286: DGS recomenda uso de máscara nos transportes públicos e nas farmácias

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/MÁSCARAS

A recomendação é para qualquer pessoa com idade superior a 10 anos sempre que se encontre em ambientes fechados, em aglomerados, nomeadamente, na utilização de transportes colectivos de passageiros.

© Artur Machado / Global Imagens

A Direcção-Geral de Saúde recomenda o uso de máscara nas farmácias, nos transportes públicos e nos aeroportos, terminais marítimos e redes de metro e de comboio, segundo a orientação “Covid-19: Adequação das medidas de saúde pública”, agora actualizada.

A autoridade de saúde refere no documento que está publicado no seu ‘site’, actualizada na quinta-feira, que a orientação foi actualizada de acordo com “a actual situação epidemiológica e a melhor evidência científica”.

Esta recomendação surge cerca de três semanas após o Governo ter decretado o fim da obrigatoriedade do uso de máscara nos transportes públicos de passageiros, em táxis e TVDE e aviões.

Assim, a Direcção-Geral da Saúde recomenda a utilização das máscaras “por qualquer pessoa com idade superior a 10 anos sempre que se encontre em ambientes fechados, em aglomerados, nomeadamente, na utilização de transportes colectivos de passageiros, incluindo o transporte aéreo, bem como no transporte de passageiros em táxi ou TVDE”.

O uso da máscara também é recomendado em plataformas e acessos cobertos a transportes públicos, incluindo aeroportos, terminais marítimos e redes de metro e de comboio.

É igualmente recomendado o seu uso nas farmácias comunitárias e “nos casos confirmados de covid-19, em todas as circunstâncias, sempre que [as pessoas] estejam fora do seu local de isolamento até ao 10.º dia após data do início de sintomas ou do teste positivo”.

A Direcção-Geral da Saúde aconselha também as pessoas mais vulneráveis, nomeadamente as com doenças crónicas ou estados de imuno-supressão com risco acrescido para covid-19 grave, a utilizaram máscara sempre que se encontrem numa “situação de risco aumentado de exposição”.

Segundo a orientação, mantém-se o uso obrigatório de máscara em estabelecimentos de serviços de saúde, em estruturas residenciais ou de acolhimento ou serviços de apoio domiciliário para populações vulneráveis, pessoas idosas ou pessoas com deficiência, bem como unidades em unidades Rede Nacional de Cuidados.

Esta obrigatoriedade estende-se aos contactos com casos confirmados de covid-19 durante 14 dias após a data última exposição.

A DGS sublinha que, “num cenário de alinhamento com o actual panorama epidemiológico, importa que a transição das medidas de saúde pública, elaboradas e publicadas no âmbito da pandemia, seja efectuada de forma adequada à minimização do risco da doença para a população, especialmente a mais vulnerável”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
16 Setembro 2022 — 15:49



 

123: Máscaras deixam de ser obrigatórias nos transportes públicos

– EU VOU CONTINUAR A UTILIZAR MÁSCARA SEMPRE QUE ME DESLOQUE EM TRANSPORTE PÚBLICO OU EM QUALQUER ESPAÇO ONDE EXISTAM PESSOAS! PARECE-ME QUE A SITUAÇÃO DE PANDEMIA AINDA NÃO TERMINOU…!

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/MÁSCARAS

Também deixam de ser obrigatórias em farmácias. Mas continuam a ter que ser usadas em hospitais e lares

© Ricardo Ramos/Global Imagens

A máscara vai deixar de ser obrigatória nos transportes públicos e em farmácias, foi decidido esta quinta-feira em Conselho de Ministros. Também deixa de ser obrigatória a utilização em táxis, TVDE e transporte aéreo.

“Atendendo à manutenção da evolução favorável, com uma tendência controlada da utilização dos cuidados de saúde e também com a informação cientifica disponível, [o Conselho de Ministros] entendeu ser adequado pôr fim à obrigatoriedade de utilização de máscaras ou viseiras nos transportes públicos de passageiros e também em táxis e TVDE”, afirmou Marta Temido.

A governante explicou ainda que o fim da obrigatoriedade do uso da máscara de protecção se estende às farmácias de venda ao público. No entanto, Marta Temido ressalvou que continua a ser necessário usar máscara nos hospitais e em lares de idosos.

“Mantém-se a obrigatoriedade de utilização de máscaras em estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde, face à particular exposição das pessoas que a eles recorrem, e nos estabelecimentos residenciais para idosos e estruturas semelhantes”, sublinhou.

A situação de alerta foi prorrogada em todo o território nacional até 30 de Setembro de 2022.

Diário de Notícias
DN
25 Agosto 2022 — 14:37

81: Governo decreta estado de alerta e autoriza contratação de mais 500 bombeiros

INCÊNDIOS/ESTADO DE ALERTA

O ministro da Administração Interna anunciou um novo estado de alerta que começa domingo e prolonga-se até terça-feira. José Luís Carneiro garantiu ainda que serão ainda contratadas mais 100 equipas de bombeiros e antecipado pagamento de um milhão de euros às corporações.

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro (E), acompanhado pela secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar
© ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A previsão de um agravamento do calor em Portugal Continental, levou o Governo a determinar novo período de “alerta”, que começa no domingo e será reavaliado na segunda-feira, o que implicará restrições do uso do fogo, máquinas agrícolas e até acesso à floresta neste período. Tudo para evitar novos incêndios como os que têm devastado a Serra da Estrela.

Após uma reunião com vários ministros, o titular da pasta da Administração Interna anuncia ainda que será permitido à Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) contratar mais 100 equipas de bombeiros, o que representa mais 500 homens. José Luís Carneiro admitiu que “há desgaste de meios humanos, materiais e logísticos “.

O ministro da Administração Interna afirma ainda que será reforçado o patrulhamento das zonas florestais, com mais 25 patrulhas das Forças Armadas. “O combate ao incendiarismo é um prioridade”, frisou.

A antecipação do pagamento às corporações que têm estado envolvidas no dispositivo especial de combate aos fogos é outra das medidas aprovadas pelo Governo, na ordem de um milhão de euros. O que será feito pela ANEPC.

O ministro da Administração Interna falava aos jornalistas no final de uma reunião com a ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, com a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, com a ministra da Saúde, Marta Temido, com o ministro do Ambiente e Acção Climática, Duarte Cordeiro, e com a ministra e da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.

José Luís Carneiro admitiu que estas medidas são tomadas por vários factores, entre os quais, um agravamento do calor em Portugal Continental, que poderá em certas regiões atingir temperaturas superiores a 40.ª, associado a ventos na ordem dos 40 a 60 KM/h; a manutenção de seca severa e a massa florestal acumulada.

Pelo balanço das autoridades, 64% dos incêndios ainda derivam do uso do fogo e de causas diversas, mas o “incendiarismo” duplicou e já representa 26% das causas.

Sobre o fundo de emergência às populações afectadas pelos fogos, sobretudo as da Serra da Estrela, o ministro reiterou que haverá uma reunião na segunda-feira com os autarcas para “serem tiradas ilações” e preparar esse apoio do Estado central.

Diário de Notícias
Paula Sá
19 Agosto 2022 — 13:54