Ucrânia recebe promessas de apoio no 90.º aniversário do ‘Holodomor’

🇷🇺 UBIYTSA! 🇷🇺

🇷🇺 SMERTʹ RUSONAZAM 🇷🇺

🇷🇺 HOLODOMOR (GENOCÍDIO PELA FOME) 🇷🇺

🇷🇺 URSS – ESTALINE 1930 🇷🇺

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS ☠️卐☠️ FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV ☠️卐☠️
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI ☠️卐☠️ IZ UKRAINY

UCRÂNIA/HOLODOMOR/90º. ANIVERSÁRIO/APOIO

A Ucrânia recebeu este sábado promessas de apoio contra Moscovo, no 90.º aniversário do ‘Holodomor’, a fome causada pelo regime de Estaline na década de 1930, que adquiriu novo impacto desde a invasão russa.

© Reuters

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, garantiu que o seu povo se manterá firme perante os ataques russos, que regularmente provoca grandes cortes de energia e água à medida que as temperaturas do inverno se aproximam.

“Os ucranianos passaram por coisas realmente terríveis. E apesar de tudo mantiveram a capacidade de não obedecer e o seu amor pela liberdade. No passado, quiseram destruir-nos com fome, hoje com escuridão e com frio”, afirmou Zelensky, num vídeo publicado no Telegram, citado pela Agência France-Presse.

“Não nos podem quebrar”, sublinhou.

Vários líderes europeus viajaram hoje até Kyiv para participarem nas comemorações do ‘Holodomor’, que a Ucrânia considera um “genocídio”.

Segundo a comunicação social da Polónia e da Lituânia, os primeiros-ministros desses países, Mateusz Morawiecki e Ingrida Simonyte, que apoiam fortemente Kyiv, estão de passagem para negociações sobre uma possível nova onda de imigração da Ucrânia para a Europa neste inverno.

O Serviço da guarda fronteiriça da Ucrânia confirmou que Morawiecki “visitou Kyiv e honrou a memória das vítimas do ‘Holodomor'”.

O primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, também está de visita a Kyiv, a primeira desde o início da invasão russa.

Segundo a agência belga, o governante prevê disponibilizar um apoio financeiro adicional de 37,4 milhões de euros para a Ucrânia.

“Cheguei a Kyiv. Após os violentos bombardeamentos dos últimos dias, estamos com o povo ucraniano. Mais do que nunca”, afirmou De Croo no Twitter.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, anunciou num vídeo uma ajuda adicional de 10 milhões de euros para apoiar as exportações de cereais da Ucrânia, impactadas pela guerra.

O Parlamento alemão decidiu, esta sexta-feira, definir como “genocídio” o ‘Holodomor’, que causou a morte de cerca de 3,5 milhões de ucranianos através da colectivização de terras.

A Rússia rejeita essa classificação, argumentando que a grande fome que assolou a URSS (União Soviética) no início dos anos 1930 não fez apenas vítimas ucranianas, mas também russas, cazaques e outros povos.

O flagelo histórico cometido pelo regime estalinista na Ucrânia soviética, também designado como “A Grande Fome” ou “A Fome-Terror”, fez, entre 1932 e 1933, cerca de 3,5 milhões de vítimas ucranianas — aliás ‘Holodomor’ significa em ucraniano isso mesmo: exterminação pela fome.

A Roménia, a Irlanda, a Alemanha e o Vaticano foram, até agora, alguns dos países que atribuíram ao crime da era soviética a classificação que a Ucrânia vinha pedindo há anos e que adquiriu uma nova actualidade desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, a 24 de Fevereiro deste ano, e durante alguns meses bloqueou a saída de cargueiros com cereais dos portos ucranianos, fazendo temer uma crise alimentar mundial.

Na quarta-feira, o parlamento romeno aprovou um texto classificando o ‘Holodomor’ como um “crime contra a Humanidade” e, na quinta-feira, foi a vez de o Senado irlandês aprovar uma resolução considerando-o um “genocídio do povo ucraniano”.

No mesmo dia, também o papa Francisco falou sobre o assunto no Vaticano, utilizando o termo “genocídio”: “Rezamos pelas vítimas desse genocídio e por tantos ucranianos — crianças, mulheres, pessoas idosas e bebés — que agora sofrem o martírio da agressão”.

© Reuters
Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto
26/11/22 12:13
por Lusa

“Mãe heroína”: Putin recupera tradição soviética

– Existe falta de carne para canhão! Há que dar mais quecas para nascerem mais futuros soldados para servirem o ayatollah terrorista russonazi ☠️卐☠️ putineiro! Este psicopata já não tem cura!

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI IZ UKRAINY

RUSSONAZI ☠️卐☠️ /MÃE HEROÍNA/URSS

Distinção foi concedida pela primeira vez na URSS em Outubro de 1944, com o objectivo de estimular as taxas de natalidade.

“Mãe heroína”: Putin recupera tradição soviética © SERGEY GUNEEV / KREMLIN POOL / SPUTNIK / POOL

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, concedeu os primeiros títulos de “mãe heroína”, retomando uma tradição soviética que homenageia mulheres com dez ou mais filhos, de acordo com um decreto presidencial hoje divulgado.

Medni Kadyrova, mulher do líder tchetcheno Ramzan Kadyrov, que tem 14 filhos segundo o ‘site’ oficial da presidência tchetchena, tornou-se uma das duas primeiras mulheres russas a receber este título.

A segunda mulher distinguida é Olga Dekhtiarenko, da península de Yamal, localizada ao norte do Círculo Polar Árctico.

A sua família, com dez filhos, venceu a competição nacional “Família do Ano” em 2020, segundo os órgãos de comunicação social locais.

O título “mãe heroína”, por vezes traduzido como “mãe heróica”, foi implementando na era soviética e Putin decidiu restaura-lo em Agosto.

A distinção foi concedida pela primeira vez na URSS em Outubro de 1944, com o objectivo de estimular as taxas de natalidade depois da Segunda Guerra Mundial, onde morreram milhões de soviéticos.

Depois, deixou de existir após a queda da União Soviética em 1991.

A Rússia enfrenta há anos uma nova crise demográfica, que se agravou com a pandemia de covid-19 e o início da ofensiva russa na Ucrânia.

Vladimir Putin decidiu restaurar este título, determinando também o pagamento de um milhão de rublos [cerca de 16.200 euros] às mulheres homenageadas.

De acordo com os resultados preliminares dos últimos censos, publicados pela agência russa de estatística (Rosstat), cerca de 147 milhões de pessoas viviam na Rússia em Outubro/Novembro de 2021, um milhão a menos do que em 1992, após a queda da URSS.

MSN Notícias
SIC Notícias SIC Notícias
Lusa
14.11.2022 às 23:30