75: Cientistas encontraram nova forma de detectar mundos alienígenas no universo

CIÊNCIA/UNIVERSO/ASTRONOMIA

Com poderosos telescópios, conseguimos descobrir milhares de exoplanetas nos últimos anos. A maioria destes mundos foram encontrados através do método de trânsito, onde um telescópio óptico mede o brilho de uma estrela ao longo do tempo. Se a estrela mergulhar muito ligeiramente no brilho, pode indicar que um planeta passou à sua frente, bloqueando alguma da luz.

O método de trânsito é limitado e agora poderá ser substituído pelo uso de radiotelescópios.

Mundos alienígenas agora debaixo de olho dos radiotelescópios

O método de trânsito é uma ferramenta poderosa, mas tem limitações. Um das quais é que o planeta tem de passar entre nós e a sua estrela para que a possamos detectar. O método de trânsito também se baseia em telescópios ópticos.

Mas um novo método poderá permitir aos astrónomos detectar exoplanetas utilizando radiotelescópios.

Não é fácil observar exoplanetas em comprimentos de onda de rádio. A maioria dos planetas não emite muita luz de rádio, e a maioria das estrelas emitem. A luz de rádio das estrelas também pode ser bastante variável devido a coisas tais como erupções estelares.

Contudo, grandes planetas gasosos, como Júpiter, podem emitir luz rádio. Não do planeta em si, mas do seu forte campo magnético. As partículas carregadas do vento estelar interagem com o campo magnético e emitem luz de rádio.

Júpiter é tão brilhante em luz de rádio que se pode detectá-lo com um radiotelescópio caseiro, e os astrónomos detectaram sinais de rádio de várias anãs castanhas.

Mas não há um sinal de rádio claro de um planeta semelhante a Júpiter em órbita de outra estrela.

Método recorre à magneto-hidrodinâmica

Neste novo estudo, a equipa cogitou como poderia conseguir o tal. A equipa baseou-se no seu modelo na magneto-hidrodinâmica (MHD), que descreve como os campos magnéticos e os gases ionizados interagem, e aplicaram-no a um sistema planetário conhecido como HD 189733, que é conhecido por ter um mundo do tamanho de Júpiter.

Simularam a forma como o vento estelar da estrela interagia com o campo magnético do planeta e calcularam qual seria o sinal de rádio do planeta. Neste exercício conseguiram encontrar vários resultados interessantes.

Para um deles, a equipa mostrou que o planeta produziria uma curva de luz clara. Trata-se de um sinal de rádio que varia por causa do movimento do planeta.

Isto é óptimo porque as observações do movimento do rádio são extremamente precisas. Ainda mais precisas do que as observações ópticas de Doppler.

Descobriram também que as observações de rádio poderiam detectar um trânsito de um planeta passando em frente da sua estrela. Haveria características específicas no sinal de rádio mostrando como a magnetosfera do planeta passa em frente da estrela. Assim, os astrónomos poderiam compreender melhor a força e o tamanho da magnetosfera do planeta.

Ambos estes sinais seriam muito fracos, pelo que seria necessária uma nova geração de radiotelescópios para os ver.

Segundo os investigadores, se os conseguirmos detectar, os sinais de rádio planetários dar-nos-ão uma medida orbital precisa de pelo menos um planeta no sistema e ajudar-nos-ão a compreender a composição e o interior de um exoplaneta.

Juntos, estes seriam um grande salto em frente na nossa compreensão dos sistemas exoplanetários.

Pplware
Autor: Vítor M
18 Ago 2022