1036: Lavrov defende ataques às infra-estruturas, um crime de guerra segundo a ONU

– Este gajo é outro demente psicopata em estado terminal. Diz ele, o psicopata, que “centrais eléctricas ajudam a “matar russos””. E a destruição dessas centrais eléctricas, pelos russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺, que levam electricidade às populações e que ajudam a matar civis inocentes? Esta escumalha causa-me o mais profundo desprezo e nojo absoluto. Nem têm noção do que dizem! A puta da Stolichnaya é lixada!

🇷🇺 RUSONAZSʹKI VBYVTSI 🇷🇺

🇷🇺 RÚSSIA – ESTADO TERRORISTA 🇷🇺

ORCS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / LAVROV / DESTRUIÇÃO / ASSASSÍNIOS

Ministro dos Negócios Estrangeiros alega que centrais eléctricas ajudam a “matar russos” e compara a situação nos territórios ucranianos a Estalinegrado.

Lavrov é chefe da diplomacia de Putin desde 2004.
© EPA/MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS DA RÚSSIA

Impedido pelo governo polaco de participar na conferência ministerial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que decorre até esta sexta-feira em Lodz, o chefe da diplomacia russo dedicou uma conferência de imprensa a alvejar a Ucrânia, o Ocidente e até o Papa Francisco, justificou os ataques às infra-estruturas energéticas e comparou a situação que se vive em território ucraniano à Batalha de Estalinegrado.

Sergei Lavrov justificou os ataques russos a centrais eléctricas e outras infra-estruturas civis, alegando que estas “fornecem potencial de combate às Forças Armadas da Ucrânia, aos batalhões nacionalistas, e delas depende a entrega de uma grande quantidade de armas com as quais o Ocidente está a inundar a Ucrânia para matar russos”.

Uma explicação pouco clara, mas sem dúvida ao arrepio das leis da guerra. “Temos de salientar que dirigir intencionalmente ataques contra civis e alvos civis, ou seja, alvos que não são objectivos militares, equivale a um crime de guerra”, disse a porta-voz do gabinete do alto comissário para os Direitos Humanos da ONU, Ravina Shamdasani, quando a Rússia começou, em 10 de Outubro, a onda de ataques à rede de produção de energia.

O porta-voz do MNE ucraniano respondeu às declarações do ministro russo acenando com o tribunal de crimes de guerra, cuja criação havia sido defendida na véspera pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Será que Lavrov vai negar a sua participação nos crimes do regime de Putin no tribunal internacional, ou vai admitir a culpa de imediato, para não sofrer durante muito tempo?”, escreveu Oleg Nikolenko.

No mesmo dia em que Lavrov se mostrou favorável à destruição do sector energético da Ucrânia, a cidade de Kherson voltou a ficar sem electricidade devido a ataques da outra margem do Dniepre.

Os serviços da empresa eléctrica haviam retomado o fornecimento da corrente a 20% da cidade, libertada no passado dia 11, mas agora voltou ao ponto zero. Além destas pessoas, há seis dias cerca de seis milhões de ucranianos estavam sem acesso a electricidade, tinha dito o presidente Zelensky.

Ainda perante os jornalistas, Lavrov não se deteve e defendeu igualmente os ataques do Exército russo em regiões que Moscovo disse ter anexado, como Kherson ou Zaporíjia, traçando uma comparação com Estalinegrado.

“Era também nosso território e lá derrotámos de tal forma os alemães que eles fugiram”, disse. A cidade que hoje se chama Volgogrado foi arrasada numa das batalhas mais mortíferas da Segunda Guerra Mundial.

O ministro há mais anos no mesmo cargo no regime de Putin negou que a estratégia de bombardeamento de infra-estruturas tenha como objectivo levar Kiev à mesa de negociações.

“Nunca pedimos negociações.” No entanto, caso essas se materializassem, o Ocidente teria de aceder à exigência de que todos os países a leste da Alemanha teriam de abandonar a NATO.

Lavrov deixou ainda palavras de censura ao pontífice. Francisco havia dito em entrevista que as minorias tchetchena e buriate são “as mais cruéis” entre os soldados na Ucrânia, ao que o ministro russo aproveitou para dizer que o “Papa fez declarações incompreensíveis e nada cristãs”.

E ainda…

Mais cartas armadilhadas

A polícia espanhola está a investigar uma série de correspondência armadilhada enviada a diversos altos cargos políticos, incluindo ao primeiro-ministro Pedro Sánchez, à ministra da Defesa Margarita Robles e à Embaixada dos EUA, semelhante à que explodiu na embaixada ucraniana, ferindo um funcionário de uma empresa de segurança.

Dos cinco pacotes, quatro foram detonados de forma controlada e um foi neutralizado, o que permitiu recuperar todo o seu conteúdo para análise.

A Justiça anunciou ter alargado a investigação inicial de um possível delito de terrorismo – a carta enviada à Embaixada da Ucrânia -, para cobrir todos os outros incidentes.

Xi e Modi apelam para a paz

O presidente chinês e o primeiro-ministro indiano, que não condenam a invasão russa, fizeram apelos à paz, em declarações separadas. “Resolver a crise ucraniana através de meios políticos é do maior interesse da Europa e do interesse comum de todos os países da Eurásia”, disse Xi Jinping num encontro com o presidente do Conselho Europeu Charles Michel.

O belga, por sua vez, voltou a instar Xi a “usar a sua influência” junto de Vladimir Putin. “Hoje não precisamos lutar pela nossa sobrevivência, o nosso tempo não deveria ser o da guerra”, escreveu Narendra Modi num artigo ao assumir a presidência do G20.

Sanções à indústria dos mísseis

O ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros pediu ao alto-representante da UE que inclua a indústria russa de mísseis no futuro pacote de sanções, após os bombardeamentos terem danificado as infra-estruturas energéticas da Ucrânia. O encontro entre Dmytro Kuleba e Josep Borrell decorreu à margem de uma reunião da OSCE, em Lodz, Polónia.

Nova troca de prisioneiros

Após mais uma troca de 50 prisioneiros de guerra, ocorrida na quinta-feira, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse que o número de “heróis” postos em liberdade se cifra agora em 1319. “Não vamos parar enquanto não recuperarmos todos os nossos”, proclamou.

cesar.avo@dn.pt

Diário de Notícias
César Avó
01 Dezembro 2022 — 23:06



 

1032: MNE russo acusa EUA e NATO de envolvimento directo no conflito

– “… “Não se pode dizer que os Estados Unidos e a NATO [Organização do Tratado do Atlântico Norte] não estão envolvidos nesta guerra. Estão a participar directamente nela””

Se não fosse a UE e os EUA, a Ucrânia já era propriedade vossa n’é? E depois quem é que se seguiria? Se estivessem envolvidos directamente nela, já toda a zona ocupada pelos russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 estaria limpa de tanta merda! Vais salivando e vomitando umas patacoadas sem nexo, talvez por excesso da Stolichnaya fora d’horas… Olha que já não tens idade para essas barbaridades, pá!

🇷🇺 RUSONAZSʹKI VBYVTSI 🇷🇺

🇷🇺 RÚSSIA – ESTADO TERRORISTA 🇷🇺

 

RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / EUA / NATO / ACUSAÇÕES

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, acusou hoje o Ocidente, sobretudo os Estados Unidos e a NATO, de se ter envolvido directamente no conflito na Ucrânia, ao fornecer armamento e instrução aos soldados ucranianos.

© Reuters

Lavrov salientou que os ataques da Rússia às centrais eléctricas ucranianas e outras infra-estruturas importantes que deixaram milhões sem energia, aquecimento e água, tiveram como objectivo “enfraquecer o potencial militar” da Ucrânia e “inviabilizar o envio de armas ocidentais”.

“Não se pode dizer que os Estados Unidos e a NATO [Organização do Tratado do Atlântico Norte] não estão envolvidos nesta guerra. Estão a participar directamente nela”, disse Lavrov aos jornalistas numa videoconferência de imprensa.

“E não apenas a fornecer armamento, também estão a dar instrução a soldados. Estão a fazê-lo no Reino Unido, Alemanha, Itália e noutros países”, acrescentou.

Lavrov sublinhou que a intensificação dos ataques com mísseis russos tem como objectivo “destruir as centrais eléctricas”, infra-estruturas que “permitem que continuem a enviar armas mortais para a Ucrânia para matar russos”.

“As infra-estruturas visadas pelos ataques são usadas para garantir o potencial de combate das forças armadas ucranianas e dos batalhões nacionalistas”, disse Lavrov.

A Ucrânia e o Ocidente têm acusado Moscovo de atacar infra-estruturas civis vitais para “reduzir o moral e forçar a Ucrânia a negociações de paz nas condições da Rússia”.

Lavrov insistiu que Moscovo continua aberto para negociações sobre o fim do conflito.

“Nunca pedimos conversações, mas sempre dissemos que estamos prontos para ouvir aqueles que estão interessados num acordo negociado”, disse Lavrov.

O Kremlin instou a Ucrânia a reconhecer a Crimeia, que Moscovo anexou em 2014, como parte da Rússia e também outros ganhos obtidos desde que enviou tropas para o leste ucraniano, a 24 de Fevereiro deste ano, para combater a “militarização” e a “nazificação” da região.

Questionado sobre a possibilidade de uma reunião entre os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e dos Estados Unidos, Joe Biden, o chefe da diplomacia russa respondeu que Moscovo “sempre esteve disponível” para tal, acrescentando, porém, que “ainda não se ouviu nenhuma ideia séria”.

Lavrov adiantou que, num contacto telefónico, o homólogo dos Estados Unidos, Antony Blinken, levantou a questão dos cidadãos norte-americanos presos na Rússia, mas observou que Putin e Biden concordaram em estabelecer um canal separado de comunicação para discutir o assunto quando se encontraram em Genebra, em Junho de 2021.

“Está a funcionar e espero que sejam alcançados alguns resultados”, observou.

A administração de Biden tenta, há vários meses, negociar a libertação da estrela da Liga Norte-americana de basquetebol Brittney Griner e de Paul Whelan, um executivo de segurança corporativa de Michigan, para o que terá sugerido um formato de troca de prisioneiros com Moscovo.

Comentando a decisão da Rússia adiar a ronda de negociações para o controlo de armas nucleares com os Estados Unidos, marcada para a semana que hoje termina, Lavrov argumentou ser “impossível discutir actualmente a estabilidade estratégica se se ignorar tudo o que está a acontecer na Ucrânia”.

“O objectivo foi anunciado e é o de derrotar a Rússia no campo de batalha ou mesmo destruir a Rússia. Como pode o objectivo de derrotar a Rússia não ter significado para a estabilidade estratégica, considerando que eles querem destruir um actor-chave da estabilidade estratégica?”, respondeu Lavrov.

Na videoconferência de imprensa, de cerca de duas horas e meia, Lavrov criticou ainda os Estados Unidos e respectivos aliados da NATO, acusando-os de “atropelarem o direito internacional ao tentar isolar e destruir a Rússia”.

Lavrov concluiu acusando também Washington de estar a encorajar outros países, incluindo a Índia, para porem cobro às relações com a Rússia.

“Essas tentativas falharam”, terminou.

A ofensiva militar lançada pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, segundo os mais recentes dados da ONU, que classifica a crise de refugiados como a pior na Europa desde a 2.ª Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa, justificada pelo Presidente Vladimir Putin com a necessidade de “desnazificar” e “desmilitarizar” a Ucrânia para segurança da Rússia, foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para Kiev e com a imposição de sanções políticas e económicas às autoridades de Moscovo.

Até quarta-feira, a ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.655 civis mortos e 10.368 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Notícias ao MinutoLusa // Notícias ao Minuto
01/12/22 13:04
por Lusa



 

1029: Rússia contesta resolução do Bundestag alemão sobre Holodomor ucraniano

– ““Os alemães estão a tentar reescrever sua história e esquecer o arrependimento pelos horrores da Segunda Guerra Mundial”

E vocês, russonazis 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 , estão a escrever um genocídio em pleno século XXI, próprio da Idade Média, invadindo e destruindo um país soberano, assassinando milhares de civis inocentes desde crianças a idosos, contra a Carta das Nações Unidas de que são membros mas que já deveriam ter sido expulsos por serem um estado terrorista, do Direito Internacional, por prática de crimes de guerra contra a Humanidade, violações, roubos, etc.. As vossas mentes psicopatas estão a ferver com a URSS gloriosa de outras eras…

🇷🇺 RUSONAZSʹKI VBYVTSI 🇷🇺

🇷🇺 RÚSSIA – ESTADO TERRORISTA 🇷🇺

RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / HOLODOMOR UCRANIANO / TERRORISMO / ESTALINE / URSS / GENOCÍDIO

Moção aprovada pelo parlamento alemão descreve como genocídio a fome que em 1932 e 1933 matou milhões de pessoas na Ucrânia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov
© RUSSIAN FOREIGN MINISTRY / HANDOUT / AFP

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo rejeitou esta quinta-feira a moção aprovada pelo parlamento alemão que descreve como genocídio a fome que em 1932 e 1933 matou milhões de pessoas na Ucrânia, considerando ser uma tentativa de “demonização da Rússia”.

“Ao mesmo tempo [os deputados alemães] silenciam que a terrível fome não grassava não apenas na Ucrânia, mas também em todo o território do nosso país, ceifando milhões de vidas”, afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros num comunicado publicado no seu site.

Segundo a diplomacia russa, os legisladores da coligação que governa a Alemanha resolveram “apoiar esse mito político-ideológico (genocídio) encorajado pelas autoridades ucranianas por iniciativa de forças ultranacionalistas, nazistas e russofóbicas”.

“Estamos perante uma nova tentativa de justificar e promover a campanha de demonização da Rússia levada a cabo pela Ucrânia”, enfatizou.

Segundo Moscovo, a “ação provocatória” do parlamento alemão (Bundestag) tem uma causa óbvia: “Os alemães estão a tentar reescrever sua história e esquecer o arrependimento pelos horrores da Segunda Guerra Mundial”.

No texto aprovado pela câmara baixa do Bundestag sublinha-se que a morte de milhões de ucranianos pela fome (Holodomor) não foi o resultado de más colheitas, mas antes responsabilidade do Governo soviético, então chefiado por Estaline.

Para consolidar o seu poder e impulsionar a industrialização da União Soviética a qualquer custo, o regime de Estaline confiscou colheitas, deportou camponeses e usou a fome como punição, bloqueando as regiões afetadas para impedir a fuga dos famintos, continua.

“Apenas no inverno de 1932-1933 morreram de fome na Ucrânia entre três e 3,5 milhões de pessoas”, lembra a moção, que assinala ainda que o massacre visava também reprimir a consciência nacional ucraniana.

A moção conclui instando o Governo a apoiar a comemoração das vítimas do Holodomor e a impedir as tentativas da Rússia de impor sua narrativa histórica “unilateral” sobre os acontecimentos.

Vários parlamentos de países europeus reconheceram o Holodomor como genocídio, incluindo os dos países bálticos, Polónia, Hungria, República Checa ou Portugal.

Diário de Notícias
DN/Lusa
01 Dezembro 2022 — 12:13



 

971: Rússia adia reunião com EUA sobre armas nucleares sem justificar

– CUIDADO COM ESSES GAJOS…!!!

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS ☠️卐☠️ FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV ☠️卐☠️
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI ☠️卐☠️ IZ UKRAINY

RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / NUCLEAR  / EUA / CANCELAMENTO

A Rússia adiou hoje uma reunião com os Estados Unidos sobre o controlo de armas nucleares sem indicar um motivo, anunciou a embaixada norte-americana em Moscovo.

© Getty

O adiamento foi confirmado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

“A sessão da comissão de consulta bilateral anteriormente prevista para 29 de Novembro a 06 de Dezembro no Cairo sobre o Tratado START Rússia-EUA não terá lugar nestas datas”, disse a diplomacia russa, sem dar razões para o adiamento.

O ministério liderado por Serguei Lavrov acrescentou que as consultas ocorrerão numa “data posterior”, segundo a agência espanhola EFE.

A embaixada dos Estados Unidos em Moscovo informou o diário russo Kommersant de que “o lado russo adiou unilateralmente a reunião e disse que iria propor novas datas”.

A reunião tinha sido anunciada pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Riabkov, após uma reunião, em Ancara, em 14 de Novembro, entre o director do Serviço de Informações Externas russo, Serguei Naryshkin, e o director da CIA, William Burns.

Durante a reunião, os dois responsáveis pelos serviços secretos da Rússia e dos Estados Unidos discutiram o risco nuclear crescente e as tensões internacionais decorrentes da intervenção militar russa na Ucrânia.

Os Estados Unidos suspenderam o diálogo sobre controlo de armas na sequência da invasão russa da Ucrânia, que Moscovo lançou em 24 de Fevereiro deste ano.

Em Agosto, a Rússia informou Washington da sua decisão de proibir as inspecções ‘in loco’ dos Estados Unidos ao seu arsenal de armas nucleares.

Moscovo alegou dificuldades em fazer as suas inspecções nos Estados Unidos devido às sanções ocidentais sobre autorizações de sobrevoo e vistos para os seus funcionários, decretadas em retaliação pela invasão da Ucrânia.

Em Fevereiro de 2021, o Presidente russo, Vladimir Putin, e o seu homólogo norte-americano, Joe Biden, prorrogaram por cinco anos o último tratado de desarmamento nuclear entre as duas potências, assinado em 2010.

O novo START, que inclui especificamente um sistema de inspecção dos arsenais, consistia em reduzir o número de ogivas nucleares em 30 por cento, para 1.550 por país.

O tratado também limitou a 700 o número de mísseis balísticos intercontinentais utilizados em submarinos e bombardeiros estratégicos equipados para armas nucleares.

Reduziu ainda para 800 o número de lançadores de mísseis intercontinentais em submarinos e bombardeiros estratégicos com armamento nuclear.

A Rússia ameaçou usar armas nucleares se for posta em causa a sua integridade territorial, conforme o protocolo em vigor no país sobre o recurso a este tipo de armamento.

Essa possibilidade foi reafirmada por Putin quando declarou a anexação das regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, em 30 de Setembro.

A Rússia já tinha anexado a península ucraniana da Crimeia em 2014.

A Ucrânia e a generalidade da comunidade internacional não reconhecem a soberania russa nas regiões anexadas.

Notícias ao MinutoLusa // Notícias ao Minuto
28/11/22 16:18
por Lusa




 

Moscovo pede à Noruega que pare de “perseguir” russos e convoca diplomata

– Este putinocrata russonazi 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 a apregoar moral e princípios quando ele e a seita dele actuam contra o Direito Internacional, a ONU e o Conselho de Segurança de onde já deveriam ter sido EXPULSOS por serem um ESTADO TERRORISTA! A desfaçatez demonstra o estado psicopata demencial em que esta gajada se encontra! Na Noruega mandam os noruegueses, pá! Isso é INGERÊNCIA num país soberano, como estão a fazer actualmente à Ucrânia! Se os noruegueses e restantes países da União Europeia são acusados de russofobia, vocês são ocidentalfóbicos. Tens mesmo cara de quem gosta de vodka!

🇷🇺 UBIYTSA! 🇷🇺

🇷🇺 SMERTʹ RUSONAZAM 🇷🇺

ORCS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 /NORUEGA/INGERÊNCIA

Nas últimas semanas, quase uma dezena de russos foi detida na Noruega por fotografar ou usar drones em locais considerados sensíveis.

© Russian Foreign Ministry/Handout via REUTERS

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia pediu às autoridades norueguesas, esta segunda-feira, que parem de “perseguir” cidadãos russos por motivos étnicos.

Esta posição foi dada a conhecer num comunicado, no qual Moscovo revela que convocou o embaixador norueguês na Rússia devido à detenção e julgamento de cidadãos russos pelo uso ilegal de veículos aéreos não tripulados em território norueguês.

“Pedimos às autoridades norueguesas que abandonem tais ações russofóbicas e a perseguição de cidadãos russos com base na nacionalidade”, aponta a tutela liderada por Sergei Lavrov, num comunicado citado pela agência estatal russa TASS.

Na mesma nota, o Ministério dos Negócios Estrangeiros revela que convocou o embaixador norueguês em Moscovo, Robert Kvile.

“Em conexão com as detenções e julgamentos nos últimos meses contra cidadãos russos sob acusações de uso supostamente ilegal de drones, o embaixador Robert Kvile, do Reino da Noruega, foi convocado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia em 28 de Novembro. Foi informado de que tais práticas eram inadmissíveis”, lê-se.

“Foi observado que as sentenças contra os russos são politicamente motivadas e não têm nada a ver com os princípios da justiça justa e imparcial”, acrescenta o Ministério.

Recorde-se que, nas últimas semanas, quase uma dezena de russos foi detida na Noruega por ter sobrevoado o território com drones – proibição imposta face à guerra na Ucrânia – ou por ter fotografado locais considerados sensíveis.

No passado dia 23 de Novembro, um russo, de 34 anos, foi condenado a cumprir 90 dias de prisão na Noruega por esta mesma razão.

É de realçar que a Noruega tornou-se o principal fornecedor de gás natural da Europa após o corte dos fornecimentos russos. Estes drones têm sobrevoado locais estratégicos, como plataformas de petróleo e gás.

Notícias ao MinutoNotícias ao Minuto
28/11/22 15:34
por Carmen Guilherme



 

Polónia considera Lavrov ‘persona non grata’, Rússia diz que é provocação

– Para estes imbecis putinocratas russonazis ☠️卐☠️ até uma rajada de vento contrária é uma provocação! E a invasão da Ucrânia, um país soberano, o que é ó estafermo?

ORCS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /PUTINOCRATAS/ASSASSINOS

A Rússia denunciou hoje uma decisão “provocatória” de Varsóvia após a Polónia ter recusado a entrada no país do ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, para uma reunião ministerial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Russian Security Council meeting © Fornecido por Lusa

“A decisão da Polónia (…) é provocatória e sem precedentes”, disse a diplomacia russa numa declaração.

“Varsóvia não só se desacreditou a si própria desta forma, como causou danos irreparáveis à autoridade de toda a Organização” para a segurança e cooperação na Europa, acrescenta a declaração.

MSN Notícias
CP // NS
Lusa Lusa
19.11.2022



 

714: Lavrov tem problema cardíaco?

– Que peninha tenho do russonazi ☠️卐☠️ que, em Abril disse que havia um “perigo real” de começar em breve a III Guerra Mundial. Este era outro que devia despir a fatiota e a gravata e agarrar numa kalashnikov e ir para a linha da frente! ‘Tá quieto…!!! Nas a russanazi ☠️卐☠️ Maria Zakharova diz que é mentira, então ’tá bem…

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

LAVROV/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /BALI/G20/HOSPITAL

Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia seguiu para o hospital mal chegou à Indonésia. “Cúmulo da falsidade”, reage o ministério.

Maxim Shipenkov / EPA
Chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov

Sergey Lavrov foi conduzido para o hospital quando chegou a Bali, Indonésia, onde vai decorrer a cimeira G-20.

O governador de Bali deixou essa indicação e as autoridades indonésias indicaram o mesmo à agência Associated Press.

A informação partilhada aponta para um problema de saúde do ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, mais concretamente um problema cardíaco.

De acordo com as mesmas fontes governamentais, Lavrov ainda foi tratado no local onde estava hospedado e depois seguiu para o Hospital Sanglah – que não comentou o caso.

O governador de Bali afirmou que o ministro foi para o hospital assim que chegou à ilha, mas também assegurou que Lavrov está de boa saúde e que passou pelo hospital apenas para realizar um check-up.

A embaixada da Rússia em Jacarta, capital da Indonésia, não reagiu a esta informação, mas o ministério dos Negócios Estrangeiros já negou este caso.

“Isso, obviamente, é o cúmulo da falsidade“, declarou Maria Zakharova, porta-voz do ministério.

Entretanto, fontes russas indicam que Lavrov já publicou um vídeo para assegurar que está bem.

Sendo o ministro dos Negócios Estrangeiros do país que invadiu a Ucrânia, Sergey Lavrov tem sido um dos responsáveis mais presentes em declarações sobre a guerra.

Em Abril, chegou a avisar que havia um “perigo real” de começar em breve a III Guerra Mundial.

Nuno Teixeira da Silva, ZAP //
14 Novembro, 2022



 

Ministro dos Negócios Estrangeiros russo hospitalizado em Bali. “É o cúmulo da falsidade”, diz Rússia

“… O governador de Bali disse que Lavrov estava bem de saúde e estava no hospital para um check-up”. Um gajo que se encontra num país estrangeiro desloca-se a um hospital para fazer um check-up y no se pasa nada? 🙂 Nunca desejei a morte a ninguém, não faz parte do meu modo e estilo de enfrentar as situações mais negativas da vida mas a este traste, assim como a todos os trastes que infelizmente existem por esse mundo fora, um “apagão” definitivo até era bem vindo a fim de não poder cometer mais crimes, tenham eles a natureza que tiverem. Até parece que estas virgens inocentes não produzem fakenews quando é do seu interesse… ‘Tadinhos!

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

BALI/ORC RUSSONAZI ☠️卐☠️ /LAVROV/HOSPITALIZADO?

Serguei Lavrov terá tido um problema de coração. Estava na Indonésia para participar no G20. Rússia partilhou vídeo em que o MNE russo nega e acusa os jornalistas ocidentais de mentir.

© EPA/KITH SEREY

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, foi hospitalizado hoje “com problemas de saúde” após a chegada a Bali onde deve participar na Cimeira do G20, disseram autoridades da Indonésia.

Três fontes oficiais indonésias disseram à Associated Press (AP) que o ministro dos Negócios Estrangeiros russo foi tratado de imediato no local onde se encontrava hospedado, em Bali.

As fontes não quiseram ser identificadas e não forneceram mais detalhes.

Mesmo assim, duas fontes indonésias disseram à AP que Lavrov estava a ser tratado a “um problema de coração”.

A embaixada da Rússia em Jacarta declinou fazer qualquer comentário.

À Reuters, o Ministério dos Negócios Estrangeiros já negou a informação. “É o cúmulo da falsidade”, disse a porta-voz Maria Zakharova, que partilhou um vídeo de Lavrov sentado ao ar livre num pátio, de calções e t-shirt a ler documentos.

Nessas imagens, o próprio Lavrov diz estar bem e lembra que há uma década que o ocidente diz que Putin está doente. “Este é um tipo de jogo que não é novo na política”, disse Lavrov, 72 anos, com um sorriso irónico. “Os jornalistas ocidentais precisam ser mais verdadeiros – eles precisam escrever a verdade.”

O governador de Bali disse que Lavrov estava bem de saúde e estava no hospital para um check-up.

Diário de Notícias
Lusa/DN
14 Novembro 2022 — 09:44



 

693: Guerra na Ucrânia impede comunicado final da cimeira da Ásia Oriental

– Estes parasitas russonazis ☠️卐☠️ pensam que o Mundo tem de obedecer às suas directrizes imperialistas. Saiam da ONU e do Conselho de Segurança e formem uma nova organização onde apenas podem caber Estados párias, terroristas, repressivos, assassinos! Tão fácil! E dizerem que este gajo é chefe da “diplomacia” russa é ridículo! Terroristas não possuem diplomacia!

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

ORCS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /ASEAN

Segundo Serguei Lavrov, “os Estados Unidos e os seus aliados insistem numa linguagem absolutamente inaceitável em relação à situação na Ucrânia” na Associação das Nações do Sudeste Asiático.

A cimeira da Ásia Oriental, em que participam Estados Unidos e Rússia, terminou este sábado em Phnom Penh sem um comunicado conjunto devido a referências à guerra na Ucrânia, anunciou o chefe da diplomacia russa.

“Não houve acordo”, disse Serguei Lavrov numa conferência de imprensa após a cimeira que juntou a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e os seus principais parceiros.

“Os Estados Unidos e os seus aliados insistem numa linguagem absolutamente inaceitável em relação à situação na Ucrânia, pelo que será emitida uma declaração presidencial”, disse Lavrov, citado pela agência espanhola EFE.

A cimeira juntou na capital do Cambodja os 10 países da ASEAN e Austrália, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Japão, Nova Zelândia, Rússia e União Europeia.

A ASEAN é formada por Brunei, Cambodja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Myanmar (antiga Birmânia), Singapura, Tailândia e Vietname.

Myanmar não enviou qualquer representante à cimeira porque a junta militar, no poder desde o golpe de Estado de 2021, foi vetada pela ASEAN por não facilitar uma solução para a crise política no país.

A reunião juntou na mesma sala Serguei Lavrov, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

Numa atmosfera de divisão e à porta fechada, esperava-se que o encontro fosse dominado pela guerra na Ucrânia, a crise energética e alimentar, e a rivalidade entre China e Estados Unidos, entre outras questões.

O primeiro-ministro cambojano, Hun Sen, cujo país preside à ASEAN este ano, disse antes da reunião que estava ciente das divisões, mas também confiante de que era possível chegar a acordos para construir uma região “mais pacífica, harmoniosa e próspera”.

Lavrov chefia a delegação russa, face à ausência do Presidente Vladimir Putin, que não se deslocou a Phnom Penh nem participará na cimeira do G20, na terça e quarta-feira, na Indonésia.

O Kremlin (Presidência) alegou problemas de agenda e a necessidade de Putin permanecer na Rússia para justificar a sua ausência nas reuniões.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de Fevereiro deste ano, mergulhando a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1930-1945).

A generalidade da comunidade internacional condenou a Rússia pela invasão e decretou sanções contra interesses russos.

Os aliados ocidentais da Ucrânia têm fornecido armamento às tropas ucranianas, que lançaram recentemente uma contra-ofensiva e reconquistaram zonas que estavam sob controlo russo, incluindo parte da região de Kherson, no sul.

Diário de Notícias
DN/Lusa
13 Novembro 2022 — 10:47