edição online do jornal alemão.

A agência EFE, citando o Der Spiegel e o canal de televisão NTV, acrescenta que o exército alemão disponibilizará tanques do modelo Leopard 2A6 e que o Governo de Scholz autoriza os outros países a reexportarem unidades dos Leopard 2 comprados à Alemanha.

A pressão sobre a Alemanha para autorizar a reexportação de tanques Leopard 2 de fabrico alemão aumentou nas últimas semanas e esta terça-feira, confrontada com um pedido formal apresentado pela Polónia, Berlim abriu caminho para isso acontecer.

Numa conferência de imprensa em Berlim com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, também esta terça-feira o ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius tinha já encorajado os países que pretendem fornecer tanques Leopard à Ucrânia a iniciar o treino dos militares ucranianos que os venham a operar.

Scholz também autorizou o pedido da Polónia para transferir 14 carros blindados Leopard 2 para a Ucrânia, na tentativa de repelir as forças russas que invadiram o território ucraniano em Fevereiro de 2022.

Esses tanques, por serem de fabrico alemão, só podem ser reexportados com uma autorização da Alemanha.

Paralelamente, o governo norte-americano está prestes a aprovar a entrega às forças armadas da Ucrânia de tanques M1 Abrams, adiantaram esta terça-feira autoridades dos EUA, enquanto os aliados debatem o envio deste tipo de equipamento militar.

A decisão, que a confirmar-se representa uma mudança de planos por parte da administração de Joe Biden sobre estes tanques de guerra de fabrico norte-americano, pode ser anunciada esta quarta-feira, embora possa levar meses ou anos até que os M1 Abrams sejam entregues, noticiou a agência Associated Press (AP).

Altos responsáveis dos EUA adiantaram à AP, sob condição de anonimato, que os detalhes ainda estão a ser trabalhados, mas que o anúncio pode ocorrer em coordenação com a autorização da Alemanha ao pedido da Polónia para transferir para Kiev os tanques Leopard 2 de fabrico alemão.

O porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano (Pentágono) disse hoje que “no momento” os EUA não têm nenhum anúncio para fazer sobre as notícias do envio dos Abrams à Ucrânia.

Em conferência de imprensa, Pat Ryder recordou que o seu país continua em contacto “estreito” com os ucranianos e aliados internacionais sobre os requisitos de segurança mais urgentes para Kiev.

Uma das fontes oficiais referiu à AP que a compra destes tanques será integrada num próximo pacote da Iniciativa de Assistência à Segurança da Ucrânia, que fornece financiamento de longo alcance para armas e equipamentos a serem comprados a fornecedores comerciais.

As armas fornecidas através desta iniciativa podem levar muitos meses ou vários anos para chegarem ao campo de batalha, sendo que grande parte da ajuda foi enviada até agora através de um programa separado que utiliza as reservas do Pentágono para enviar armas mais rapidamente para a Ucrânia.

Também não foram imediatamente divulgados quantos tanques podem ser enviados.

Até agora, os Estados Unidos resistiram a aprovar o fornecimento dos seus próprios tanques M1 Abrams para a Ucrânia, apontando para a necessidade de manutenção extensa e complexa ou desafios logísticos com estes veículos altamente tecnológicos.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de Fevereiro do ano passado, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

em actualização

Diário de Notícias
DN
24 Janeiro 2023 — 18:58



 

published in: 1 semana 

 

 11 total views,  1 views today

182: Macron admite envio de blindados para a Ucrânia, mas impõe condições

 

– Impor condições? Outro que se acobardou ao putinofantoche russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 e seus fantoches amestrados!

… Para que o destacamento dos blindados franceses venha a acontecer, sublinhou Macron, terão que verificar-se três condições: que o mesmo não conduza a uma escalada do conflito, que haja soldados ucranianos em condições de os utilizar e que não afecte as capacidades de defesa francesas.

É pá, o melhor é deixares os teus blindados em casa e não faças mais tristes figuras de submissão aos russonazis 🇷🇺☠️☠️🇷🇺 ! Se a França pretende entregar blindados à Ucrânia, como pode impor uma “não escalada do conflito” que foi simplesmente originada por uma invasão de um Estado terrorista assassino russonazi? FDS!!! 🖕 🖕

🇫🇷 FRANÇA // BLINDADOS // MACRON // SUBMISSÃO // RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

O Presidente francês, Emmanuel Macron, admitiu hoje o envio de blindados franceses Leclerc para a Ucrânia, exigindo que sejam satisfeitas três condições, incluindo a da não escalada do conflito.

© Lusa

“Pedi ao ministro da Defesa para trabalhar sobre o assunto, nada está excluído”, afirmou Macron numa conferência de imprensa conjunta com o chanceler alemão, Olaf Scholz, no final de um Conselho de Ministros franco-alemão.

Para que o destacamento dos blindados franceses venha a acontecer, sublinhou Macron, terão que verificar-se três condições: que o mesmo não conduza a uma escalada do conflito, que haja soldados ucranianos em condições de os utilizar e que não afecte as capacidades de defesa francesas.

O líder francês disse que o trabalho de coordenação para decidir o que fazer sobre os pedidos ucranianos ao Ocidente de tanques de batalha pesados continuará “nos próximos dias e semanas” com outros aliados, incluindo a Alemanha.

O chanceler alemão expressou o total acordo entre o seu país e a França na vontade de fornecer à Ucrânia “todo o apoio necessário”, desde que “seja necessário” e “com os meios que forem necessários”, sejam eles financeiros, humanitários ou de armamento.

“O objectivo comum é que a Rússia retire as suas tropas da Ucrânia”, disse o líder alemão em declarações proferidas ao lado do Presidente francês após o Conselho de Ministros, e no contexto de pressões da Ucrânia sobre Berlim para enviar blindados alemães “Leopard2”.

Interrogado sobre se esta disponibilidade inclui tais tanques, Scholz insistiu que qualquer decisão sobre entregas de armas deve ser tomada “em estreito consenso com os aliados”, tanto europeus como norte-americanos.

O chanceler alemão recordou que o seu país manteve até agora a regra relativa às suas exportações de armas, segundo o qual estas não devem ser enviadas para países ou regiões em conflito, e que, no caso da Ucrânia, o princípio foi mantido, configurando-se como uma “resposta à guerra de agressão” lançada pela Rússia.

“Fornecemos à Ucrânia tanques Marder e Gepard, bem como sistemas de defesa aérea e baterias Patriot”, disse, insistindo que qualquer decisão sobre futuros destacamentos de armas deve basear-se na coordenação entre os aliados “bem como em critérios como necessidades e disponibilidade”.

O Conselho de Ministros franco-alemão e os eventos que assinalam o 60º aniversário do Tratado do Eliseu chegam três dias após a reunião do Grupo de Contacto para a Ucrânia, realizada esta sexta-feira na base norte-americana em Ramstein (Alemanha), na qual não houve acordo sobre os blindados “Leopardo”.

Relativamente aos blindados franceses, nos últimos dias, várias fontes militares francesas reconheceram aos media locais que se desconhece quantas unidades AMX Leclerc poderão estar disponíveis, uma vez que as cerca de 200 em armazém são utilizadas como fonte de componentes e peças sobressalentes para outros tantos ainda em serviço com o exército francês.

Há também sugestões em França de que, se o Reino Unido enviar como prometido um esquadrão de 14 blindados Challenger 2 e outros países ocidentais continuarem a entregar blindados de diferentes modelos à Ucrânia, os ucranianos poderão enfrentar um grave problema na formação de tripulações e técnicos de manutenção para cada modelo, bem como na gestão da cadeia logística para peças sobressalentes.

Macron recordou que a França já entregou equipamento militar substancial à Ucrânia, incluindo 18 peças de artilharia pesada auto-propulsionada César, munições, mísseis antiaéreos e veículos de combate à infantaria. Paris anunciou ainda que enviará blindados de reconhecimento ligeiro AMX 10 para a Ucrânia.

Numa síntese do dia de hoje, Emmanuel Macron sublinhou o “grande trabalho” realizado com Olaf Scholz, e afirmou que ambos os países têm uma posição convergente sobre a Europa.

“Convergimos na nossa visão da Europa e dos nossos países”, afirmou Macron no Eliseu, numa cimeira franco-alemã marcada pela tentativa de aliviar as tensões entre Paris e Berlim a partir de 2022 sobre como lidar com a guerra na Ucrânia.

“O regresso da guerra ao nosso continente fez-nos compreender como é importante fazer as coisas por nós próprios, como europeus. Temos falado de defesa e estamos determinados a continuar a tomar as medidas necessárias para reforçar as nossas capacidades de defesa europeias”, disse o Presidente francês.

Neste contexto, Macron saudou “os progressos feitos nas últimas semanas”, particularmente em relação ao SCAF, o projecto europeu para a construção de caças, liderado pela França, Alemanha e Espanha.

Macron sublinhou ainda a importância de se acelerarem as decisões a nível europeu, algo com que Scholz concordou.

O chanceler reconheceu que a União Europeia “precisa de melhores mecanismos de tomada de decisão a nível europeu”, por forma a “ganhar influência no mundo”.

Notícias ao MinutoLusa // Notícias ao Minuto
22/01/23 20:03
por Lusa



 

published in: 2 semanas 

 

 14 total views