Ataques? “Vingança” russa; Zaporíjia atingida por mísseis

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦
🇺🇦 UKRAYINA NE ROSIYSʹKA 🇺🇦

🇺🇦 UKRAINA – NE ROSSIYA 🇺🇦
🇺🇦 HEROYAM SLAVA 🇺🇦

🇬🇧 DROP ALL RUSONAZI ORCS ☠️卐☠️ FROM UKRAINE
🇺🇦 VYHNITʹ Z UKRAYINY VSIKH RUSONAZIVSʹKYKH ORKOV ☠️卐☠️
🇷🇺 VYBROSITE VSEKH ORKOV RUSONAZI ☠️卐☠️ IZ UKRAINY

🇷🇺 UBIYTSY! 🇷🇺

ORCS RUSSONAZIS 🇷🇺☠️卐☠️🇷🇺 / ZAPORIJIA / ATAQUES / MÍSSEIS

O presidente da ucraniano, Volodymyr Zelensky, reiterou, na terça-feira, que a Rússia está a levar a cabo uma “vingança” contra a Ucrânia, face às derrotas militares impostas por Kyiv.

© Getty Images

Na verdade, o responsável revelou que, numa semana, Moscovo disparou centenas de vezes contra localidades da zona de Kherson, atingindo tanto edifícios residenciais, como infra-estruturas civis.

Por seu turno, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Riabkov, explicou que a Rússia adiou as conversações com os Estados Unidos sobre o desarmamento nuclear devido à “falta de vontade” de Washington de ter em consideração as prioridades de Moscovo.

Notícias ao MinutoNotícias ao Minuto
30/11/22 07:45
por Notícias ao Minuto



 

898: Hospital de Zaporíjia alvo de ataques russos durante a noite

🇷🇺 UBIYTSA! 🇷🇺

🇷🇺 SMERTʹ RUSONAZAM 🇷🇺

TERRORISMO/ORCS RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /PUTINOCRATAS

Não há feridos a registar na sequência dos bombardeamentos.

© Reprodução/ Telegram Oleksandr Starukh

Um hospital da cidade ucraniana de Zaporíjia foi alvo de novos ataques da Rússia durante a noite de quinta-feira.

“O inimigo atacou novamente os subúrbios de Zaporíjia. Desta vez, os mísseis chegaram perto do hospital. Felizmente, as pessoas não ficaram feridas, o mesmo não pode ser dito sobre o edifício. Dezenas de janelas partidas”, informa o governador da região, Oleksandr Starukh, numa publicação na rede social Telegram.

O governante revelou ainda que, após o ataque à unidade hospitalar, “o inimigo destruiu um posto de gasolina”, sem registo de vítimas.

“O dia está apenas a começar. Cuide-se!”, alerta Starukh.

A Rússia tem estado imparável no que diz respeito a novos ataques contra o território ucraniano. Uma série de explosões foram ouvidas, na quarta-feira, nas regiões de Mykolaiv, Dnipropetrovsk, Lviv e Kyiv, provocando pelo menos três mortos e nove feridos.

No mesmo dia, a Rússia atingiu uma maternidade na região de Zaporíjia, num ataque que matou um bebé recém-nascido e o país foi declarado como “estado patrocinador do terrorismo” pelo Parlamento Europeu.

A ofensiva militar lançada a 24 de Fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto
25/11/22 08:21
com Lusa




 

825: Ucrânia: ataques “deliberados” à central nuclear em Zaporíjia

UCRÂNIA/ATAQUES/ZAPORIJIA/NUCLEAR

É uma situação “extremamente grave”, avisou o chefe da Agência Internacional de Energia Atómica.

Pravda Gerashchenko / Telegram

O chefe da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, considerou hoje que os ataques à central nuclear ucraniana em Zaporíjia foram “absolutamente deliberados, direccionados” e classificou a situação como “extremamente grave”.

Uma boa dúzia de ataques” atingiu a central, segundo Grossi, que, sem atribuir responsabilidade às forças russas ou ucranianas, ficou indignado por haver quem considere uma central nuclear “um alvo militar legítimo”, afirmou numa entrevista ao canal de televisão francês BFMTV.

“Seja quem for, pare com essa loucura”, exortou Rafael Grossi, que insistiu: “Quem faz isto sabe perfeitamente o que pretende atingir. É absolutamente deliberado e direccionado”.

A Rússia e a Ucrânia trocaram acusações sobre a autoria dos ataques.

“A central está na linha de frente, há actividades militares que são muito difíceis de identificar, há pessoal russo e ucraniano em operação”, disse Grossi.

A AIEA, que tem dois inspectores na central, vai efectuar uma avaliação dos danos provocados pelos ataques.

“Houve danos em zonas bastante sensíveis“, acrescentou Grossi, especificando que os reactores não foram afectados, mas sim a zona onde se encontram os combustíveis frescos e usados”.

Grossi disse esperar poder apresentar segunda-feira de manhã o balanço, e acrescentou que os inspectores não puderam sair hoje porque a situação é muito instável.

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de Fevereiro, ocupa militarmente o território da central e o Presidente russo, Vladimir Putin, reivindicou a sua anexação, bem como a de quatro regiões ucranianas.

Ao longo dos últimos meses, Moscovo e Kiev têm trocado acusações sobre ataques em Zaporíjia.

Lusa // ZAP
20 Novembro, 2022



 

ONU anuncia “explosões poderosas” na central nuclear de Zaporijia

– Estranho é o vídeo abaixo ter sido publicado no Kadyrov’s Telegram channel, um assassino russonazi ☠️卐☠️ nacionalista tchetcheno!

UCRÂNIA/INVASÃO/ORCS/RUSSONAZIS ☠️卐☠️ /ZAPORIJIA

De acordo com Rafael Grossi, chefe da agência atómica da ONU, anuncia que “as notícias… são extremamente perturbadoras”. Russos falam de bombardeamentos ucranianos.

© EPA/HANNIBAL HANSCHKE

A central nuclear de Zaporijia, na Ucrânia, foi bombardeada, de acordo com várias agências noticiosas russas e confirmadas já pelos agentes da ONU especializados em energia nuclear.

As explosões nas imediações da central nuclear de Zaporijia, registadas entre a noite de sábado e esta manhã são “extremamente perturbadoras”, segundo informações de agentes da ONU citados pela Sky News.

Rafael Grossi, chefe da agência atómica da ONU, já veio entretanto dizer que se trataram de “explosões poderosas”, naquilo que parecia ser um novo bombardeamento à central nuclear. “As notícias… são extremamente perturbadoras.

As explosões registaram-se no local desta grande central nuclear, o que é completamente inaceitável”, sublinhou Grossi, num comunicado por escrito, acrescentando que os danos causados em edifícios, sistemas e equipamentos “não foram críticos” até ao momento.

A Rússia já acusou as forças ucranianas de terem realizado novos bombardeamentos contra a central nuclear, garantindo que o nível de radiação permanece “em conformidade com a norma”.

“O regime de Kiev não para as provocações para criar a ameaça de um desastre na central nuclear de Zaporijia”, a maior da Europa e militarmente ocupada pela Rússia, afirmaram os militares russos em comunicado.

A agência noticiosa estatal russa Tass avança que projécteis ucranianos caíram perto de um local de armazenamento da central, mas não estavam a ser detectadas emissões radioactivas.

Renat Karchaa, operador russo da empresa de energia nuclear Rosenergoatom, disse que se registaram 15 disparos nas instalações da central, de acordo com Tass.

A central nuclear de Zaporijia – a maior central nuclear da Europa – está sob ocupação russa desde Março, mas continua a ser operada pelas forças ucranianas.

Troca de acusações

Pouco depois de Moscovo ter acusado Kiev de atacar o local, a agência nuclear ucraniana acusou a Rússia de bombardear a central nuclear de Zaporijia.

“Na manhã de 20 de Novembro de 2022 [este domingo], como resultado de numerosos bombardeamentos russos, pelo menos 12 ataques foram registados no local da central nuclear de Zaporizjia”, afirma a Energoatom, operadora estatal das centrais nucleares da Ucrânia, citada pela AFP.

A Energoatom acusa os russos de “mais uma vez organizarem chantagem nuclear e colocarem o mundo inteiro em risco”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
20 Novembro 2022 — 11:51