734: Autoridade de ocupação russa deixa Nova Kakhovka, na região de Kherson

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

RUSSONZIS ☠️卐☠️ /NOVA KAKHOVKA/RETIRADA

Funcionários da administração pública de Nova Kakhovka, instituições estaduais e municipais deixaram a cidade e foram realojados para lugares seguros.

© Olga MALTSEVA / AFP

As autoridades de ocupação russas anunciaram esta terça-feira que estão a retirar-se da cidade de Nova Kakhovka, acusando as forças de Kiev de bombardear esta cidade localizada no sul da Ucrânia, perto de uma barragem hidroeléctrica estratégica.

“Funcionários da administração pública de Nova Kakhovka, instituições estaduais e municipais deixaram a cidade e foram realojados para lugares seguros”, disse a autoridade instalada em Moscovo no Telegram.

A reconquista de Kherson (sul), a única capital regional que as tropas de Moscovo conseguiram controlar, desferiu um golpe significativo na ofensiva de Vladimir Putin.

Durante uma visita a Kherson, Zelensky disse que a libertação da cidade é “o começo do fim da guerra”.

A ofensiva militar lançada a 24 de Fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.557 civis mortos e 10.074 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Diário de Notícias
DN/AFP
15 Novembro 2022 — 13:24