“Crime de agressão”. Von der Leyen propõe “tribunal especializado” para julgar a Rússia

🇺🇦 UCRÂNIA / UNIÃO EUROPEIA / RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / JULGAMENTO

Ursula von der Leyen afirma que a União Europeia dispõe dos meios para fazer a Rússia pagar financeiramente.

© EPA/DUMITRU DORU

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, propôs esta quarta-feira a criação de um tribunal especializado para julgar a Rússia pelo “crime de agressão” à Ucrânia.

O tribunal deve funcionar em paralelo com o TPI. E, deve também ajudar a definir as compensações financeiras pela destruição causada na Ucrânia, que Bruxelas calcula em 600 mil milhões de euros.

Von der Leyen considera que “a agressão a um Estado Soberano” e os “crimes horríveis praticados pela Rússia na Ucrânia” não devem ficar impunes.

“Estamos a propor a criação de um tribunal especializado, apoiado pelas nações unidas, para investigar e acusar a Rússia do crime de agressão”, anunciou a presidente da Comissão Europeia, prometendo bater-se pelo “mais amplo apoio possível” na comunidade internacional.

A presidente da Comissão Europeia entende que a Rússia deve também pagar financeiramente pela devastação provocada na Ucrânia.

“Os estragos sofridos pela Ucrânia estão calculados em 600 mil milhões de euros”, afirmou. “A Rússia e os seus oligarcas tem de compensar a Ucrânia pelos estragos e cobrir os custos da reconstrução do país”, defendeu Von der Leyen, assegurando que a União Europeia dispõe dos meios para actuar a nível financeiro.

“Bloqueámos 300 mil milhões de euros das reservas do Banco Central da Rússia. E, congelámos 19 mil milhões de euros de oligarcas russos. No curto prazo, podemos criar com os nossos parceiros uma estrutura para gerir estes fundos e para os investir e usaremos os rendimentos para a Ucrânia”, afirmou a presidente do executivo comunitário, perspectivando que “quando forem levantadas as sanções, este dinheiro deva ser usado e assim a Rússia pagará a total compensação”.

Diário de Notícias
João Francisco Guerreiro, em Bruxelas
30 Novembro 2022 — 08:57



 

718: Rússia proíbe a entrada no país de mais 100 canadianos. Jim Carrey está na lista

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /SANÇÕES/CANADÁ/APOIOS/UCRÂNIA

A decisão de Moscovo surge depois de o Canadá anunciar que vai duplicar a ajuda a Kiev e impor mais sanções contra a Rússia.

O ator Jim Carrey
© KEVIN WINTER / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP

O Canadá impôs esta segunda-feira mais sanções contra a Rússia, desta vez a 23 altos responsáveis pelo alegado envolvimento em violações dos direitos humanos, e anunciou, por outro lado, a duplicação do valor da sua ajuda à Ucrânia.

Moscovo reagiu e adicionou 100 canadianos à lista de pessoas proibidas de entrar no país, incluindo a autora Margaret Atwood, o actor Jim Carrey.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, à chegada à ilha indonésia de Bali, onde arranca oficialmente na terça-feira a cimeira do G20.

As sanções anunciadas por Trudeau afectam 23 funcionários do sistema judicial e o aparelho das forças de segurança russas, desde polícias a juízes, procuradores e funcionários prisionais, alegadamente envolvidos na “violação flagrante e sistemática dos direitos humanos contra os líderes da oposição na Rússia”.

A ministra canadiana dos Negócios Estrangeiros, Mélanie Joly, disse que os funcionários sancionados estavam envolvidos na perseguição ao dissidente russo Vladimir Kara-Murza.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, a 24 de Fevereiro, o Canadá impôs sanções a mais de 1.400 indivíduos e entidades russas.

Trudeau anunciou também a concessão de mais 500 milhões de dólares canadianos em ajuda militar à Ucrânia, para a aquisição de equipamentos militares de vigilância e comunicações, bem como para a compra de combustível e material médico.

Este valor duplica a ajuda à Ucrânia concedida pelo Canadá desde o inicio da invasão russa, a 24 de Fevereiro, que totaliza assim quase mil milhões de dólares canadianos (cerca de 729 milhões de euros).

O primeiro-ministro canadiano afirmou que “esta ajuda militar adicional apoiará os ucranianos, que continuam a combater corajosamente a invasão ilegal, e as novas sanções colocarão mais pressão sobre aqueles que apoiam estes actos de guerra”.

Pouco tempo depois do anuncio feito por Trudeau, Moscovo anunciou que adicionou 100 canadianos à lista de pessoas proibidas de entrar no país, em resposta às sanções contra a Rússia por parte do Canadá.

Um comunicado Ministério dos Negócios Estrangeiros russo refere que a autora Margaret Atwood, o actor Jim Carrey e também Amy Knight, uma historiadora do KGB, estão na lista proibida.

O ministério indicou que estes cidadãos canadianos foram banidos devido ao envolvimento na “agressiva formação anti-Rússia (no Canadá)”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
14 Novembro 2022 — 20:17