285: Alunos russos vão aprender a matar com granadas e Kalashnikovs

 

– Treino de novos recrutas terroristas assassinos russonazis para serem ensinados a matar! É esta a desnazificação que este Estado terrorista, assassino e altamente perigoso para a Humanidade, a começar pelos psicopatas russonazis  do kremlin precisa com a maior urgência! Enquanto na Alemanha nazi de Hitler existiu a Juventude Hitleriana (Hitlerjugend), na rússia nazi vai existir novamente, como anteriormente existiu na união zoviética e terminado em 1993, a juventude nazi putinofantoche. Enquanto estas Bestas do Leste estiverem no poder, não existirá paz no Mundo porque a seguir à Ucrânia outras “conquistas” imperialistas nazis   surgirão!

🇺🇦 A UCRÂNIA É DOS UCRANIANOS 🇺🇦

NÃO É DOS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

A UCRÂNIA FOI INVADIDA POR TROPAS E MERCENÁRIOS

RUSSONAZIS

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

RUSSONAZIS // ADOLESCENTES // FORMAÇÃO DE NOVOS ASSASSINOS

Intenções anunciadas no ano passado vão mesmo acontecer: os alunos russos vão ter treino militar no ensino secundário e superior. Pentágono pode autorizar envio de F-16 para Kiev.

O novo programa escolar do Ensino Secundário russo, que deverá começar a 1 de Setembro deste ano, passará a incluir – garantem os Serviços Secretos Militares britânicos, que dizem ter tido acesso detalhado aos planos, anunciados em Novembro, do Ministério russo da Educação – “treino com armas de assalto da série AK e granadas de mão, exercícios militares básicos, uso de equipamento de protecção pessoal e saudações militares”.

É, dizem os britânicos, uma “evocação da União Soviética” e um regresso a um programa escolar que tinha terminado em 1993. O módulo militar é semelhante ao já anunciado também para os estudantes do Ensino Superior.

Em Novembro, o ministro da Educação da Rússia tinha garantido que os alunos russos voltariam a ter treino militar nas escolas a partir de Setembro de 2023.

Nessa altura, os britânicos afirmaram que o módulo militar ensinaria a disparar uma Kalashnikov, primeiros socorros e a saber o que fazer em caso de ataque químico ou nuclear.

Pentágono pressionado?

O site Politico garante que sim. A notícia refere, citando fontes sob anonimato, que um “contingente de oficiais militares está discretamente a pressionar o Pentágono para que aprove o envio de caças F-16 para a Ucrânia”.

O objectivo é conseguir travar mais eficazmente os ataques de mísseis e drones russos agora que já foi aprovado o envio dos cerca de 100 tanques pesados Leopard 2, de fabrico alemão, e os Abrams, de fabrico norte-americano, juntamente com os veículos Bradley e Marder prometidos e os Patriot.

Se, como dizem as fontes citadas, a Ucrânia se prepara para uma nova ofensiva, na primavera, para reconquistar território, o envio dos aviões de combate F-16 será “essencial”, para além de mais 300 a 400 tanques.

No sábado, Mykhailo Podolyak, assessor de Zelensky, garantia haver conversações entre os aliados ocidentais para acelerar a entrega de mísseis de longo alcance e de aeronaves militares, mas, sublinhou também, que alguns dos parceiros ocidentais da Ucrânia mantinham uma atitude “conservadora” em relação à entrega destas armas, “devido ao medo de mudanças na arquitectura internacional”.

Não fechar as portas

O chanceler alemão Olaf Scholz disse este domingo que quer manter aberta a linha de comunicação com o presidente russo Vladimir Putin. Em declarações ao jornal alemão Tagesspiegel de Berlim, Scholz disse que iria “voltar a falar ao telefone com Putin, porque é necessário [falar]uns com os outros”.

– Este chanceler alemão quer dar-se bem com deus e com o diabo. É pena que a Alemanha haja com esta “suavidade” com um Estado terrorista nazi assassino!

As conversações tidas até ao momento, garante o chanceler alemão, não são em “tom indelicado”, mas Putin mantém a posição “inaceitável” de incorporar à força partes da Ucrânia na Rússia.

Scholz acrescentou que nessas conversas se discutem também problemas específicos, tais como a exportação de cereais ucranianos ou a segurança da central nuclear de Zaporíjia, apesar de regressarem “sempre à questão central” da guerra e de como sair da actual situação.

Para Scholz, cabe a Putin retirar as tropas da Ucrânia e pôr fim a uma guerra “terrivelmente absurda” que já destruiu “centenas de milhares de vidas”.

Diário de Notícias
Artur Cassiano
29 Janeiro 2023 — 19:14

O anti-Cristo chegou à Terra




 

published in: 6 dias 

 

 32 total views,  3 views today

284: Ataques da artilharia russa contra Kherson matam três civis e fere outros cinco

 

– Estes russonazis  terroristas assassinos que propagandearam que os ucranianos bombardearam um hospital em Lugansk onde morreram 14 pessoas e agora? Não propagandeiam o bombardeamento nazi a este hospital em Kherson onde mataram 3 civis e feriram outros cinco, fora muitos outros hospitais anteriormente bombardeados, além de residências civis, lares, creches, escolas, infra-estruturas civis? Ainda existe gente que continua a acreditar na propaganda destes nazis  russos? FDS! Vãol todos à 💩💩💩.

🇷🇺 A RÚSSIA ☠️卐☠️ É UM ESTADO PÁRIA, TERRORISTA, ASSASSINO, LADRÃO, GENOCIDA, VIOLADOR 🇷🇺

🇺🇦 A UCRÂNIA É DOS UCRANIANOS 🇺🇦,
NÃO É DOS RUSSONAZIS
🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

Os ataques da artilharia russa também danificaram uma série de infra-estruturas civis, como o Hospital Clínico Regional de Kherson – onde uma enfermeira foi ferida -, uma escola, uma via rodoviária, um posto de correio e um banco, além de vários edifícios residenciais.

© EPA/RUSSIAN DEFENCE MINISTRY PRESS SERVICE HANDOUT

As autoridades ucranianas revelaram que os ataques da artilharia russa contra a cidade de Kherson, sul do país, causaram, durante o dia deste domingo, a morte de pelo menos três civis, noticiou a agência EFE.

“Neste momento, estamos cientes de que, até ao momento, há oito vítimas dos ataques russos: três pessoas morreram e cinco ficaram feridas com gravidade variável”, disse a administração militar de Kherson na rede Telegram.

Os feridos receberam atendimento médico e um deles permanece em estado grave, acrescentou a mesma fonte.

Os ataques da artilharia russa também danificaram uma série de infra-estruturas civis, como o Hospital Clínico Regional de Kherson – onde uma enfermeira foi ferida -, uma escola, uma via rodoviária, um posto do correio e um banco, além de vários edifícios residenciais.

A cidade de Kherson, capital da região com o mesmo nome e tomada pelas forças russas em Março do ano passado, foi reconquistada pelo exército ucraniano em 11 de Novembro.

Desde então, está sob fogo da artilharia russa, que se retirou para a margem direita do rio Dnieper.

Diário de Notícias
DN/Lusa
29 Janeiro 2023 — 16:31

O anti-Cristo chegou à Terra




 

published in: 6 dias 

 

 11 total views

281: Adolescente russa enfrenta pena de prisão por criticar invasão da Ucrânia

 

RUSSONAZIS // DITADURA NAZI //
🇺🇦 UCRÂNIA

A jovem de 19 anos está detida em prisão domiciliária.

© Reprodução/Twitter

Olesya Krivtsova, uma adolescente russa de 19 anos, residente na região de Arkhangelsk, encontra-se a aguardar julgamento em prisão domiciliária após ter sido acusada de desacreditar o Exército da Rússia e de ter justificado o terrorismo por criticar a invasão russa da Ucrânia.

Segundo a CNN Internacional, a jovem, estudante universitária, foi também adicionada à lista de terroristas e extremistas da Rússia, na qual se incluem membros do Estado Islâmico, Al Qaeda e talibãs.

Em causa está uma publicação na rede social Instagram sobre a explosão da ponte da Crimeia, ocorrida em Outubro, onde também criticou a Rússia, e a republicação de um texto de um crítica na guerra numa conversa entre estudantes na rede social social VK.

Em declarações à CNN Internacional, a mãe de Olesya, Natalya Krivtsova, afirmou que o Kremlin está a usar a filha como exemplo. “Vivemos na região de Arkhangelsk, é uma região vasta, mas demasiado afastada do centro. Já não há protestos em Arkhangelsk, por isso estão a tentar estrangular tudo o que resta na fase inicial”, afirmou.

Os problemas de Olesya com as autoridades russas começaram em maio, quando enfrentou acusações administrativas por distribuir cartazes anti-guerra, mas tornaram-se mais graves com as publicações nas redes sociais.

“Ela tem um elevado sentido de justiça, o que torna a sua vida difícil. A incapacidade de permanecer em silêncio é agora um grande pecado na Federação Russa”, declarou a mãe.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objectivo, segundo Vladimir Putin, de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que cerca de sete mil civis morreram e mais de 11 mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Notícias ao MinutoNotícias ao Minuto
29/01/23 11:43
por Notícias ao Minuto

O anti-Cristo chegou à Terra



 

published in: 6 dias 

 

 12 total views

Putin ataca “neonazis” na Ucrânia no Dia da Memória do Holocausto

 

– Um puro ariano nazi russo a acusar ucranianos de neonazis, quando no regime do putinofantoche existem terroristas nazis, incluindo os mercenários wagnerianos nazis ao serviço do kremlin! 💩💩💩

🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 RUSSONAZIS // HOLOCAUSTO // ACUSAÇÕES

“É contra este mal que os nossos soldados lutam bravamente”, disse o presidente russo. 🙂

O presidente russo, Vladimir Putin, repetiu esta sexta-feira a alegação de que neonazis estavam a cometer crimes na Ucrânia – um argumento que Moscovo usou para justificar a sua intervenção militar – num momento em que o mundo assinala o Dia Internacional da Memória do Holocausto.

“Esquecer as lições da história leva à repetição de tragédias terríveis”, disse Putin.

“Isso é evidenciado pelos crimes contra civis, limpeza étnica e acções punitivas organizadas por neonazis na Ucrânia. É contra este mal que os nossos soldados lutam bravamente”, disse num comunicado.

Apoiantes da operação militar de Putin alegam que o tratamento dado pela Ucrânia aos russófonos no país é comparável às acções da Alemanha nazi. As reivindicações foram contestadas pelo governo ucraniano e pela comunidade judaica do país.

A vitória da União Soviética sobre o exército de Hitler – há muito um símbolo de orgulho patriótico para os russos – ocupou o centro das atenções desde o início da intervenção militar.

Putin disse que “as tentativas de rever as contribuições do nosso país para a Grande Vitória (contra Hitler) na verdade equivalem a justificar os crimes do nazismo e abrem caminho para o renascimento da sua ideologia mortal”.

Sexta-feira é o 78º aniversário da libertação do campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau construído pela Alemanha nazi na Polónia – uma data que se tornou o Dia da Memória do Holocausto.

O museu de Auschwitz não convidou representantes russos para a cerimónia que marca os 78 anos desde que o Exército Vermelho Soviético libertou o campo nazi.

“A Rússia precisará de um tempo extremamente longo e de uma auto-análise muito profunda após este conflito para retornar às reuniões do mundo civilizado”, disse à AFP Piotr Sawicki, porta-voz do museu no local do antigo campo.

Diário de Notícias
DN/Lusa
27 Janeiro 2023 — 11:09



 

published in: 1 semana 

 10 total views

238: Mísseis russos na visita da MNE francesa à Ucrânia

 

🇺🇦 A UCRÂNIA É DOS UCRANIANOS 🇺🇦

NÃO É DOS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

A UCRÂNIA FOI INVADIDA POR TROPAS E MERCENÁRIOS RUSSONAZIS

– Quem está em guerra contra o Ocidente são os russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 putinofantoches e os seus fantoches amestrados, montesdemerda 💩💩💩 putrefacta, humanoides primates, psicopatas altamente perigosos para a paz mundial!

🇺🇦 UCRÂNIA // 🇫🇷 FRANÇA // REUNIÃO // ODESSA

Paris rejeita acusação do Kremlin de que o Ocidente está em “envolvimento directo” na guerra e estuda envio de tanques Leclerc.

Bancos corridos e uma mesa modesta na reunião dos ministros Kuleba e Colonna na cave do Teatro da Ópera de Odessa.
© Twitter Dmytro Kuleba

Moscovo respondeu ao anúncio do envio de carros de combate ocidentais para Kiev com nova salva de mísseis de cruzeiro contra vários pontos da Ucrânia, tendo o Kremlin denunciado o “envolvimento directo” do Ocidente no conflito.

Um dos alvos foi Odessa, a cidade recém designada património mundial, onde os chefes da diplomacia de Kiev e de Parisse viram forçados a reunir-se num abrigo antiaéreo.

Segundo o balanço de Kiev, o ataque russo ficou marcado pelo número 11: foi esse o número de regiões atingidas, bem como o de mortes e de feridos.

O exército ucraniano informou que tinha abatido 47 dos 55 mísseis russos disparados, “incluindo 20 perto da capital”. Também em resultado dos ataques, foram accionados cortes de energia em Kiev e noutras três regiões como medida de precaução.

O objectivo foi “evitar grandes danos nas infra-estruturas eléctricas no caso dos mísseis do inimigo atingirem os seus alvos”, explicou a companhia eléctrica DTEK. Duas infra-estruturas na região de Odessa ficaram danificadas.

Trabalhadores tentam restabelecer as conexões elétricas na região de Kiev, depois de um ataque russo com 55 mísseis de cruzeiro.
© EPA/SERGEY DOLZHENKO

Foi nessa cidade portuária que o ministro dos Negócios Estrangeiros Dmytro Kuleba recebeu a homóloga francesa Catherine Colonna. Depois de um passeio a pé pelo centro histórico, que no dia anterior foi inscrito na lista do património mundial da UNESCO – tendo a organização saudado a “cidade livre, cidade mundial, porto lendário que marcou o cinema, a literatura e as artes” -, os dois viram-se na contingência de realizar a reunião num abrigo antiaéreo, no caso a cave do Teatro da Ópera, devido a mais um ataque.

Um míssil de cruzeiro disparado de um avião de caça russo Su-35 acabou no mar, abatido pela defesa ucraniana, segundo o comando militar.

“Graças a um míssil russo tive a minha primeira reunião diplomática bilateral numa cave. O café estava quente, merci!”, contou a ministra francesa no Twitter.

Também Kuleba se referiu ao encontro de contornos “provavelmente” inéditos. Ambos disseram ter mantido uma conversa sobre todos os tópicos na agenda, o que inclui a assistência militar e humanitária a Kiev.

O tema de que mais se fala é sobre tanques de guerra, depois de Berlim e Washington terem anunciado o envio de Leopard 2 e Abrams. O Kremlin denunciou o “envolvimento directo” do Ocidente na guerra da Ucrânia.

“Em Moscovo, vemos isto como um envolvimento directo no conflito e vemos que está a crescer”, apontou o porta-voz presidencial russo Dmitri Peskov.

– Este fantoche amestrado russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 psicopata apenas sabe cagar merda da matraca para fora Gostava era de ver estes “heróis do bla-bla-bla” de camuflado, kalashnikov nas mãos e na linha da frente! ‘Tá quieto…!!! 🖕🖕

O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês negou este ponto de vista. “Respondemos muito claramente que não estamos em guerra com a Rússia e nenhum dos nossos parceiros está.

A entrega de equipamento militar à Ucrânia, que é efectuada no âmbito do seu exercício de autodefesa ao abrigo do artigo 51.º da carta das Nações Unidas, não constitui co-beligerância”, disse um porta-voz.

Sobre a hipótese de Paris também contribuir com os seus veículos pesados de combate, a ministra realçou que “actualmente a prioridade da Ucrânia continua a ser a aquisição de sistemas adicionais de defesa aérea”, tendo destacado que o ministro da Defesa Reznikov o afirmou na véspera.

“Penso que vamos responder a este pedido”, disse. Aos sistemas LRU e Crotale, já transferidos por Paris, irá juntar-se o novo sistema SAMP/T, de fabrico ítalo-francês.

Sem fugir à questão, Colonna disse que uma decisão positiva “não é impossível”, mas terá de ser tomada depois uma avaliação do Ministério da Defesa que responda de forma positiva a duas questões: fornecer um apoio “real e eficaz”, tendo em conta a manutenção, logística e prazos de formação; e não enfraquecer as próprias capacidades de defesa. A França conta com uns 200 tanques Leclerc, dos quais 160 estarão em prontidão, e outros 200 para servir de reserva de peças, segundo o Le Point.

O Canadá é o mais recente país a a sinalizar que vai enviar os Leopard 2, depois da Polónia, Finlândia e Alemanha o anunciarem e outros como a Noruega, Suécia, Espanha ou Portugal estarem abertos a essa hipótese.

cesar.avo@dn.pt

Diário de Notícias
César Avó
26 Janeiro 2023 — 23:02



 

published in: 1 semana 

 

 12 total views

237: Rússia proíbe portal de notícias Meduza por ameaça à segurança

 

– “… O conhecido portal de notícias independente Meduza, publicado em russo, foi banido da Rússia por representar uma “ameaça” à segurança do país.

A “ameaça” à segurança do regime putinofantoche russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 , verdadeiras Bestas do Leste, é a justificação para eliminar pura e simplesmente o conhecimento do povo russo à realidade e verdade deste regime dirigido por fanáticos nazis psicopatas humanoides primatas.

🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 RUSSONAZIS // DITADURA // MEDUZA

Russos vinculados a organizações classificadas como “indesejáveis” – desde jornalistas a leitores – podem ser condenados a multas ou a penas de prisão até seis anos.

© Meduza

O conhecido portal de notícias independente Meduza, publicado em russo, foi banido da Rússia por representar uma “ameaça” à segurança do país.

Desde a invasão da Ucrânia em Fevereiro de 2022, as autoridades russas lançaram uma campanha sem precedentes para pressionar a imprensa e a oposição.

Fundado em 2014, o jornal Meduza possui sede na Letónia, para escapar à censura de Moscovo.

Nesta quinta-feira, o gabinete do procurador-geral afirmou ter classificado o Meduza como uma entidade “indesejável”, aumentando a pressão sobre o site.

“Foi estabelecido que as suas actividades representam uma ameaça ao fundamento da ordem constitucional e a segurança da Federação Russa”, explicaram os promotores num comunicado.

Em 2021, o Meduza já tinha sido classificado como um “agente estrangeiro” na Rússia.

De acordo com a lei, os russos vinculados a organizações classificadas como “indesejáveis” – desde jornalistas a leitores – podem ser condenados a multas ou a penas de prisão até seis anos.

O acesso aos portais de notícias online da imprensa estrangeira, como o Meduza, foram restringidos.

O rótulo de “agente estrangeiro” foi utilizado nos últimos anos contra opositores, jornalistas e activistas dos direitos humanos.

Na quarta-feira, um tribunal de Moscovo ordenou o encerramento do Grupo Helsinki de Moscovo, a mais antiga ONG de direitos humanos da Rússia.

Diário de Notícias
DN/AFP
26 Janeiro 2023 — 16:03



 

published in: 1 semana 

 

 9 total views

236: Bombardeamentos russos fazem 11 mortos e 11 feridos em todo o país

 

🇺🇦 A UCRÂNIA É DOS UCRANIANOS 🇺🇦

NÃO É DOS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

A UCRÂNIA FOI INVADIDA POR TROPAS E MERCENÁRIOS RUSSONAZIS

  TERRORISTAS

– Os putinofantoches russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 terroristas assassinos não passam de montesdemerda 💩💩💩 putrefactos, sociopatas em estado demencial que nem para limpar retretes servem e muito menos para adubar terras! Cobardes até à espinal medula, atacam de longe civis inocentes de todas as idades, destroem infra-estruturas civis, demonstrando bem a raiz da sua espécie humanoide primata

🇺🇦 UCRÂNIA // ATAQUES // RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 // COBARDES // ASSASSINOS

Este ataque acontece um dia depois de Estados Unidos e Alemanha terem concordado em enviar tanques para a Ucrânia.

© EPA/SERGEY DOLZHENKO

Pelo menos 11 pessoas morreram e outras 11 ficaram feridas em novos bombardeamentos russos em grande escala esta quinta-feira na Ucrânia que visaram em particular instalações energéticas, anunciaram os serviços de emergência ucranianos.

Este ataque acontece um dia depois de os Estados Unidos e a Alemanha terem concordado em enviar tanques para a Ucrânia.

“Onze pessoas ficaram feridas e, infelizmente, outras 11 morreram”, declarou à televisão ucraniana o porta-voz dos serviços de emergência, Oleksandre Khorunejy.

Segundo este responsável, no total, 11 regiões do país foram alvo dos bombardeamentos russos com mísseis e drones (aeronaves não-pilotadas) que explodem contra os alvos.

Diário de Notícias
DN/Lusa
26 Janeiro 2023 — 15:30



 

published in: 1 semana 

 

 10 total views

228: Ataque em Kiev, alerta em toda a Ucrânia. Milhares de tanques russos são inúteis

 

🇺🇦 A UCRÂNIA É DOS UCRANIANOS 🇺🇦

NÃO É DOS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺

A UCRÂNIA FOI INVADIDA POR TROPAS RUSSONAZIS TERRORISTAS

Dia de especial alerta na Ucrânia. Há registo de pelo menos um morto e dois feridos, após ataque à capital.

Ministro da Defesa da Rússia / EPA

Esta quinta-feira é um dia de especial alerta na Ucrânia: pelo menos 30 mísseis russos foram disparados logo nas primeiras horas do dia, anunciou a Força Aérea ucraniana.

sirenes de ataque aéreo um pouco por todo o país. “Fiquem em abrigos“, pedem as autoridades.

As sirenes começaram a tocar precisamente pelo receio de um “ataque massivo” com mísseis ao longo do dia, com aeronaves e navios russos.

Depois de Vitali Klitschko, presidente da Câmara Municipal de Kiev, ter confirmado explosões na capital, o mesmo autarca informou que pelo menos uma pessoa morreu e duas ficaram feridas após um ataque de míssil na cidade. O míssil atingiu um “edifício não residencial”.

As autoridades militares ucranianas informaram que 15 mísseis russos tinham sido neutralizados na zona de Kiev.

A Rússia atingiu também, de novo, centrais eléctricas – duas, ambas na região de Odessa.

Tanques inúteis

Entretanto, o jornal Público faz contas aos tanques que a Rússia tem à sua disposição para a guerra.

– Ó Peskov, tu que afirmaste que os Leopard 2 e M1 Abrams quando chegassem à Ucrânia seriam “ardidos” como todos os outros, estavas a referir-te aos teus tanques n’é? Estes putinofantoches russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 são um fartote de imbecilidade!

Na teoria existem milhares que ainda não foram utilizados – e existem mesmo. Mas, na prática, esses tanques estão guardados por um motivo: não estão em condições de serem utilizados a curto prazo.

Desde o início da guerra, as forças armadas russas já terão ficado sem, pelo menos, metade dos tanques que tinha. Alguns até já saíram da reforma (deixaram de ser fabricados em 1975 e agora estão no terreno).

A Rússia começou o conflito, há quase um ano, com cerca de 3 mil carros de combate. Logo nos primeiros meses perdeu praticamente metade.

Ainda tem aproximadamente 1.500 tanques disponíveis (embora os números oficiais sejam dispersos), mas agora a Ucrânia vai ter reforços: os Leopard que vêm da Alemanha e os Abrams que vêm dos EUA.

E outros países devem enviar mais tanques para a Ucrânia, em breve – o que deverá mexer com as contas russas em relação aos meios disponíveis.

Nuno Teixeira da Silva, ZAP //
26 Janeiro, 2023

Tanque russo destruído na região de Chernihiv OLEG PETRASYUK/EPA



 

published in: 1 semana 

 

 11 total views

218: Angola insiste em cessar-fogo na Ucrânia. MNE (russo) culpa Kiev pelo conflito

🇷🇺 A RÚSSIA ☠️卐☠️ É UM ESTADO PÁRIA, TERRORISTA, ASSASSINO, LADRÃO, GENOCIDA, VIOLADOR 🇷🇺

– Esta Besta do Leste, um anti-semita, “Lavrov, que está em Luanda, lembrou a solidariedade de Moscovo a Angola e culpou a Ucrânia pelo conflito”. A “solidariedade” deste russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 foi a de armar e municiar os terroristas na luta armada contra Portugal, fazendo o mesmo a Moçambique e Guiné-Bissau! Culpar a Ucrânia pelo “conflito”, além de ridículo, demonstra o espírito animalesco desta horda de assassinos que invadiram a Ucrânia, um país soberano, destruindo tudo o que lhes aparece pela frente e assassinando civis de todas as idades, sem qualquer remorso! FDS!!!

🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺  RUSSONAZIS // LAVROV // 🇦🇴 ANGOLA

Serguei Lavrov está em Luanda, onde comparou conflito actual na Ucrânia com guerra em Angola.

O ministro das Relações Exteriores angolano pediu esta quarta-feira ao seu homólogo russo um cessar-fogo com a Ucrânia, enquanto Lavrov, que está em Luanda, lembrou a solidariedade de Moscovo a Angola e culpou a Ucrânia pelo conflito.

Téte Antonio e Serguei Lavrov encabeçam as delegações dos dois países, que mantêm esta quarta-feira o primeiro encontro bilateral enquadrado na visita do chefe da diplomacia russo ao país, inserida numa série de contactos com parceiros africanos.

Num discurso que antecedeu o encontro entre as duas delegações Téte António reafirmou o compromisso no fortalecimento e aperfeiçoamento nos laços de amizade e cooperação que unem os dois países, mas falou da ameaça que o conflito russo-ucraniano representa para a paz mundial e insistiu na procura de uma solução através do diálogo

“Teremos ainda oportunidade de continuar a abordar essa questão, tendo em conta a sua experiência estaremos muito atento a escutar a sua análise sobre este diferendo”, disse Téte António a Serguei Lavrov, encorajando as autoridades russas a “dar uma chance para o resgate do estatuto e do prestígio do país, estabelecendo, como defendeu o Presidente angolano, um cessar-fogo definitivo que possa restabelecer um clima de paz mundial”.

A Rússia foi um dos principais apoiantes do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder) na guerra civil angolana.

O ministro angolano afirmou que a visita de Lavrov “é mais uma oportunidade para o reforço das relações entre os dois países” e aprofundar a cooperação nas áreas existente e identificar novas áreas como agricultura, agro-indústria e indústria transformadora entre outros, lembrando que a prioridade do executivo é a diversificação da economia.

“Os dois países estão conectados por relações tradicionalmente amigáveis”, o que constitui também uma garantia para um diálogo franco, de amigos tradicionais sobre as nossas relações e outras questões de interesse, sublinhou.

Enquanto discursava o ministro russo, os jornalistas que acompanhavam o encontro foram informados que teriam de abandonar a sala, uma situação que fez com que Lavrov questionasse a retirada da imprensa.

Segundo funcionários do Mirex, Téte Antonio terá indicado que os jornalistas se poderiam manter na sala, mas o ‘staff’ da embaixada russa contrariou a orientação, pelo que todos os profissionais de comunicação acabaram mesmo por abandonar a sala onde decorre ainda o encontro bilateral, que deverá ser seguido por uma conferência de imprensa.

Lavrov compara conflito actual com guerra em Angola

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov fez uma comparação entre o conflito na Ucrânia e a guerra em Angola.

Em causa, explicou o ministro russo no encontro com o seu homólogo angolano, está o facto de Kiev estar a prejudicar os russófonos do país, levando Moscovo a ter de intervir para proteger essa parte da população.

“O mesmo conflito baseado na vontade da população de defender os seus direitos deflagrou na Ucrânia depois do golpe inconstitucional, depois do golpe de Estado militar e sangrento chegaram ao poder os nazis, neonazis declarados inclusive que apelavam a matar os russos, os judeus, os polacos”, disse Lavrov, numa referência à deposição, em 2014, do Presidente eleito, Viktor Yanukovytch.

Na ocasião, a Rússia ocupou a península da Crimeia e o leste da Ucrânia, um conflito que continuou em Fevereiro 2022 com uma invasão russa do resto do país, classificada por Moscovo como uma operação especial.

Lavrov disse que Rússia tentou por vários meios acabar com esse conflito, mas apesar disso o regime de Kiev optou pela deflagração deste conflito, proibindo a língua e cultura russas e convidando os que associam a ela a abandonar o país.

“O Ocidente não reagiu as essas declarações racistas e colonialistas. Mais ainda, os EUA e seus aliados fizeram tudo para cultivar esse ódio e transformar a Ucrânia numa praça de armas tendo objectivo de colocar lá bases militares e criar ameaça a toda a região”, disse Lavrov.

O “objectivo declarado” dessa estratégia era “envolver e atrair a Ucrânia para a NATO”, afirmou, recordando o apoio da então União Soviética ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder) na sua guerra contra Portugal e depois na guerra civil, contra a União para a Independência Total de Angola (UNITA), apoiada pelos Estados Unidos e pelo regime do ‘apartheid’ da África do Sul.

“O povo angolano sabe bem qual é o preço da independência, qual o preço do livre exercício dos direitos tradicionais dos direitos de cada angolano e, da mesma maneira, Angola participa (agora) activamente no esforço do estabelecimento da paz noutros países para segurança, paz e prosperidade nesses países”, vincou, fazendo uma comparação entre os dois conflitos.

As relações entre Moscovo e o partido no poder em Angola têm as relações que “remontam a longos anos atrás, ao período da guerra da libertação”, realçando o objectivo de chegar a uma parceria estratégica entre os dois países.

Lavrov elogiou também a posição “equilibrada” de Angola nas Nações Unidas sobre decisões, “que dividem a comunidade internacional, nomeadamente as resoluções relativas ao conflito na Ucrânia”.

Diário de Notícias
Lusa/DN
25 Janeiro 2023 — 10:23



 

published in: 1 semana 

 

 11 total views

170: Rússia fez exercícios de defesa aérea na região de Moscovo

 

– QUEM TEM CU… TEM MEDO 🙂 ! Ditado popular que ratifica estes “exercícios” do russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 putinofantoche terrorista! E depois “pintam a manta” ao geito da propaganda nazi, habitual nestes montesdemerda nazis 🖕. Como é na terra dos russonazis, já não importa instalar artilharia em centros urbanos… Só na Ucrânia é que não se pode…🖕!

RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 // “EXERCÍCIOS” // MEDO

Participaram mais de 150 militares e mais de 30 peças de armamento, equipamento militar e especial nestes exercícios.

A Rússia anunciou este sábado que realizou exercícios de defesa aérea na região de Moscovo para proteger as suas infra-estruturas críticas em caso de “ataques aéreos”, tendo como pano de fundo o conflito com a Ucrânia.

Foram realizados exercícios na região de Moscovo com pessoal da brigada de mísseis antiaéreos do distrito militar ocidental para repelir ataques aéreos a importantes infra-estruturas militares, industriais e administrativas”, adiantou o ministério da Defesa russo num comunicado.

Segundo o ministério, os soldados russos que participaram no exercício são treinados na utilização de “mísseis antiaéreos S-300”.

No total, participaram mais de 150 militares e mais de 30 peças de armamento e equipamento militar nestes exercícios, salientou.

Contudo, a Defesa Russa não especificou quando é que foram realizados os exercícios.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, recusou-se a responder na sexta-feira à pergunta se a Rússia teme que Moscovo seja um alvo a atacar, remetendo a pergunta para o Ministério da Defesa.

Nos últimos meses, a Rússia assistiu a vários ataques imputados à Ucrânia, que vão desde sabotagem a ataques com drones e fogo de artilharia nas regiões fronteiriças.

Diário de Notícias
DN/Lusa
21 Janeiro 2023 — 14:57



 

published in: 2 semanas 

 

 15 total views,  2 views today