200: Cientistas descobrem que núcleo interno da Terra estará a parar e a inverter-se

 

SISMOLOGIA // GEOFÍSICA // TERRA

A “paralisação” do núcleo interno da Terra traz implicações na forma como o nosso planeta funciona. Segundo um estudo apresentado pelos sismólogos Yang e Song, esta alteração poderá significar mudanças nos campos gravitacionais e magnéticos da Terra e trazer consequências geofísicas mais amplas.

O artigo científico foi publicado pela revista “Nature Geoscience“, e o resultado foi uma surpresa para os próprios autores. A dupla de investigadores estuda o fenómeno desde 1995.

Rotação do núcleo interno da Terra pode estar a inverter-se?

O núcleo da Terra parou de girar mais rápido do que o próprio planeta e poderá mesmo estar a inverter o seu sentido. Este é o resultado apresentado num estudo feito a partir de dados de sismos, realizado por Yi Yang e Xiaodong Song, sismólogos da Universidade de Pequim.

A descoberta aponta para que este abrandamento leve a alterações nos campos gravitacionais e magnéticos da Terra e trará consequências geofísicas mais amplas, como a alteração na duração de um dia completo nalgumas fracções de segundo.

Isso porque a duração de um dia está directamente ligada ao movimento de rotação da Terra em torno do próprio eixo (que dura 23 horas, 56 minutos, 4 segundos e 0,9 décimos de segundo).

Assim, a mudança na forma como o núcleo gira poderá estar a ter impacto no movimento de rotação em si e, consequentemente, na duração de um dia.

Outras possíveis alterações seriam relativamente ao nível do mar e à temperatura da Terra.

Nos últimos anos, os dias estão a ficar mais curtos e pode ser que haja relação com esta mudança [na forma como o núcleo gira].

A alteração na rotação também pode modificar o campo gravitacional como um todo e causar deformações na superfície, o que alteraria também o nível do mar e, por sua vez, a temperatura global do planeta.

Explicou Song numa entrevista ao jornal espanhol El País.

E como iremos perceber estas alterações no núcleo?

Numa entrevista à Nature, o John Vidale, sismólogo da Universidade da Carolina do Sul, refere que os potenciais impactos precisam de mais tempo para serem devidamente avaliados. Como tal, temos de esperar.

Para já, percebe-se que milhares de quilómetros abaixo dos nossos pés, o interior da Terra estará a preparar algo muito estranho. Mas ainda requer mais investigação para conhecer melhor o nosso planeta e as suas entranhas.

Só em 1936 é que foi descoberto o núcleo interno, após os investigadores estudarem a forma como as ondas sísmicas dos terramotos viajam pelo planeta.

As mudanças na velocidade das ondas revelaram que o núcleo do planeta, que tem cerca de 7.000 quilómetros de largura, consiste num centro sólido, feito principalmente de ferro, dentro de uma casca de ferro líquido e outros elementos.

O núcleo externo, de 2.400 quilómetros de largura, separa o núcleo interno do restante do planeta. Era este isolamento que permitia que o núcleo interno pudesse girar num ritmo próprio.

Os autores concluem que esta oscilação na rotação do núcleo interno, coincidindo com mudanças periódicas no sistema de superfície da Terra, demonstra a interacção entre as diferentes camadas da Terra.

Pplware
Autor: Vítor M
24 Jan 2023



 

published in: 2 semanas 

 

 17 total views