Vacina de reforço da covid-19 disponível em “casa aberta” para maiores de 75 anos

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/VACINAS/CASA ABERTA

Foram vacinados, entre o dia 7 de Setembro e quinta-feira, mais de 1,7 milhões de utentes contra a covid-19 e mais de 1,7 milhões contra a gripe em Portugal Continental, dos quais mais de 1,3 milhões receberam as duas vacinas em simultâneo.

© Miguel Pereira da Silva / GLOBAL IMAGENS

As pessoas com 75 ou mais anos podem, a partir desta sexta-feira, tomar a dose de reforço da vacina contra a covid-19 na modalidade de “casa aberta”, anunciaram os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

No âmbito da campanha de vacinação outono/inverno, esta modalidade está agora disponível para o reforço sazonal contra a covid-19 para pessoas com 75 ou mais anos de idade, “descendo assim a faixa etária para que mais utentes possam deslocar-se aos locais de vacinação sem ser preciso marcação”, referem os SPMS em comunicado.

Recomendam, no entanto, o recurso às senhas digitais para facilitar a organização deste processo.

A “Casa Aberta” continua também disponível para grupos profissionais prioritários, com recurso a senhas digitais, e para a vacinação e reforço de pessoas entre os 18 e 59 anos e vacinação primária acima dos 12 anos

Segundo dados dos SPMS, foram vacinados, entre o dia 7 de Setembro e quinta-feira, mais de 1,7 milhões de utentes contra a covid-19 e mais de 1,7 milhões contra a gripe em Portugal Continental, dos quais mais de 1,3 milhões receberam as duas vacinas em simultâneo.

A campanha de reforço sazonal contra a covid-19 dirige-se a pessoas com 60 ou mais anos, grávidas com idade igual ou superior a 18 anos e doenças definidas pela norma publicada pela Direcção-Geral da Saúde.

São também abrangidas pessoas com 12 ou mais anos com patologias de risco, estudantes em estágio clínico, bombeiros envolvidos no transporte de doentes e profissionais de Estabelecimentos Prisionais.

Para os residentes ou profissionais de Estabelecimentos Residenciais Para Idosos e na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e para profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados estão indicadas as duas vacinas.

A vacinação contra a gripe é também recomendável para quem tem idade igual ou acima dos 65 anos, crianças com seis ou mais meses que apresentem patologias crónicas associadas, doentes crónicos e imunodeprimidos e grávidas.

As vacinas estão também disponíveis para os grupos prioritários, nomeadamente profissionais de saúde.

Desde o dia 7 de Setembro que decorre a campanha de reforço sazonal em vários centros de vacinação espalhados pelo país, e irá prolongar-se até Dezembro, tendo como prioridade proteger as pessoas mais vulneráveis, prevenindo a doença grave, a hospitalização e a morte.

“O objectivo é vacinar este ano 3 milhões de pessoas elegíveis e por isso reforça-se a importância da adesão à vacinação, em particular dos mais vulneráveis, para ficarem desde já mais protegidos para os próximos meses”, salientam os SPMS.

Diário de Notícias
DN/Lusa
04 Novembro 2022 — 09:23



 

568: Pfizer/BioNTech. Vai ser testada vacina combinada contra a covid-19 e gripe

SAÚDE PÚBLICA/VACINAS/COVID-19/GRIPE

Os ensaios de fase 1 da vacina combinada contra a covid-19 e a gripe do consórcio Pfizer/BioNTech vai decorrer nos EUA e irá envolver 180 voluntários.

© JUSTIN LANE/EPA

O consórcio Pfizer/BioNTech anunciou esta quinta-feira que vai começar a testar esta semana uma vacina combinada contra o SARS-CoV-2, responsável pela covid-19, e a gripe, o que poderá abrir caminho para uma melhor absorção de inoculação para ambas as doenças.

As duas empresas afirmaram, em comunicado, que a vacina em causa é de dose única e resulta de uma combinação da vacina contra a gripe baseada em RNA mensageiro (mRNA) ​​​​da Pfizer e da de reforço contra a covid-19 adaptada à variante Ómicron, desenvolvida pelas duas empresas.

Os testes de fase 1 vão ocorrer nos Estados Unidos e está previsto que participem 180 voluntários, dos 18 aos 64 anos. O primeiro participante deste estudo vai ser imunizado esta semana. “O período de acompanhamento para cada participante será de um total de seis meses”, explica o consórcio.

A responsável pelo desenvolvimento de vacinas da farmacêutica norte-americana Pfizer, Annaliesa Anderson, afirmou que a vacina combinada “poderá simplificar as práticas de imunização contra estes dois patógenos respiratórios, levando potencialmente a uma melhor aceitação da vacina para ambas as doenças”.

“Mesmo com as vacinas contra a gripe sazonal existentes, a carga deste vírus é grave em todo o mundo, causando milhares de mortes e hospitalizações todos os anos”, destacou a responsável.

O CEO e co-fundador da alemã BioNTech, Ugur Sahin, indicou que o objectivo é disponibilizar “uma maneira eficiente de receber imunização contra as duas doenças respiratórias graves com vírus em evolução, que exigem adaptação à vacina”.

Recorde-se que a Pfizer e o seu parceiro alemão BioNTech desenvolveram uma das vacinas mais utilizadas para combater a covid-19.

Os fabricantes das vacinas Moderna e Novavax também estão a testar inoculações combinadas contra covid-19 e gripe.

Diário de Notícias
DN/AFP
03 Novembro 2022 — 12:28



 

431: 26,8% das pessoas com 65 ou mais anos já se vacinaram

SAÚDE PÚBLICA/VACINAÇÃO/GRIPE/ >65 ANOS

A vacinação contra a gripe, que teve início em Setembro é recomendável, segundo a DGS, para quem tem idade igual ou acima dos 65 anos, crianças com seis ou mais meses que apresentem patologias crónicas associadas, doentes crónicos, imunodeprimidos e grávidas.

26,8% das pessoas com 65 ou mais anos já se vacinaram

© Global Imagens

Mais de um em cada quatro portugueses com 65 ou mais anos de idade já terão sido vacinados contra a gripe desde o início da vacinação deste grupo prioritário, indicam os dados da primeira vaga do vacinómetro.

Segundo os primeiros resultados do vacinómetro para a época gripal 2022/2023, a que a agência Lusa teve acesso, terá sido vacinada 26,8% desta população.

O vacinómetro, promovido pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) e pela Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), com o apoio da empresa biofarmacêutica Sanofi Pasteur, acompanha a vacinação contra a gripe ao longo da época gripal em tempo real, através de questionários.

Os dados revelam que, desde o início da época gripal 2022/2023, da população incluída nas recomendações da Direcção-Geral da Saúde (DGS), já terão sido vacinadas 22,3% das pessoas com doença crónica — 22,3% das pessoas com diabetes e 22,5% da população com doença cardiovascular — e 21% dos profissionais de saúde em contacto directo com doentes.

Quanto ao grupo etário entre os 60 e os 64 anos, os dados apontam para uma vacinação de 11,3%, sendo que 41,3% se vacinou por iniciativa própria.

A vacinação contra a gripe, que teve início em Setembro é recomendável, segundo a DGS, para quem tem idade igual ou acima dos 65 anos, crianças com seis ou mais meses que apresentem patologias crónicas associadas, doentes crónicos, imunodeprimidos e grávidas.

No grupo etário dos 80 anos de idade ou mais, 56,0% afirmou já ter sido vacinada.

Na protecção das grávidas com a vacina da gripe, o vacinómetro indica uma cobertura de 42,0%, sendo que 39,7% das mulheres grávidas inquiridas não vacinadas disseram que ainda tencionam fazê-lo.

Em relação à população entre os 18-59 anos de idade, o relatório mostra uma taxa de vacinação de 2,2%.

Da população vacinada com 65 ou mais anos de idade (recomendação da DGS), 35,8% é do Algarve, 31,4% da área metropolitana de Lisboa, 20,3% da região Centro e 28,0% da região Norte.

Os dados do vacinómetro indicam igualmente que 9,1% dos vacinados no grupo dos 65 ou mais anos de idade fizeram-no pela primeira vez este ano.

Dos doentes crónicos vacinados, 10,4 % fizeram-no pela primeira vez este ano e 69,1% das pessoas não vacinadas pertencentes a este grupo pretendem ainda vacinar-se nesta época gripal.

Quanto aos profissionais de saúde, 14,9% foram vacinados pela primeira vez este ano e 49,8% das pessoas inquiridas neste grupo e que ainda não estão vacinadas pretendem fazê-lo.

Na amostra estudada, do total de vacinados, 42,2% fê-lo por recomendação médica, 19,5% por iniciativa própria, porque procuram estar sempre protegidos, 18,6 % porque foram notificados para agendamento pelo SNS e 15% no contexto de uma iniciativa laboral.

A vacinação para os grupos recomendados e com gratuitidade decorre em cinco fases, através de convocatória por SMS para a administração em simultâneo das vacinas contra a gripe e contra a covid-19 ou apenas para a vacina contra a gripe (se não forem elegíveis para covid-19).

A 1.ª fase, iniciada a 07 de Setembro, abrangia as pessoas com 80 ou mais anos de idade ou com comorbilidades, a 2.ª fase, que arrancou no dia 15 de Setembro, incluía os residentes em lares, a 3.ª (desde 21 Setembro) incluía os profissionais de saúde, a 4.ª (07 Outubro) pessoas com 70 ou mais anos de idade e a 5.ª fase, irá arrancar a 12 de Novembro, vai incluir as pessoas com 60 ou mais anos de idade.

Diário de Notícias
Lusa/DN
14 Outubro 2022 — 08:33



 

192: Portugal vai receber cerca de 600 mil vacinas adaptadas na próxima semana

– Curioso a oposição chungosa não pedir a demissão da directora-geral da saúde…

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/VACINAS

As vacinas adaptadas aprovadas até ao momento pela Agência Europeia do Medicamento são as das farmacêuticas Pfizer e Moderna, ambas com tecnologia RNA mensageiro.

© EPA/Carl Court

Cerca de 600 mil vacinas adaptadas contra a covid-19 chegam na próxima semana a Portugal para iniciar o reforço da vacinação de três milhões de pessoas, com um dispositivo com capacidade para administrar 280 mil vacinas por semana.

Segundo o presidente do Infarmed, Rui Santos Ivo, em declarações em conferência de imprensa na sede deste organismo em Lisboa sobre o arranque da campanha de vacinação de outono contra a gripe e a covid-19, Portugal recebe na próxima semana as primeiras doses das novas vacinas adaptadas contra a doença provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, esperando-se cerca de 500 mil doses de uma das vacinas aprovadas e cerca de 100 mil da outra.

As vacinas adaptadas aprovadas até ao momento pela Agência Europeia do Medicamento são as das farmacêuticas Pfizer e Moderna, ambas com tecnologia RNA mensageiro (mRNA).

“A campanha de vacinação de outono é dirigida a cerca de três milhões de pessoas, que serão chamadas à vacinação contra a covid-19 e contra a gripe. Inicia-se na próxima quarta-feira, 7 de Setembro, e prevê-se que termine no dia 17 de Dezembro”, adiantou o coronel Penha-Gonçalves, coordenador da campanha de vacinação, sobre o calendário previsto.

O coordenador da vacinação referiu ainda que os primeiros a ser chamados à vacinação serão os maiores de 80 anos com comorbilidades, cujo processo de convocatória arranca esta sexta-feira, e que a campanha irá decorrer “de forma escalonada”, por faixas etárias, avançando à medida que se esgotem os agendamentos na faixa etária precedente.

“Nesta campanha de outono vamos focar-nos na faixa etária dos mais de 60 anos e dos grupos de risco. Para executar esta campanha foi estabelecido um dispositivo que tem uma capacidade semanal de agendamento de cerca de 280 mil pessoas, está distribuído por todo o território nacional em 397 pontos de vacinação, dois terços dos quais estão localizados em centros de saúde e um terço em centros de vacinação”, adiantou ainda o responsável.

Segundo Penha-Gonçalves, Portugal recebe as primeiras doses em 6 de Setembro e a vacinação arranca “em locais limitados” em 07 de Setembro, em cerca de uma dezena de pontos de vacinação de norte a sul do país, “generalizando-se depois o processo a todo o dispositivo na quinta-feira”, 08 de Setembro.

Ainda sobre esta campanha, o coordenador disse que a vacinação contra a gripe e contra a covid-19 ocorrerá “preferencialmente em co-administração”, mas nestes três meses o dispositivo prevê continuar a fazer vacinação primária e vacinação pediátrica contra a covid-19, para quem ainda não completou os esquemas vacinais.

Sobre a modalidade Casa Aberta, o coronel Penha-Gonçalves esclareceu que nesta campanha estará disponível para cada faixa etária depois de terminado o período de agendamento definido para vacinação desse intervalo de idades, ou seja, quando começar a vacinação das pessoas agendadas entre os 70 e os 79 anos, a faixa etária dos 80 e mais anos passa a poder receber a dose de reforço na modalidade Casa Aberta se tiver falhado a sua data de agendamento.

Independentemente da idade ou das doses de reforço anteriores, todas as doses de reforço que forem administradas nesta campanha de vacinação serão feitas com as novas vacinas adaptadas, “igualmente protectoras” e, por isso, vão ser administradas “indiferenciadamente”, frisou o coronel Penha-Gonçalves.

“Não há escolha de vacinas”, reiterou.

Numa conferência de imprensa em que também estavam presentes o presidente do Infarmed e a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, ninguém quis comentar a demissão da ministra da Saúde, Marta Temido, por todos os participantes serem representantes de “entidades externas”, como justificou Graça Freitas, mas o coronel Penha-Gonçalves deixou a garantia que a saída não terá impactos na operacionalização da campanha de vacinação, a ser preparada desde Junho.

“As orientações que precisamos para operacionalizar este plano já as tivemos, portanto, estamos muito confortáveis para continuar a executar o plano”, disse.

Questionada sobre a campanha se dirigir apenas aos maiores de 60 anos e sobre eventuais receios de um pico de novos casos, Graça Freitas disse que a estratégia em curso é ajustável.

“Vamos monitorizar atentamente a forma como o vírus se vai distribuir, as variantes que poderão circular ou não no próximo inverno e estas estratégias têm capacidade de ser ajustadas”, disse a directora-geral da Saúde.

Diário de Notícias
DN/Lusa
02 Setembro 2022 — 17:33