212: Relógio do Juízo Final aproxima-se da meia-noite, a hora do fim do mundo

 

RELÓGIO DO JUÍZO FINAL

O Relógio do Juízo Final, que mede simbolicamente o fim dos tempos, marcou, nesta terça-feira (24), que a humanidade jamais esteve tão perto do cataclismo planetário devido à guerra na Ucrânia, às tensões nucleares e à crise climática.

O Boletim dos Cientistas Atómicos, que descreve o relógio como uma “metáfora do quão próxima está a humanidade da auto-aniquilação”, moveu os ponteiros de 100 segundos para 90 segundos para a meia-noite.

A cada ano, a junta de ciência e segurança do Boletim e seus patrocinadores, entre os quais figuram 11 prémios Nobel, tomam a decisão de reposicionar os ponteiros deste relógio simbólico.

Até agora, o mais próximo que esteve da meia-noite, a hora fatídica que esperam que nunca chegue, tinha sido 100 segundos. O relógio permaneceu nessa posição por dois anos, desde Janeiro de 2020.

Mas as coisas pioraram. Num comunicado, o Boletim afirma que, neste ano, adianta os ponteiros “devido, em grande parte, mas não exclusivamente, à invasão da Ucrânia por parte da Rússia e ao maior risco de uma escalada nuclear”.

Também pesam “as ameaças contínuas representadas pela crise climática e o colapso das normas e instituições globais necessárias para mitigar os riscos associados com o avanço das tecnologias e as ameaças biológicas como a covid-19”, acrescentou.

Quando o Relógio do Juízo Final foi criado, em 1947, depois da Segunda Guerra Mundial, faltavam sete minutos para a meia-noite. O relógio chegou a ficar a 17 minutos para o horário do apocalipse depois do fim da Guerra Fria, em 1991.

O Boletim dos Cientistas Atómicos foi fundado em 1945 por Albert Einstein, J. Robert Oppenheimer e outros cientistas que trabalharam no Projecto Manhattan, que produziu as primeiras armas nucleares.

IstoÉ IstoÉ
24.01.2023



 

published in: 3 dias 

 

 8 total views