777: Qual seria o impacto da mineração de asteróides na economia global?

MINERAÇÃO/ASTERÓIDES/ECONOMIA GLOBAL

Há cerca de uma década, a perspectiva de “mineração de asteróides” teve um grande aumento de interesse.

CC0 Public Domain

Isso deveu-se em grande parte à ascensão do sector espacial comercial e à crença de que a colheita de recursos do Espaço logo se tornaria uma realidade.

O que tinha sido objecto de ficção científica e previsões futuristas agora estava a ser discutido seriamente no sector empresarial, com muitos afirmando que o futuro da exploração de recursos e manufactura estava no Espaço. Desde então, houve um certo arrefecimento, pois essas esperanças não se concretizaram no prazo esperado.

No entanto, há poucas dúvidas de que a presença humana no espaço implicará a recolha de recursos de Near Earth Asteroids (NEAs) e além. Num artigo recente que está a ser revisto para publicação na Annual Review of Sociology, uma equipa da Universidade de Nottingham em Ningbo, na China, examinou o impacto potencial da mineração de asteróides na economia global.

Com base na sua avaliação detalhada que inclui forças de mercado, impacto ambiental, tipo de mineral e asteróide e a escala da mineração, os investigadores mostram como a mineração de asteróides pode ser feita de maneira consistente com o Tratado do Espaço Sideral (ou seja, para o benefício de toda a humanidade).

Simplificando, a perspectiva de mineração de asteróides resume-se a recursos e ao crescimento contínuo da civilização humana. Há muitas razões citadas para isso, desde garantir a sobrevivência da humanidade e da vida na Terra (ter um “local de reserva” ou tornar-se “multi-planetário”) até atender a uma necessidade básica e ancestral de explorar e “vagar”.

Depois, há a ideia de prevenir o colapso ecológico aqui na Terra por meio de mineração e manufacturação ou inaugurar uma sociedade “pós-escassez”, realocando toda a nossa extracção e manufactura de recursos para o Espaço próximo à Terra, o espaço cislunar e além.

Carl Sagan, o falecido e grande físico, autor e comunicador da ciência, resumiu isso lindamente e relatou como os dois podem estar interligados no nível intuitivo. Como ele colocou:

A estrada aberta ainda chama suavemente, como uma canção quase esquecida da infância. Investimos os lugares distantes com um certo romance. O apelo, suspeito, foi meticulosamente elaborado pela selecção natural como um elemento essencial para a nossa sobrevivência. Verões longos, Invernos amenos, colheitas ricas, caça abundante – nenhum deles dura para sempre. A sua própria vida, ou a de seu bando, ou mesmo a da sua espécie pode ser devida a uns poucos inquietos – atraídos, por um desejo que eles mal conseguem articular ou entender, para terras desconhecidas e novos mundos.

Do ponto de vista material, a justificação é de que o crescimento humano é um fenómeno exponencial que ocorre desde o Paleolítico Superior (há cerca de entre 50.000 a 12.000 anos).

O período que se seguiu – o Holoceno – viu a rápida proliferação das sociedades humanas e o crescimento do seu impacto nos sistemas ambientais em todo o mundo.

A tendência tornou-se tão aguda que, em meados do século XX, os geólogos começaram a referir-se à época actual como o Antropoceno, onde a humanidade é o maior impulsionador das mudanças ambientais no planeta.

A crença de que o futuro da humanidade está no espaço comanda um grande número de seguidores hoje, graças em grande parte à ascensão da indústria do espaço comercial (aka. NewSpace). Outro factor é a pressão contínua para garantir que haja recursos suficientes para atender às necessidades de uma população crescente, aliada aos efeitos das mudanças climáticas.

À medida que nos aproximamos da metade do século XXI, o maior desafio será prover para cerca de 10 bilhões de pessoas em todo o mundo em meio aos impactos das mudanças climáticas. O argumento é que, se nosso futuro deve ser garantido, os recursos de fora do mundo devem ser aproveitados.

A procura por minerais, explicou He Sun, co-autor do estudo ao Universe Today por e-mail, é um factor importante para garantir a abundância de recursos:

Devido ao fato de que a quantidade total de minerais no planeta é finita, os avanços contínuos na tecnologia de recuperação de recursos não podem resolver fundamentalmente o problema do esgotamento mineral. Nesse contexto, a importância da mineração de asteróides está a tornar-se mais aparente. Grandes empresas de mineração de asteróides (incluindo Space X, Blue Origin e outras que já estão presentes nessa área) podem criar uma concorrência hostil. Para evitar a expansão desordenada do capital e o monopólio industrial relacionado, é necessário que as Nações Unidas estabeleçam regulamentos relevantes.

Para evitar que a mineração de asteróides e a futura economia espacial se tornem uma situação do tipo “Velho Oeste”, há muitos apelos para a elaboração de leis que possam impedir a concorrência acirrada e garantir que a riqueza mineral seja usada para o bem de toda a Humanidade.

Isso está de acordo com o Tratado do Espaço Sideral assinado em 1967 entre os EUA, a União Soviética e o Reino Unido, que eram os jogadores mais influentes no Espaço na época. O Tratado já foi assinado e ratificado por 112 países (em Fevereiro de 2022) e continua a ser a peça mais importante da legislação espacial.

De acordo com a NASA, o Tratado do Espaço Sideral é a inspiração por trás dos Acordos Artemis, um conjunto de princípios e melhores práticas que regem as parcerias internacionais para o avanço do Programa Artemis.

Conforme declarado na Secção I – Objectivo e Alcance, os Acordos “destinam-se a aumentar a segurança das operações, reduzir a incerteza e promover o uso sustentável e benéfico do espaço para toda a humanidade”. O Tratado, diz He Sun, também serviu de pano de fundo para a análise da equipe:

“Por um lado, reflecte a preocupação das Nações Unidas com a mineração de asteróides”, disse. “Por outro lado, o nosso documento fornece [à ONU] políticas programáticas aprimoradas para evitar os efeitos negativos sobre a equidade global de possíveis cenários, como monopólios, maldições de recursos, etc.”

He Sun e os seus colegas começaram a sua análise com uma avaliação da situação global e das capacidades de exploração espacial de vários países. Então concentraram-se na criação de um modelo que mediria o impacto da mineração espacial na equidade global e na formulação de políticas que garantiriam (tanto quanto possível) que todas as pessoas beneficiariam.

O primeiro passo foi calcular um Índice Unificado de Equidade (IUE) para cada país, que consistia na análise de seis factores: económico, educação, ciência e tecnologia, saúde, meio ambiente e estabilidade social.

Em suma consideraram como o IUE de um país seria afectado por coisas como a desigualdade de riqueza (coeficiente de Gini), Produto Interno Bruto (PIB), desemprego, nível médio de educação, número médio de patentes e gastos com pesquisas, esperança de vida e resultados de saúde, questões ambientais e taxas de criminalidade.

A partir disso, obtiveram um Índice de Equidade para todo o mundo baseado na entropia da UEI de cada país. Isso levou-os ao segundo passo, onde o impacto da mineração de asteróides foi simulado com base nos tipos de asteróides que seriam minerados.

Os asteróides dividem-se em três categorias amplas: tipo C, tipo S e tipo M. Enquanto os asteróides do tipo C (condritos) – os mais comuns – contêm grandes quantidades de carbono e são compostos principalmente de argila e rochas de silicato, os asteróides do tipo S (“pedregosos”) são compostos de minerais de silicato e metal (níquel-ferro), e os tipos M são principalmente metálicos.

Também consideraram quais entidades estavam envolvidas (privadas, nacionais, internacionais) e mudanças nos valores minerais ao longo do tempo.

Em particular, o modelo analisou como o valor dos minerais mudaria entre 2025 e 2085, coincidindo com o crescimento esperado da mineração de asteróides neste século.

Em última análise, o modelo mostrou que, sem regulamentação, a lacuna entre as entidades competitivas no Espaço (países com programas espaciais, empresas com capacidade espacial avançada) e outras entidades aumentaria profundamente e a equidade dentro das nações ficaria mais longe e fizeram algumas recomendações específicas:

“Sugerimos que a ONU adicione a Política de Informações sobre Mineração, a Política de Legado Mineral, a Política de Assistência Mútua, a Política Antitruste e a Política de Orientação sobre Transacções à versão actualizada do Tratado do Espaço Sideral. Existem recursos inimaginavelmente tremendos no espaço e, se não os explorarmos e distribuirmos com sabedoria, as consequências serão graves”, considera He Sun

Muito trabalho ainda ter de ser feito antes que a mineração de asteróides se torne uma indústria que promete realocar a extracção de recursos para o Espaço e inaugurar uma economia “pós-escassez”.

Isso inclui uma redução adicional nos custos de lançamento, a criação de infra-estruturas em órbita terrestre baixa (LEO) e onde quer que pretendamos minerar, e a capacidade de processar minerais de forma barata.

No entanto, há poucas dúvidas de que a perspectiva de mineração de asteróides está a aproximar-se, e várias questões legais, éticas e económicas precisam ser abordadas de antemão.

ZAP // Universe Today
17 Novembro, 2022