493: Cientistas encontraram micróbios mais raros do que um bilhete para a Lua

CIÊNCIA/MICROBIOLOGIA

James Weiss
Legendrea loyezae

É mais provável que faça uma viagem à Lua do que veja um micróbio chamado Legendrea loyezae debaixo de um microscópio.

O programa Apollo da NASA enviou um total de 24 pessoas à Lua entre 1968 e 1972. Apenas quatro pessoas já encontraram Legendrea loyezae desde a sua descoberta em 1908 até à publicação deste novo estudo, na revista Protist.

Considerando a despesa, faz sentido que o número de pessoas que viajaram para a Lua seja baixo. Mas espiar o reino microscópico não requer um orçamento de mil milhões de dólares, apenas um microscópio e alguém disposto a sentar-se à sua frente.

O novo estudo recente descobriu 20 novas espécies de micróbios, bem como 100 raras. Cada espécime de ADN encontrada dá outra peça do quebra-cabeças da Evolução.

Os cientistas podem usar esse quebra-cabeças para analisar como um organismo funciona. Por exemplo, alguns genes sugerem como um ser respira. Ou pode dar informações sobre o lugar do organismo na árvore da vida.

A razão pela qual tão poucos cientistas viram estes micróbios é porque a sub-amostragem é um problema importante. Isto significa que a maioria das equipas de investigação recolhe amostras de apenas alguns ou mesmo apenas um local.

Esta nova investigação demorou dois anos e envolveu a recolha e investigação de mais de 1.000 amostras. Dos lagos e lagoas em Varsóvia, na Polónia, aos sedimentos marinhos no Mar do Norte e no Mediterrâneo nas costas de Itália e Portugal, aos riachos de giz em Dorset, no Reino Unido, os cientistas procuraram micróbios. E valeu a pena: encontraram mais de 500 espécies, entre as raras e as novas.

Uma raridade microscópica

Legendrea loyezae está no ramo ciliado das eucariotas. O oxigénio é letal para Legendrea loyezae e possui tentáculos que se esticam e contraem para capturar presas. Os cientistas descobriram milhares de espécies ciliadas.

Os ciliados vivem em ambientes aquáticos, finas películas de água nos solos e até mesmo em locais onde não há oxigénio. Embora as suas vidas dependam da água, podem formar estruturas de protecção para permanecer adormecidos até se molharem novamente.

São compostos de apenas uma única célula e, no entanto, são maravilhosamente diversos. Os ciliados têm estratégias de caça interessantes – alguns tipos especializam-se em comer filamentos de ciano-bactérias, que sugam como esparguete.

Conseguem também nadar. Outros têm um estilo de vida sedentário, incluindo Vorticella, que tem um talo para se prender a superfícies submersas.

Algumas espécies ciliadas formam relações físicas permanentes com outros grupos de organismos, algo conhecido como simbiose. Por exemplo, podem abrigar algas verdes dentro de si para comer o açúcar que as algas produzem através da fotossíntese. Em troca, protegem as algas de herbívoros e vírus maiores (sim, até as algas podem contrair infecções virais).

Algumas espécies ciliadas vivem em comunidades densamente povoadas, principalmente em ambientes bem oxigenados. Mas outras vivem em número tão pequeno que encontrá-los é como procurar mil agulhas num palheiro do tamanho do Monte Evereste.

O objectivo dos cientistas é encontrar o maior número possível dessas espécies raras e incomuns. Eles usam o seu conhecimento da ecologia das espécies como pistas. Se sabem que um micróbio prefere viver em habitats escuros e sem oxigénio, não as procuram na superfície da água, onde há bastante oxigénio e luz.

Foram precisas milhares de horas a olhar através de um microscópio para encontrar quatro Legendrea loyezae, sem mencionar uma pequena fortuna em fisioterapia para os seus pescoços torcidos e dores nas costas.

  ZAP // The Conversation
26 Outubro, 2022