713: Putin decreta que russos com segunda cidadania podem cumprir serviço militar

– Mobiliza o teu amigo Steven Seagal das artes marciais e dos filmes de porrada, a quem deste passaporte russo! Este psicopata encontra-se em estado demencial terminal! Tudo serve para carne para canhão! Se és tão machão, tira o fatinho e a gravata, veste um camuflado, pega numa kalashnikov e vai para a frente de combate dar o litro e incentivar os teus rapazes!

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /MOBILIZAÇÃO/PASSAPORTE RUSSO

O decreto assinado por Putin estabelece que o serviço militar obrigatório será efectuado por cidadãos russos, incluindo os que possuam outra nacionalidade ou autorização de residência no estrangeiro.

O presidente russo, Vladimir Putin
© EPA/ALEKSEY BABUSHKIN / KREMLIN

Os cidadãos russos com outra nacionalidade ou autorização de residência no estrangeiro poderão cumprir serviço militar obrigatório, de acordo com um decreto assinado esta segunda-feira pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O documento contém emendas à regulação sobre o procedimento do serviço militar, informou a agência noticiosa oficial TASS.

Até ao momento, apenas as pessoas com cidadania russa podiam ser integradas no serviço militar obrigatório de um ano e dirigido aos homens entre os 18 e os 27 anos.

Os estrangeiros apenas podiam cumprir esta formação militar sob contrato e nas fileiras de soldados, marinheiros, sargentos ou oficiais subalternos.

O decreto hoje assinado por Putin estabelece que o serviço militar obrigatório será efectuado por “soldados, marinheiros, sargentos, oficiais subalternos que são cidadãos da Federação russa, incluindo os que possuam nacionalidade de um Estado estrangeiro ou uma residência, autorização ou outro documento que confirme o direito da residência permanente no estrangeiro”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
14 Novembro 2022 — 17:09