112: Invasões bárbaras

 

🇵🇹 OPINIÃO

published in: 3 semanas 

Nem tudo o que é previsível perde relevância ou deixa de ser ameaçador. A invasão de Brasília de 8 de Janeiro de 2023 parecia estar marcada nas cartas – mas ficará na História como um dos momentos de maior risco para a Democracia brasileira.

Dá razão ao Presidente dos EUA, Joe Biden, quando escolhe como bandeira do seu mandato a defesa das democracias liberais perante o avanço dos comportamentos autocráticos.

As “invasões bárbaras” dos nossos tempos são protagonizadas por quem apoia os poderes de perfil autocrático e se sente autorizado a pisar as regras democráticas.

Não são feitas pelo “outro”, mas por quem acha que deve manter o poder. O mesmo processo eleitoral que elegeu líderes com esses traços é recusado quando estes falham as reeleições.

Nesta estranha terceira década do século XXI, o bizarro passou a parecer-nos normal. Primeiro foi a eleição de Trump para a Casa Branca: o comportamento inaceitável do 44.º Presidente dos EUA começou por chocar e indignar – mas a repetição levou a um encolher de ombros de demasiada gente.

Depois foi Bolsonaro no Brasil. Não, não podia ser: aquela linguagem, aquela boçalidade, o ataque descarado à diferença e aos outros poderes. E o negacionismo criminoso durante a pandemia.

Só que o passar do tempo tem um efeito normalizador que devia ser, no mínimo, assustador.

A cartilha de ataque às instituições democráticas, negacionismo eleitoral e tendência para justificar os próprios insucesso com supostas conspirações montadas “pelos outros poderes” teve como precedente o ataque ao Capitólio a 6 de Janeiro de 2021 (Washington DC) e como réplica tosca e sem propósito aparente os ataques simultâneos ao Palácio do Planalto, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal de 8 de Janeiro de 2023 (Brasília).

Claro que houve diferenças. O ataque ao Capitólio foi feito duas semanas antes da tomada de posse de Biden e horas depois do então Presidente Trump ter incitado a multidão a marchar para a sede do poder político norte-americano, enquanto os congressistas certificavam a vitória presidencial de Joe Biden.

O ataque aos Três Poderes de Brasília ocorreu uma semana depois da posse de Lula, com Bolsonaro oportunamente recolhido na Florida, num domingo sem qualquer ato político relevante a influenciar ou perturbar.

Mas a base dos comportamentos revelados foi a mesma. O que os ocupantes de Washington e Brasília fizeram quando entraram nos edifícios foi incrivelmente semelhante.

E mesmo o que disseram parecia advir do mesmo guião populista (“Esta é a nossa casa”, “Somos o povo e quiseram roubar-nos”).

Nesse domingo à noite, quando notei tal semelhança, lembrei-me dos avisos de Steve Bannon, o “ideólogo” da campanha Trump 2016: “Vocês ainda não perceberam ou não querem acreditar, mas isto é uma revolução. E numa revolução vale tudo para destruir o sistema vigente”.

Pode ser que a invasão dos Três Poderes em Brasília tenha, finalmente, tirado as dúvidas que se mantinham em certas cabeças da “direita moderada” sobre quão errado é para a democracia insistir em “falsas equivalências” do estilo “Trump é mau, mas Biden está velho” ou “Bolsonaro e Lula são dois extremos igualmente condenáveis”.

Obviamente, não são. Bolsonaro ataca a democracia. Lula terá a tarefa imensa de a tentar salvar.

Um dos mais aspectos mais chocantes do que vimos a 8 de Janeiro de 2023 tem a ver com o desligamento daqueles ocupantes destruidores com a realidade objectiva – tamanho será o grau de adesão que têm à esfera de desinformação e “fake news” montada há anos, com igual competência técnica e descaramento de conteúdos, pelo bolsonarismo.

Será que os vândalos de Brasília, mesmo depois do que centenas de pessoas a cumprir pena nos EUA pelo ataque ao Capitólio, não tinham a noção que estavam a auto-incriminar-se, quando publicaram vídeos e tiraram selfies a partir vidros, destruir quadros, riscar mesas e roubar material de trabalho que os contribuintes brasileiros pagaram?

Estariam cientes que os esperam processos judiciais e prováveis condenações exemplares?

Ou foram instrumentalizados – em mistura de ignorância, desinformação e crença ideológica cega – por quem tem interesse em manter uma massa ignara, pronta a voltar a votar no populismo extremista?

Nem tudo é mau: sondagem saída quatro dias depois aponta para que 93% dos brasileiros condenam energicamente os tristes acontecimentos de Brasília.

Mas terá Lula a capacidade e as condições de trazer para o arco democrático grande parte de quem votou Bolsonaro no segundo turno e não se revê nos actos criminosos de 8 de Janeiro?

No livro Joe Biden – o Homem e as suas Circunstâncias: o Regresso da América na Era da Polarização Extrema dediquei um capítulo inteiro à invasão do Capitólio. A certo ponto, escrevi: “Há um aiC e um diC na História da democracia americana: antes da invasão do Capitólio e depois da invasão do Capitólio.

O ato inominável de 6 de Janeiro de 2021 ficará como marca inegável, indisfarçável e inapagável da pior presidência americana das últimas nove décadas. As instituições, depois de atacadas, têm que fazer respeitar-se”.

Dois anos depois, o diagnóstico alarga-se dos EUA ao Brasil. As instituições democráticas não podem deixar em claro, por mera leitura táctica do momento, ataques tão miseráveis. Ou reagem com firmeza e autoridade ou deixam de existir.

Autor de cinco livros sobre presidências dos EUA

Diário de Notícias
Germano Almeida
15 Janeiro 2023 — 07:00



 

 14 total views