124: O luto afecta o funcionamento do nosso cérebro — de formas que nem imaginávamos

 

CIÊNCIA // PSICOLOGIA // LUTO // TRAUMAS

published in: 3 semanas 

Apesar da sensação de sufoco eventualmente passar as consequências desta podem-se fazer sentir por um largo período de tempo no cérebro.

Tsanta Fifaliana / Pexels

É um período pelo qual todos os indivíduos passam irremediavelmente, pelo menos, uma vez na vida, mas que nem por isso se torna menos doloroso.

O luto pode ser, ao mesmo tempo confuso, avassalador e revoltante, pelo que não é de estranhar que, perante um conjunto tão avassalador de emoções, muitos tenham de recorrer a ajuda psicológica. Mas, enquanto as emoções estão ao rubro, que mudanças ocorrem no cérebro humano?

De acordo com a especialista em neurologia Lisa M. Shulman, da Faculdade de Medicina da Universidade de de Maryland, estes órgãos percepcionam a perda traumática como uma ameaça à nossa sobrevivência, pelo que reagem em função desta análise.

“De uma perspectiva evolutiva, os nossos cérebros desenvolveram-se para preservar a sobrevivência, pelo que qualquer coisa percebida como uma ameaça desencadeia uma resposta maciça do cérebro que tem repercussões em muitas regiões do corpo”, explicou à Live Science.

“Estamos habituados a pensar no trauma físico como uma ameaça, mas o trauma emocional grave tem efeitos semelhantes”.

Segundo Shulman, o cérebro responde da mesma forma a diferentes ameaças percepcionadas. Por outras palavras, tem uma reacção por defeito que é desencadeada por qualquer tipo de trauma emocional grave, quer este esteja relacionado com o luto, divórcio, perda de um emprego ou envolvimento numa luta.

“A amígdala [o centro do cérebro para as emoções], no fundo a parte primitiva do cérebro, está sempre atenta às ameaças”, aponta a especialista.

“Quando desencadeada, inicia uma cascata de eventos que colocam todo o corpo em alerta máximo — o coração acelera, o ritmo respiratório aumenta e a circulação sanguínea é aumentada para os músculos para se prepararem para lutar ou fugir”.

Mas Shulman explica que este não é um evento isolado quando se trata de luto. Em vez disso, dias, semanas e meses são preenchidos com lembretes que desencadeiam esta resposta, resultando na amígdala cada vez mais sensibilizada e hipervigilante.

“O cérebro primitivo é reforçado à custa do cérebro avançado, que é a sede do julgamento e do raciocínio”, disse ela. “O cérebro trabalha ao longo do tempo para responder à ameaça de trauma emocional, invocando mecanismos de defesa psicológica como a negação e a dissociação“.

Mary-Frances O’Connor, professora associada de psicologia na Universidade do Arizona, associa também o luto a um forte elemento evolutivo.

“O luto como resposta pode ter evoluído originalmente como resposta à separação“, disse à mesma fonte. “A fim de nos ajudar a manter as nossas ligações aos entes queridos quando vamos explorar o nosso mundo todos os dias – como as crianças que vão à escola ou o seu cônjuge que vai trabalhar — os poderosos neuro-químicos no cérebro fazem-nos ansiar por eles, e recompensam-nos quando estamos reunidos”.

O’Connor observa ainda que a morte de um ente querido é um acontecimento muito raro e sugere que o cérebro responde frequentemente como se o ente querido estivesse simplesmente desaparecido, em vez de desaparecer permanentemente.

“O cérebro quer que os encontremos, ou que façamos tal alarido que eles venham à nossa procura”, disse ela. “Isto não é necessariamente consciente, embora as pessoas enlutadas descrevam frequentemente a sensação de que o seu ente querido irá simplesmente regressar um dia”.

Apesar da sensação de sufoco eventualmente passar — o tempo cura tudo, diz a sabedoria popular — as consequências desta podem-se fazer sentir por um largo período de tempo no cérebro.

“O trauma emocional da dor resulta em alterações profundas na função cerebral devido ao stress repetitivo da luta ou resposta de voo e da neuro-plasticidade, que é a remodelação do cérebro em resposta à experiência e mudanças no nosso ambiente”, disse Shulman,

“Com o tempo, estes mecanismos resultam num fortalecimento do centro primitivo de medo do cérebro e num enfraquecimento do cérebro avançado [o córtex cerebral]”.

Estas mudanças são duradouras mas podem ser revertidas pela terapia e pelo crescimento pós-traumático, acrescentou ela. O crescimento pós-traumático é uma técnica que permite aos indivíduos encontrar uma forma de tirar um novo significado das suas experiências, a fim de viverem as suas vidas de forma diferente do que antes do trauma.

Uma Suryadevara, professora associada de psiquiatria na Universidade da Florida, disse que enquanto certos eventos, locais ou datas podem desencadear uma onda de dor, o cérebro das pessoas acaba por recuperar, embora os tempos de cura sejam diferentes de pessoa para pessoa.

“À medida que as pessoas se curam, o cérebro forma novas ligações neurais e compensa o trauma”, disse Suryadevara ao site Live Science. “Alguns indivíduos sofrem de ‘distúrbio de luto prolongado‘ onde os sintomas duram muito tempo, mas normalmente não é permanente”.

ZAP //
16 Janeiro, 2023



 

 18 total views