271: Sustentabilidade da Segurança Social justifica cortes nas pensões

PENSÕES/SUSTENTABILIDADE/CORTES

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, voltou a atirar para 2023 a fórmula de cálculo das reformas para 2024, depois de o governo ter reduzido em metade a percentagem do aumento para o próximo ano.

Ministra do Trabalho Ana Mendes Godinho
© ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, garantiu esta quarta-feira, no Parlamento “o suplemento de mais meia pensão” conjugado com a actualização regular do próximo ano garante que nenhum reformado irá receber menos do que o previsto.

Contudo, em 2024, e aplicando a fórmula alterada, que reduz em metade a percentagem do aumento, os pensionistas acabarão por ser penalizados.

Questionada pelo deputado do PSD, Nuno Carvalho, se os reformados vão efectivamente sofrer um corte daqui a dois anos, a governante atirou a resposta para 2023, justificando com a sustentabilidade da Segurança Social: “Quanto a 2024, vamos fazer uma avaliação em função da evolução em 2023 e dos contributos da comissão para a sustentabilidade da Segurança Social e para a diversificação das fontes de financiamento para que determinar o que acontece em 2024”.

Ana Mendes Godinho frisou que a decisão do governo “nunca pode pôr em risco o futuro colectivo”.

A governante explicou que a actual fórmula “não responde ao momento que vivemos”.

Leia mais em Dinheiro Vivo.

Diário de Notícias
Dinheiro Vivo
14 Setembro 2022 — 14:31